CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 55 - Ao Chegar no Fim da Caverna

O Mestiço (OM)

Capítulo 55 - Ao Chegar no Fim da Caverna

Autor: Liam

Eles seguiram descendo por mais duas horas. O tempo parecia não passar e o cansaço apenas aumentava mais e mais. Não havia ninguém dentre eles que não desejasse um pausa, mas todos concordaram de que o melhor a se fazer seria ir até o fim naquela mesma noite, o mais rápido possível. —Estou começando a me arrepender em ter concordado… —Esta foi a primeira e única reclamação de Mihail durante toda descida, deixando claro o quão exaustivo estava sendo.

—Me pergunto onde foi parar meu tratamento especial por estar grávida… —Apenas Arien e Kotaru, que caminhavam mais atrás dos demais, foram capazes de ouvir o comentário de Dana que andava entre eles. Os dois se perguntaram se aquilo havia sido uma piada ou apenas mais um de seus comentários super sinceros.

Todos pararam quando Azhar e Guiscard cessaram seus passos. Foi inevitável pensar que as Aberrações atacariam em breve novamente, mas não era esse o caso, não desta vez. Azhar e Guiscard eram quem possuíam o maior alcance na magia Find dentre eles, por isso sentiram uma espécie de aura logo abaixo e mais a frente.

—O próximo andar é o mais baixo, imagino que vocês sabem o que isso significa, certo? Estejam prontos… —Sua voz transmitia certa preocupação, era impossível imaginar que tipo de aberração estaria lá embaixo, se fosse um Huem suas chances de derrotá-lo e saírem todos vivos era extremamente baixa.

Eles prosseguiram andando, preocupados e atentos, caso essa outra Aberração, que fizera o tom de voz se alterar, também fosse capaz de cavar túneis.

A passagem para o nível inferior não estava bloqueada como as demais, e logo que desceram a rampa puderam se deparar com a Aberração. Assim como Azhar suspeitava havia uma outra espécie que provavelmente agia como líder, mas para sua sorte não era um Huem, apenas outro Beas.

A aberração os encarava com seus olhos esverdeados que pareciam fluorescentes. Seus olhos se assemelhavam com os de cobras, assim como seu corpo longo e espesso. A maior diferença entre os répteis e a Aberração sem sombra de dúvida era os três pares de braços que possuía, muito parecidos com os de humanos.

Ela tinha uma tonalidade cinza, bem próxima ao preto. Após alguns instantes parados encarando a Aberração, ela ergueu os olhos fixando-os nele. Sua boca adquiriu uma forma que fazia parecer que sorria, o que era assustador. Também era possível ver entre suas presas algo parecido com saliva, porém, num tom esverdeado.

O lugar parecia uma sala, com apenas uma entrada, de onde era possível ver todo o espaço. Era um lugar amplo, com algumas tochas nas paredes, e nos cantos, jogados no chão, era impossível não notar os diversos esqueletos. Alguns dos corpos ainda possuía alguns resquícios de carne o que significava que eram um pouco mais recentes, porém, diferente do que poderia se imaginar, o local não fedia, pois os corpos não estavam se decompondo, mas sim sendo devorados aos poucos.

—Cuidado… Nós não sabemos do que ele é capaz. —Azhar mantinha sua guarda erguida, sem subestimar seu oponente, mesmo levando em conta a superioridade nos números e supondo que eram mais fortes, ele não poderia se dar o luxo de ser arrogante e por a vida dos demais em risco.

Eles foram entrando naquele salão um após o outro, e quanto mais apareciam, mais sorridente a Aberração parecia ficar. Ela permanecia imóvel, apenas os encarava, provavelmente pensando quão bela seria a refeição que teria. Logo atrás dela era possível ver, em uma espécie de pedestal de pedra com um baú em cima dele, eles estavam de frente para a Cursed Seed.

—Vocês cinco, permaneçam sempre atrás de nós três, tentem nos dar cobertura caso algo aconteça. Todos sabem usar o Mystical Impact, certo? —Perguntou Azhar que buscava pensar em algo. A princípio tudo o que tinha em mente era que deveria descobrir as habilidades daquela criatura.

Todos responderam em conjunto que sim.

—Tudo bem, nós iremos atacar, caso achem necessário usem o Mystical Impact para atordoá-lo. —Essa foi a última ordem de Azhar para os novatos antes que atacassem. —Ícaro, tente atingi-lo com fogo para vermos a reação dele. —Ícaro acenou com a cabeça mostrando que havia entendido e assim todos se separaram como se já soubessem o que fazer e como fazer.

Para a direita da Aberração foi Azhar, e para a esquerda Guiscard, Ícaro permaneceu de frente para ela, apenas se afastando dos novatos. Aquele sorriso em seu rosto transmitia certa insegurança para eles, mas aquilo podia não significar nada, afinal, estamos falando de Aberrações, nada a respeito delas é comum ou padronizado.

Assim como lhe fora mandado Ícaro estendeu sua destra para a Aberração, usando a magia Flames disparando um jato de fogo.

Todos ficaram surpresos com o resultado, ao chegar numa distância de cinco metros o fogo de ícaro se dissipou, como se houvesse se encontrado com as água de um riacho, porém, não houve vapor.

O sorriso daquela criatura acabara de ficar maior, e ao que parecia, agora era a vez dela de atacar. Numa velocidade anormal ela apareceu de frente para Ícaro, que conseguiu sentí-la entrar no campo de sua Find e ergueu o antebraço, criando, com a magia Fence, uma barreira em frente a ele para se defender do golpe, porém o espesso rabo da Aberração não colidiu com a barreira como era esperado, pelo contrário, atingiu o antebraço do rapaz fazendo-o se afastar.

Ela caiu sobre seus seis braços e começou a grunhir, o barulho que fazia era muito mais alto do que podia se esperar. Antes que Azhar pudesse dar qualquer comando, todos puderam sentir a terra estremecer, tanto acima de suas cabeças, como abaixo de seus pés, e sem demora alguma mais daquelas Aberrações que haviam derrotado há algumas horas apareceram.

No total apareceram quatro, uma veio de cima, outras duas debaixo do solo, surgindo próximas a Guiscard. A quarta surgiu pela rampa que dava no salão surpreendendo os novatos.

—Ice Wall! —Dana agiu rapidamente criando em sua frente uma parede de gelo que impediu a investida dela, mas apenas um golpe daquelas presas pontiagudas foi capaz de criar rachaduras por toda a magia de Dana. —Isso não deve suportar um segundo ataque. —Ela alertou os demais que imaginavam como sairiam daquela situação.

—Guiscard! —Gritou Azhar preocupado ao vê-lo cercado por aquelas duas Aberrações que emergiram da terra.

Ele sacou sua espada que outrora matou uma delas sem dificuldades. Estava prestes a desferir o golpe na que estava mais à direita, quando sentiu a Aberração que convocou as demais se aproximar dele.

—Não use a Fence! —Gritou Ícaro alertando-o, pois deduziu que assim como não foi eficaz para ele não seria para Guiscard.

Assim como seu amigo sugeriu, Guiscard usou outra magia defensiva, a Black Shield, que embora tenha o mesmo propósito que a Fence, possui uma resistência muito superior.

O que aconteceu com Ícaro se repetiu. A magia de Guiscard se desfez contra sua vontade, com a simples presença daquela criatura que mirava sua face com um de seus punhos.

Sem tempo de reação a única coisa que ele pôde fazer foi receber o golpe. Ele apoiou seu pé no chão com força para não sair do lugar, e contra-atacou imediatamente com sua espada, antes que a Aberração pudesse tocar o chão e se reposicionar.

Infelizmente para Guiscard aquela criatura era muito mais habilidosa do que ele podia imaginar. Ela se apoiou com duas de suas mãos na própria lâmina dele, desta maneira ela não só desviou do golpe, como foi capaz de atingi-lo novamente com seu rabo.

Ele deu dois passos para trás e logo acima dele estava uma das aberrações que havia saído da terra, com suas presas abertas, pronta para devorá-lo. E assim o fez, ela prendeu suas presas no chão fechando-as, trazendo para dentro de si algumas rochas e Guiscard.

—GUISCARD! —Ícaro arregalou os olhos incrédulo no que acabara de ver, seu parceiro que sempre foi tido como um dos mais fortes sendo neutralizado tão facilmente. Após a surpresa, a raiva se apossou dele que estendeu suas duas mãos para a Aberração que protegia o salão disparando uma poderosa rajada de fogo, porém, assim como da primeira vez, suas chamas se dissiparam ao se aproximar demais dela.

Subitamente a Aberração que havia devorado Guiscard foi partida ao meio, ele mesmo havia se livrado, cobrindo a si mesmo com seu Black Shield para proteger-se do que eles achavam ser o sangue da criatura, mas na verdade era uma espécie de suco gástrico.

Guiscard avançou rapidamente contra a outra Aberração estocando com sua espada rapidamente, sem dá-la tempo para pensar, apenas desviar.

Enquanto isso na entrada do salão os cinco se afastaram da parede de gelo criada, e ela logo foi destruída por uma segunda investida. Seu corpo que era extenso, demorou de passar completamente, e antes que ela pudesse atravessar foi atingida por uma espécie de machado de gelo criador por Dana. O golpe foi fatal, partindo-a ao meio.

Guiscard permanecia a atacar com sua espada sem pausas entre os golpes. As últimas duas Aberrações que surgiram após o grunhido daquela outra criatura foram conduzidas a protegê-la, após ela emitir o mesmo barulho enquanto desviava.

Um Mystical Impact de Kotaru atingiu a que vinha do teto e a que veio do chão foi partida ao meio por uma espada de aura conjurada por Azhar. O suco gástrico das criaturas foram impedidas de chegarem até Guiscard por uma parede de fogo criada por Ícaro.

—Você não me parece mais tão sorridente não é mesmo? —Guiscard continuava a atacar, supondo que tudo que a Aberração poderia fazer era recuar, ele a guiava até a parede, onde pretendia desferir o golpe final.

A Aberração notou que estava se aproximando da parede, mas ela ainda não tinha usado tudo o que tinha, lhe restava um último recurso, e como se espera de últimos recursos, você só os usa quando se é realmente necessário.

Ela emitiu novamente um barulho, porém, desta vez era diferente. Com uma altura inacreditável, capaz de fazer todos no salão levarem suas mãos aos ouvidos. Guiscard tentou continuar atacando, mas ao sentir o sangue escorrer pelos seus ouvido e uma grande pressão em sua cabeça teve que ceder, e tapar os ouvidos com as mãos, soltando sua espada.

O teto parecia estremecer, e de fato estremecia. Pequenas pedras se desprendiam caindo, e era possível notar alguns pedregulhos no chão, os mais leves, tremerem. As mãos já não era mais o suficiente, aquele barulho excruciante penetrava a proteção criada com facilidade, e o sangue escorria pelos dedos de todos.

Ao cessar o grito que foi o suficiente para atordoar a todos, a Aberração avançou contra Guiscard que estava com a visão embaçada e ouvindo um zumbido. Ela desferiu uma sequência de golpes com seus seis braços, feroz e brutalmente. A cada soco que recebia suas pernas ficavam mais perto de ceder.

Depois de Guiscard, que era quem estava mais próximo, os mais afetados pelo grito estrondoso da Aberração foram Azhar e Ícaro.

Ela estava prestes a desferir o soco que imaginava que seria o que iria nocauteá-lo, porém, com suas poucas forças ele segurou o punho dela. Irritada, pois se sentiu afrontada, tentou atingi-lo com outro de seus punhos, mas ele também o segurou, encarando nos olhos. O olhar de Guiscard fez aquela criatura estremecer, contudo ainda se sentia vitoriosa, afinal, ela possuía outros quatro braços. Ao erguer seu outro punho pôde ver, próximo a ela, aparecer um rapaz subitamente. Era Kotaru que se aproximou invisível, e antes que a Aberração pudesse reagir ele fincou sua adaga em sua axila, girando seu punho com força de maneira que seu braço caísse no chão imediatamente.

A Aberração se virou atacando Kotaru com sua cauda, ele tentou conjurar a Fence para reduzir os danos, porém, como imaginava não funcionou.

—Acho que acabamos por aqui. —Azhar havia se recuperado dos danos que recebera do grito da criatura, e agora tinha a cabeça dela em suas mãos, porém seu corpo sangrava no chão. —Estão todos bem?

—Acho que sim… —Respondeu Shin olhando ao redor, mesmo estando mais distante do que Ícaro, por exemplo, ele pareceu sofrer mais danos e ainda estava um pouco atordoado.

—Conseguimos, agora basta voltarmos a superfície… —Comentou Azhar de maneira entusiasmada, porém, os demais não se sentiam da mesma maneira. Estavam todos cansados demais para caminharem todo o caminho de volta. —Ou podemos descansar aqui… Eu fico com o primeiro turno da guarda, e vocês se arrumem logo para dormir.

Assim eles fizeram, rapidamente todos estavam deitados e dormindo, enquanto Azhar admirava aquele baú, completamente negro com as bordas douradas. A alegria que sentia ao ver aquilo era tão grande que nem ao menos sentia o cansaço em seu corpo, apenas imaginava que estava mais próximo de obter sua vingança que aquilo. Havia em seu coração um desejo ardente por sangue, sangue daqueles que perseguiram seu povo, e fizeram coisas horrorosas com ele.

No dia seguinte.

Já estava próximo do pôr do sol quando eles finalmente saíram da caverna, os três drows não se importavam nem um pouco sequer de ficar longe da escandalosa luz do sol, porém os demais se sentiram melhor pelo simples fato de estarem expostos a ela.

—Acho melhor irmos pra cidade comer algo antes que eu devore um de você… —Comentou Guiscard e logo em seguida todos puderam ouvir seu estômago roncar.

Eles não comeram nem beberam nada durante o caminho de volta, pois seus suplementos haviam acabado.

Assim como sugerido por Guiscard eles entraram em Kepis para comerem algo, mas apenas os humanos e as elfas que estavam disfarçadas. Eles estavam sem nenhuma poção do transmorfo e não seria bom para eles serem vistos. O baú ficou com Azhar e os outros dois que ficaram próximos à caverna.

Logo eles chegaram no centro da cidade onde encontraram uma taverna que estava abrindo naquele momento, na parede era possível ver cartazes de procurado, quatro no total, todos entraram na taverna, com exceção de Kotaru que ficou olhando aqueles desenhos. Ele reconheceu um de imediato, o rosto de Verona, sua recompensa era de quinhentos mil réis. Havia um outro desenho que lhe chamou a atenção, e foi isso o que lhe fez parar para ver melhor. Ele tinha a impressão de conhecer aquela pessoa, embora não conseguisse dizer quem era.

Após alguns instantes todos se alimentaram e voltaram com comida para os demais que ficaram esperando, e também para a viagem, pois eles logo partiriam.

Por LiamGt | 18/08/18 às 12:00 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Magia, Drama