CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 74 - O Arco Contra o Sabre

O Mestiço (OM)

Capítulo 74 - O Arco Contra o Sabre

Autor: Liam

Enquanto Vilian encarava a dura verdade de que sua oponente era mais forte que ele, Aludra ainda se iludia, crendo que seria capaz de lutar de igual para igual com Alexander. Não iria demorar muito para que ela percebesse o quão enganada estava.

— Sabia que eu sempre achei a cor de suas peles belíssima? — Seu tom debochado tornava difícil não levar aquilo como uma ofensa.

— Infelizmente a beleza de nossa cor não é o suficiente para nos isentar do sofrimento… — Ela o encarava com desprezo, mas mal sabia que aquele olhar o divertia. — Nefarious Hunter: Come. — O arco que estava em suas mãos mudou de aparência adquirindo um tom de marrom escuro e partes prateadas com rubis anexados.

Essa magia criada por Aludra invoca um arco poderoso que pode aumentar o dano causado por suas flechas através de um disparo muito mais veloz, além disso ele também é capaz de alterar as características de suas flechas e portar setas amaldiçoadas pelo própria drow.

O arco é uma invocação, mas além de ser invocado ele pode possuir o arco comum que ela carrega consigo, sendo assim ela pode se armar de maneira inusitada, mas se estiver em posse de seu arco comum não precisa desfazer-se dele.

— Espero que você não esteja pensando que eu te tratarei de maneira diferente por ser mulher… — Alexander apontou para ela seu sabre e assim que notou sua intenção de puxar uma flecha de sua aljava ele avançou.

A velocidade dele era algo preocupante, principalmente para ela que era especialista em combate a distância. Caso Alexander continuasse a se aproximar não haveria como usar suas flechas. Mas, para o azar da drow ele logo chegou até ela sem ser punido devido sua rápida movimentação.

A primeira estocada do sabre foi desviada com dificuldade. A segunda veio logo em seguida e foi bloqueada pela parte metálica do arco que se mostrou bem resistente.

Aludra se afastou com um salto e durante o tempo que estava no ar sacou duas flechas de sua aljava e as preparou para o disparo. Foi nesse momento que ela notou a brutal diferença entre suas habilidades e as de seu oponente.

De maneira completamente imperceptível, para ela, Alexander se moveu posicionando-se atrás de Aludra. De repente ela deixou de ser a predadora e se tornou a presa. Na realidade, em nenhum momento ela foi a predadora, Alexander apenas permitiu que ela pensasse que fosse por alguns instantes.

— Black Shield! — Aludra criou o mais rápido que pôde uma barreira em suas costas, que estavam na mira da ponta do sabre de Alexander.

Alexander era um homem um tanto exótico, tomava atitudes que nem sempre eram esperadas. Neste momento ele fez exatamente isso, usou seu sabre para apenas tocar o escudo de Aludra, causando dano algum.

Aludra o encarou por cima do ombro, sua feição era terrivelmente irritante e deixava nítido para ela que ele não perfurou sua barreira apenas porque não quis.

— Você não deveria estar me subestimando! — Aludra sacou outra flecha e disparou, mas novamente ele desviou sem dificuldade.

— Subestimar? Ora, eu não estou fazendo isso minha querida, muito pelo contrário, eu sou capaz de medir suas capacidades através do que você me mostrou até agora, e sei que há uma distância considerável entre nós dois… eu apenas estou brincando com minha presa. — Aquilo a deixou enfurecida, mas ela sabia que não podia entrar no jogo dele, se agisse precipitadamente caindo em sua provocação, suas chances de vitória, que já eram baixas, se tornariam nulas.

— Casting: Darkness. — Aludra evocou uma escuridão que se espalhou pelo ambiente como uma fumaça que debilitava a visão de Alex. Esta fumaça cercou apenas a área que os dois lutavam, sem interferir diretamente onde Vilian estava.

Alexander sorriu ao ver aquela escuridão o cercando, Aludra foi capaz de ver aquela expressão vitoriosa devido à apurada visão dos drows. Ela se afastou o máximo que pôde e ele permitiu, afinal, podia senti-la com sua Find então sua visão debilitada não o prejudicaria tanto assim.

Ele era o tipo de pessoa que aproveitava cada momento ao máximo, fosse uma bela refeição ou uma luta voraz. Por isso deixara que ela se afastasse, mesmo sabendo que ficaria em desvantagem por estar em um combate a distância.

Uma flecha incrivelmente veloz passou causando um outro corte em sua face. A segunda flecha foi rebatida por seu sabre, elas vinham de diferentes posições o que significava que Aludra estava se movimentando enquanto atirava.

Novamente outro disparo ocorreu, e pela segunda vez a flecha foi rebatida. Aludra disparou de novo e ficou impressionada com o que viu. Alexander arremessou seu sabre prevendo o lugar de onde viria a flecha que foi destruída pela poderosa lâmina que seguiu avançando contra a drow.

Aludra não teve tempo de reação o suficiente para desviar por completo do sabre recebendo um corte um tanto profundo em seu ombro. Logo Alex começou a correr em sua direção, não dando vazão para ela nem sequer sentir a dor provocada por aquele ferimento.

Rapidamente a drow se virou para a árvore que estava atrás dela. O sabre dele havia perfurado a árvore e ficado lá. Ela desmaterializou seu arco mágico, jogando o outro no chão, para assim ficar com as mãos livre para empunhar o sabre de Alex.

— Ora, ora, por essa eu não esperava. — Ele cerrou seus punhos e avançou contra ela de maneira que parecia que ele era capaz de vê-la.

Seu primeiro avanço foi freado por um balançar de sua própria lâmina, era nítido que Aludra não tinha experiência para empunhar um sabre, ela apenas o brandia para lá e para cá.

Ela tentou investir contra ele, mas chegava a ser ridículo o quão fácil era desviar daqueles golpes desengonçados. Ele se moveu para trás dela de maneira veloz, pegando seu braço que empunhava o sabre e colocando-o atrás de suas costas de maneira que ela ficasse imobilizada. Com sua destra ele a enforcou aproximando sua boca de sua orelha.

— Vamos tentar novamente. — Alexander a soltou empurrando-a para longe. Ele estava brincando com ela, e aquilo era humilhante para Aludra.

Com um pensamento persistente e cheia de raiva a drow avançou mais uma vez tentando uma estocada com o sabre, porém ele desviou acertando-a com o cotovelo na nuca. Aquele golpe seria o suficiente para deixá-la inconsciente, mas Alexander não usou muita força ao executá-lo.

— Arghhh!!! — Aludra gritou furiosa. — Mystical Impact! — Uma esfera de aura branca rapidamente se formou em sua destra e foi lançada contra Alexander.

Pego de surpresa, tudo o que ele conseguiu fazer foi posicionar seus braços em forma de cruz à sua frente para que eles absorvessem todo o impacto. A magia dela foi forte o suficiente para afastá-lo à uma distância considerável.

— Nefarious Hunter: Come. — Ela largou o sabre para poder usar seu arco.

De volta à sua área de conforto em uma batalha, Aludra sacou seu arco mágico e posicionou sua mão como se estivesse segurando uma flecha, mesmo sem o estar fazendo. Repentinamente uma flecha da ponta escarlata surgiu entre seus dedos.

— Bloodlust… — Seus dedos logo soltaram a seta que viajou a distância que havia entre ela e ele num piscar de olhos.

Alexander ainda estava na mesma pose que havia ficado para se proteger da magia de Aludra, e quando sentiu a aura daquela flecha se aproximando tão rapidamente, imaginou que deveria manter a pose defensiva. Este foi, talvez, o único momento em que ele realmente a subestimou.

Ciente da armadura que protegia seus antebraços e de sua força muito superior, Aludra dobrou o uso da aura ao usar aquela flecha, para garantir que infligiria algum dano.

Para a surpresa de Alexander a flecha perfurou não só sua armadura como todo seu antebraço parando apenas ao entrar em contato com a pele do segundo antebraço. Ele sentiu uma dor excruciante, mas em nenhum momento emitiu qualquer espécie de som, mantendo-se calmo e focado, pois sabia que agora era um alvo fácil para ela. Ao mesmo tempo ele sentia a aura que banhava aquela seta penetrando seu corpo.

— Então você possuía um truque na manga, hein? Talvez eu tenha te subestimado no fim das contas, mas não ache que esta luta já foi decidida. — Diferente do que ela poderia imaginar Alexander avançou contra ela.

No momento ele não atentou para uma única e simples coisa, não estava escorrendo sangue de seus braços. A flecha de Aludra não era qualquer uma, ela havia sido adquirida através de um alto preço pago pela mesma. Fruto de uma maldição, aquela flecha sugava até a última gota do sangue do alvo que fosse atingido por ela.

Ela já estava preste a disparar outras flechas quando viu Alexander em sua frente. Aquela imagem era perturbadora, mesmo com os braços presos um ao outro por uma flecha ele se movia velozmente e agia como se aquilo não fosse nada. Sem ter espaço para atacar Aludra apenas recuou, e se surpreendeu novamente com seu oponente que começou a atacá-la com os pés como se aquele fosse seu estilo de combate primordial.

Após desviar de uma sequência de cinco chutes ela se viu encurralada, o próximo com certeza a acertaria e assim aconteceu. O pé de Alexander, revestido por uma armadura, atingiu seu ombro com uma força insana, ela seria capaz de crer que ele usava uma magia, mas não o ouviu pronunciar nenhuma palavra além de deboches.

O impacto daquele golpe foi forte o suficiente para deslocar o ombro de Aludra, tornando assim, utilizar o arco e flecha uma ação impossível. Além disso o poderoso chute de Alexander fez com ela caísse no chão, ficando em uma posição totalmente desvantajosa.

Alguns momentos atrás, dentro da caixa criada por Blanche.

— Vamos lá bastardo, mostre-me que o sangue real realmente corre em suas veias. — Clarence o encarava com seus olhos vazios, mas suas palavras sugeriam que ele estava ansioso para aquilo.

Antes Shin estava pronto para se sacrificar, mas agora as coisas haviam mudado, seu mestre e Aludra estavam lá fora lutando por ele, e em breve reforço deveria chegar, tudo o que ele precisaria fazer era aguentar, o máximo que pudesse e então, conseguiria sair vivo desta terrível situação.

— Felizmente essa é a única semelhança entre mim e aquele maldito… — Era possível notar o desprezo que Shin sentia por ter o sangue real correndo dentro de si.

— Haha! Você realmente é engraçado, ou estúpido, talvez ambos… — Clarence desapareceu perante os olhos de Shin lembrando-o do porque suas partes batiam umas nas outras. — Espero que você não esteja tentando ganhar tempo. — Ele reapareceu ao seu lado sussurrando aquelas palavras em seu ouvido.

Shin arregalou os olhos, embora suas palavras fossem sinceras, aquele era seu objetivo, ganhar tempo através de conversa, afinal, ele acreditava que não duraria mais do que cinco minutos em combate com Clarence.

— Mas saiba que se estiver, será em vão. — Shin conseguiu notar o movimento de Clarence, seu objetivo era atingi-lo com o cotovelo e graças a sua percepção ele foi capaz de erguer seu antebraço para se proteger.

Aquele simples golpe, mesmo sendo bloqueado, foi o suficiente para criar uma distância considerável entre os dois. Shin percebeu naquele momento que enrolar apenas com palavras não seria o suficiente. Ele então abriu os recipientes que portavam água e estavam em sua cintura. Para sobreviver o máximo possível seria necessário racionar aquela água como se estivesse em um deserto e só tivesse aquela quantia, qualquer desperdício poderia ser fatal.

— Usuário de água, hein… — Clarence mantinha-se inexpressivo. Ele estendeu sua mão para Shin que viu seus lábios se mexerem, porém não foi capaz de ouvir nada. Na palma de sua mão se formou um clarão extremamente forte, capaz de ser visto através da caixa escura criada por Blanche.

Shin fechou seus olhos com força apertando-os o máximo que podia, mas mesmo assim ele conseguiu sentir aquela claridade ofuscante.

Clarence caminhou lentamente até ele. Mesmo sendo capaz de sentí-o aproximar-se em sua Find e poder ouvir seu caminhar, Shin estava incapacitado, pois diferente de Alexander, sua visão lhe fazia muita falta.

— Você nem sequer é capaz de lutar de olhos fechados? — Clarence tinha um tom de desprezo ao falar isso. — Eu não acredito que és filho do rei…

— Você fala como se ele fosse um homem a se admirar, quando na verdade não passa de um porco! Se algum dia houve bondade dentro dele ela acabou no mesmo dia em que ele conheceu o poder! — Shin moveu suas mãos guiando a água que saia dos recipientes formando uma bola a sua frente e disparando-a contra Clarence que desviou sem nenhuma dificuldade.

— Tsc. — Esse simples barulho foi toda a resposta de Clarence àquela atitude aparentemente desesperada.

Shin avançou contra ele com os punhos cerrados e os olhos fechados, tentando deixar de lado o medo e lembrar-se de todo seu treino com Vilian. Ele não era mais o mesmo de algumas semanas atrás, seu corpo estava mais resistente e seu combate corpo a corpo estava melhor, e tudo o que ele precisava fazer era aguentar por alguns minutos, nada além disso.

Por LiamGt | 30/10/18 às 23:22 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Magia, Drama