CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 76 - O Controle do Sangue

O Mestiço (OM)

Capítulo 76 - O Controle do Sangue

Autor: Liam

Neste momento Vilian estava exausto. Como fora mencionado por Blanche, toda magia possui seu preço, normalmente ele se resume à aura do usuário, porém, existem aquelas magias que concedem tamanho poder, que seu custo é muito mais elevado.

O primeiro trunfo de Vilian causa sérios danos ao seu próprio corpo, criando hematomas e possuindo um alto risco dele ter um infarto, pois nessa magia ela controla seu sangue para correr mais rapidamente, fazendo com que a adrenalina viaje por seu corpo numa velocidade muito acima do normal.

Vilian encarava aquele homem à sua frente com certo temor, sabia que uma luta contra ele naquele momento seria impossível de ser vencida. Além disso sua Find não tinha um alcance longo o suficiente para saber que o reforço se aproximava.

Era óbvio para Vilian que uma vitória naquele cenário era algo próximo do impossível, mas ele não era o tipo de pessoa que fugia de uma luta, mesmo sentenciada a derrota, além do mais, seu aluno estava logo ali, numa posição nada favorável, com um anjo da morte à sua frente. Ele era a única chance de Shin sair vivo daquela situação, por isso ele estava pronto para se sacrificar para que seu discípulo tivesse ao menos uma chance.

— As primeiras coisas primeiro… — Clarence olhou para Vilian com um sorriso malicioso e rapidamente sacou sua faca. Seu objetivo? Acabar com Shin antes de qualquer interferência.

Vendo as intenções daquele homem Vilian não se conteve e começou a manipular seu sangue novamente. Sua pele começou a ficar extremamente avermelhada e em um piscar de olhos sua destra segurava o pulso de Clarence, impedindo-o de sacar sua faca.

Vilian o golpeou com a testa e em seguida com sua canhota o atingiu no estômago, seguindo com sua destra mirando o rosto de Clarence que não conseguiu reagir e foi jogado no chão por aquele golpe.

Clarence secou o sangue em sua boca encarando Vilian com raiva, mesmo que sua expressão não demonstrasse aquilo. — Acredito que você não vá permitir que eu conclua meu objetivo. — Ele se levantou e sacou suas duas facas, pronto para lutar seriamente, já que as coisas com Shin se resolveram facilmente.

Rapidamente Clarence se aproximou de Vilian, suas facas tentaram alcançá-lo, mas ele desviava com maestria. Após onze ágeis golpes de faca Vilian recebeu seu primeiro corte. Ele não conseguiria manter sua magia por muito mais tempo e assim que ela acabasse sua pequena chance de vitória teria se esgotado.

Vilian planejava agarrar o braço de Clarence durante seu próximo golpe, e tendo-o sem poder fugir nocauteá-lo com um poderoso soco. Mas as coisas não eram tão fáceis assim, mesmo tendo uma velocidade semelhante a de seu oponente era difícil fazer algo como segurá-lo. Ele atacava com sua faca com estocadas, indo e voltando com seu braço da maneira mais veloz possível.

Novamente uma das lâminas de Clarence cortou a pele de Vilian. Neste momento Vilian notou em sua Find que alguém se aproximava, era uma aura poderosa e familiar para ele e foi então que seu objetivo mudou. Agora ele lutaria para atordoar Clarence, ganhando tempo para que aquela pessoa chegasse.

O próximo golpe de Clarence se aproximou dele e ele não perdeu tempo. Posicionou seu antebraço em frente à faca, de maneira que ela o atingisse com certeza. Assim que aquela lâmina atravessou sua carne Clarence não foi capaz de removê-la com a mesma velocidade costumeira.

Essa pequena abertura criada por Villian foi o suficiente para que ele conseguisse atingir Clarence com toda sua força. Obviamente, sendo Clarence um usuário de magia poderoso ele não permitiria que alguém o atingisse tão facilmente. Uma barreira de pequenas proporções foi criada em frente seu rosto, com muita aura empregada na conjuração da magia. Porém, o golpe de Vilian não só destroçou aquela barreira como ainda teve forças para atingir Clarence de maneira que ele caísse no chão com um forte zumbido no ouvido.

— Consegui… — Disse Vilian para si mesmo de maneira ofegante. Aos poucos sua cor foi voltando ao normal deixando diversos hematomas para trás, como se ele tivesse sido golpeado por diversas pessoas.

— Ainda não… — Clarence tentou se levantar, mas tropeçou em seus pés, tudo estava girando perante seus olhos e seu ouvido ensanguentado só conseguia escutar um zumbido forte e irritante.

Após algumas tentativas ele finalmente conseguiu se manter sob seus pés. — Sun Light! — Clarence estendeu o indicador para Vilian que também já estava fraco demais para conseguir fazer algo, sendo assim ele apenas foi atingido pelo golpe de Clarence, que parecia um laser, transmitindo uma luz intensa que perfurou o ombro de Vilian instantaneamente queimando sua pele.

— Droga! — Sua visão turva impediu que ele atingisse o coração que era seu verdadeiro alvo.

Vilian agora se encontrava no chão, sangrando aos poucos. Enquanto isso Clarence sentia o ódio percorrendo pelo seu corpo, aquelas quatro auras estavam próximas demais, caso ele fosse tentar finalizar Shin ou Vilian as chances dele pagar com sua vida eram altas.

Ao olhar para trás ele viu o corpo de Blanche partido em dois e então começou a gritar por Alex, pois ainda sentia tanto a aura dele quanto a de Aludra.

— ALEX!!! — Após muito gritar ele finalmente conseguiu a atenção de Alexander.

Ele estava longe, e nesse momento também sentia os quatro se aproximando, e dentre eles um estava especialmente próximo. Aludra estava perante ele, encostada numa árvore enquanto sangrava, porém, ainda estava consciente.

— Acho que nossa brincadeira irá parar por aqui querida… — Ele apontou seu sabre para ela mirando sua fonte.

— Eu ainda posso me de-fender… — Ela cuspiu o sangue que se formou na sua boca enquanto falava. Dentro de si Aludra reunia o pouco de aura que ainda lhe restava e assim que o sabre de Alex avançou contra ela uma camada preta, como uma roupa justa, se formou em frente ao seu rosto. Ele recuou com seu sabre, frustrado por não tê-la matado naquele golpe, mas era nítido que Aludra não seria capaz de se proteger de uma segunda estocada.

Sua lâmina avançou contra o peito da drow, porém uma barreira se formou em frente dela anulando completamente todo o dano daquele golpe.

— Não é possível… Você não deveria ser capaz de… — Ele mesmo se calou ao sentir uma aura extremamente poderosa, estava tão próxima e era tão grandiosa que suas pernas chegaram até mesmo a chacoalhar.

— Alexander! Ande! — Clarence já estava com um círculo Ausgabes preparado para sua fuga.

Alguns momentos atrás.

Kotaru estava preocupadíssimo com Shin, perguntando a si mesmo se havia feito a escolha certa ao manter sua palavra. Foi nesse momento que aquele rastro vermelho cruzou o céu logo acima de sua cabeça.

Todos se reuniram assim que viram aquilo. Eulália fez a contagem das pessoas e notou a ausência dos três. Kotaru não conseguiu manter-se calado por mais tempo e contou o que tinha acontecido. Sem demoras Eulália reuniu Sera, Azhar e Guiscard, os três mais capacitados abaixo dela e os mandou ao resgate dos outros membros.

Sem pensar duas vezes Kotaru se ofereceu para ir junto e com a mesma velocidade Eulália negou. Era óbvio que isso aconteceria, ele ainda era muito fraco e poderia acabar atrapalhando. O rapaz se esforçava para não tomar atitudes egoístas, mas não dessa vez. Ele disse que iria com ou sem a permissão dela, e ficaria feliz em armar tendas de outras pessoas por sua desobediência. Eulália não gostou nada do que ouviu, muito menos do tom dele, foi então que Azhar intercedeu por ele, pedindo para que ela permitisse que Kotaru os acompanhasse e assumindo total culpa por qualquer coisa que acontecesse.

Desta maneira os quatro partiram, cada um em seu cavalo, com exceção de Sera, claro, pois sendo uma ninfa ela iria voando.

Kotaru cavalgava tenso, temendo o pior e não só ele, claro, mesmo ciente das capacidades de Vilian e Aludra, Azhar e os outros dois também temiam por eles.

Sera, tendo maiores capacidades saiu na frente assim que sentiu a aura de alguém se apagar. Demorou um pouco, mas para a sorte de Aludra ela chegou a tempo de impedir Alexander de matá-la. Com um simples estender de mão Sera criou uma barreira negra que o parou.

Neste momento Alex percebeu que iria ter que recuar sem poder tragar sua presa, afinal, é de conhecimento geral as capacidades mágicas das ninfas. Ele rapidamente deu de costas e correu o mais rápido que pôde em direção à Clarence que já estava pronto para sair dali.

— Death Flame. — Sera estendeu sua mão novamente criando na ponta de seus dedos chamas de cor roxa que logo percorreram a distância entre ela e Alexander incendiando seu braço direito.

Ele seguiu correndo e sacudindo seu braço na esperança que as chamas se apagassem, mas não surtia efeito algum. Sua carne aos poucos ia derretendo causando a ele uma dor abismal.

Mesmo assim Alexander foi capaz de adentrar o círculo de Ausgabes sendo teleportado para longe junto de Clarence.

— Aludra! Fala comigo! — Sera ignorou completamente a fuga de seu oponente aproximando-se da drow que havia perdido a consciência após ver a barreira da ninfa à sua frente.

Alguns tapas no rosto dela não foram o suficiente para despertá-la e então Sera voou até Vilian.

— Céus!

A situação de Vilian era ainda pior. Deitado em uma poça de seu próprio sangue, com um furo no ombro e um profundo corte no antebraço, além de todos os hematomas e demais ferimentos.

— Eu deveria ter trazido Clóris comigo… Quem vai cuidar desses ferimentos até que os outros três cheguem?

Demorou pouco mais de um minuto para que os três chegassem ao local. Incapaz de usar qualquer magia de cura Sera só pôde observá-los e esperar que o pior não acontecesse.

— Vilian! — Azhar desceu aflito de seu cavalo. — Guiscard, rápido, traga Aludra para cá. Kotaru, traga Shin! — Azhar começou a formar um círculo com as Ausgabes que trouxe consigo, para seu azar não foram muitas, podendo formar apenas um pequena circunferência.

Cada um dos três pegou um dos três feridos no colo e entraram no círculo.

— Sera, cuide para que os cavalos retornem para o acampamento, tudo bem? — Disse Azhar preocupadíssimo com a situação daquele homem que sangrava em seus braço.

— Claro! Vão!

Assim que Sera disse isso Azhar proferiu o encanto e uma forte luz se formou dentro do círculo teleportando os seis para o acampamento.

— Clóris! Chamem Clóris! — Assim que Azhar apareceu em meio ao acampamento ele começou a gritar pela ninfa, afinal com um dos dois curandeiros abatido restava apenas ela para cuidar dos três.

— Aludra! — Calliope ficou chocada ao ver sua amiga inconsciente sobre os braços de Guiscard.

— Calliope, pegue três pessoas e prepare uma tenda para eles, nós não partiremos essa noite! Os demais se afastem, voltem para suas tendas, façam qualquer coisa, menos ficar por aqui para assistir, pois isso não é um espetáculo. — Eulália falava de forma dura, mas era de se entender, afinal a situação não dava vazão para a calma.

Clóris logo chegou até eles, deixando para depois qualquer pergunta. Ela pousou suas mãos sobre Vilian usando a magia Heal e assim que a tenda ficou pronta os três foram levados para lá, junto de Clóris e três homens que entraram para ajudá-la.

— Pobre Vilian… — Clóris alisava seus cabelos esverdeados enquanto um dos homens que entraram na tenda limpava suas feridas tentando estancar o sangramento dele. — Sinto muito, mas eu vou ter que te substituir dessa vez, mesmo esse tipo de ferimento não sendo minha especialidade. — Assim que aquele homem parou o sangramento ela voltou a impor suas mãos sobre Vilian para curar aquelas feridas.

Por LiamGt | 06/11/18 às 22:35 | Ação, Aventura, Fantasia, Romance, Brasileira, Magia, Drama