CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 0.0 - Prólogo

O Príncipe das Trevas (PDT)

Capítulo 0.0 - Prólogo

Autor: Kouhei Kagami | Revisão: yuukari

Em um salão oval de grandes proporções se desenrolava uma intensa discussão entre sete entidades misteriosas que se sentavam ao redor de uma grande mesa redonda.

“Ancião Shen, não podemos levar essa afronta levianamente, é necessário que respondamos com medidas à altura.” – exclamou um dos anciões demonstrando clara arrogância e superioridade. – “Caso contrário, perderemos toda a face.”

Os outros anciões se entreolharam como se não possuíssem quaisquer objeções. Uma terrível aura permeava o salão, aumentando assim a tensão que se instalava no ambiente, suas faces se contorciam quase que imperceptivelmente, era como se a perigosa pressão pudesse esmagá-los a qualquer momento.

Para surpresa de todos, o Ancião Shen que havia sido confrontado anteriormente sequer moveu um único músculo, naturalmente naquele instante sua própria pressão emergiu e dominou o salão.

Seu rosto demonstrava tranquilidade enquanto as seguintes palavras saíam de sua boca – "Irmão Han, acalme-se! Por mais que sua aflição seja compreensível, este assunto já não mais está ao nosso alcance, portanto não devemos tomar ações precipitadas.”

Ancião Han, ao ser reprimido pela aura do Ancião Shen, ficou imensamente nervoso. Ao tentar elevar sua aura para pressionar de volta, seu corpo se submeteu completamente ao poder do Ancião Shen, que novamente elevara sua aura da maneira mais natural possível.

Enquanto suor escorria pelo rosto do Ancião Han, os outros anciões demonstraram profundo espanto. Ninguém duvidava da força do Ancião Shen, no entanto, jamais imaginaram que seria o suficiente para suprimir Han tão facilmente.

Em seguida um dos anciões que apenas ficara observando enfim levantou e disse – “Eu concordo com o Irmão Shen. Todos aqui estão cientes de sua reputação, portanto atrevo-me a dizer que ele jamais defenderia um discípulo após tamanha infração.” – Concluiu o ancião vestindo trajes simples que transmitiam humildade, curvando-se levemente enquanto levava seu punho fechado em direção ao peito, em sinal de respeito.

Neste momento era visível um sinal de desgosto no rosto do Ancião Han, após uma breve análise da situação ele retraiu sua aura e suspirou ao mesmo tempo em que sua expressão de fúria se dissipou.

O ambiente uma vez pesado a ponto de dificultar até mesmo a respiração, tornou-se novamente leve como uma brisa, enquanto seu companheiro sentava-se após defendê-lo, Ancião Shen novamente dirigiu a palavra para o Ancião Han. – “Irmão, não digo que devemos esquecer o assunto, contudo é inegável que meu discípulo violou as regras, portanto a desgraça trazida à nossa Seita recai inegavelmente sobre mim, seu mestre.” – Dizia o Ancião Shen sem demonstrar sinais de receio.

Ao levantar-se, o Ancião Shen disse sem hesitar – “Eu, Ancião Azure Shen renuncio ao cargo de diretor da Academia Celestial, além do mais assumo toda a responsabilidade pelas ações do jovem Ming, portanto mesmo que seja exilado não ousarei reclamar.”

Com tais palavras não houve um único ancião presente cujo rosto não passou instantaneamente de uma expressão calma para espanto, até mesmo o Ancião Han surpreendeu-se profundamente.

“Irmão, isso é um pouco demais, não concorda? Inegavelmente seus talentos e habilidades são os melhores já testemunhados em séculos, portanto mesmo que fosse para ser punido, exílio já seria um pouco demais.” – Comentou um ancião de vestes negras, seu nome era Xiao Lin. – “O erro veio de seu discípulo, logicamente o mestre possui sua parcela de culpa por não guiar o discípulo corretamente, contudo não podemos nos dar ao luxo de abrir mão de sua força, ela é um dos maiores pilares de nossa organização.”

Ancião Han lançava um olhar frio em direção ao Ancião Shen enquanto demonstrava estar pensativo, apesar de sua arrogância, ele era quem melhor compreendia a força de Azure Shen. Todavia mesmo que houvessem regras impostas pelo Deuses Ancestrais proibindo a disputa entre anciões, não havia ninguém que ousaria duvidar da força de ambos, além do mais Ancião Han claramente estava insatisfeito, reconhecendo sua inferioridade ele sempre aguardou por uma oportunidade de se provar.

“No momento realmente não há mais nada que possamos fazer, reconheço que meu julgamento inicial foi precipitado. Caso fossemos atrás do jovem Ming na Terra Ancestral, só iríamos provocar ainda mais a fúria dos Deuses Ancestrais. Peço que me desculpe por minha atitude inadequada.” – Disse o Ancião Han.

Embora a discussão se seguisse no enorme salão, ali estavam presentes os maiores mestres de todos os reinos, cada qual pertencendo a mundos distintos. Naturalmente a divergência nas opiniões era comum, contudo não houve ninguém no salão oval que não tivesse sido selecionado pelos próprios Deuses Ancestrais, com base no poder e caráter de cada um. Mesmo o Ancião Han possuindo o pior caráter de todos, ainda tinha alguns princípios.

...

Enquanto a reunião ocorria, a pessoa que originou toda a confusão caminhava em um imenso deserto cuja areia se assemelhava a fragmentos de jade, a luz do sol ao se chocar com o solo produzia um exuberante reflexo verde claro, a impressão transmitida pelo deserto era de uma gigantesca jóia natural. Apesar do calor extenuante, o jovem não derramava uma única gota de suor, seu nome era Qi Ming.

Qi Ming seguia pelo deserto em direção a uma torre que de tão alta ultrapassava até mesmo as nuvens, tornando impossível vislumbrar a região do topo, ela emanava uma energia monstruosa de modo a prevenir aproximação de existências ordinárias, no entanto mesmo com tal pressão esmagadora Qi Ming não se sentiu intimidado e avançou com passos firmes rumo à entrada. Para ele a pressão ao redor não era nada, afinal, seu cultivo já havia ultrapassado o nível de Ancião Marcial, o qual é considerado por humanos comuns como o ápice do cultivo.

“Finalmente cheguei.” – Disse ele com um enorme sorriso estampado em seu rosto. A excitação era visível em sua face conforme encarava a torre colossal diante seus olhos.

...

Instituto Imperial

Nesse momento, uma comoção acontecia em um dos corredores do Instituto Imperial, que estava localizado em um dos sete reinos mortais.

“Ei, você ficou sabendo?” – disse uma voz de garota com tom suave.

“Não, o que foi?” – Respondeu outra garota.

“Se lembra do rumor de alguns meses atrás, que dizia sobre a Imperatriz estar grávida novamente? Então, ao que tudo indica não era apenas um rumor, ontem na taverna do meu pai, alguns guardas bêbados deixaram escapar que a Imperatriz deu luz a outro garoto recentemente...”

“Sério?” – indagou a segunda garota. – “O príncipe atual não ficará nada satisfeito com isso, agora que há um segundo príncipe o trono não lhe é mais garantido por direito.”

Um jovem esbelto com cabelos loiros se aproximava das garotas, sua idade beirava os quinze. Percebendo a aproximação, ambas se aquietaram e imediatamente abriram espaço para que passasse.

“Hmpf” – o jovem de aparência elegante passou entre elas e parou enquanto as encarava com um olhar de desprezo.  – “Essa Academia Imperial está com o nível cada vez mais baixo, até mesmo plebeus estão sendo aceitos? Hahaha!” – disse ele em um tom de deboche acenando com sua mão direita, enquanto virava as costas e saía.

Enquanto se retirava, o jovem voltou a ridicularizar conforme caminhava. “Se coloquem em seus lugares, lixos imundos.”

Apesar de sua grosseria, a maioria dos estudantes em silêncio, pelo semblante de alguns se tornava óbvio o ódio pelas palavras ditas, infelizmente todos estavam impotentes nessa situação. Afinal, uma coisa o jovem nobre havia dito corretamente: eles não passavam de plebeus, só por serem aceitos no Instituto Imperial já poderia ser considerado um milagre, então naturalmente ninguém ousaria ofendê-lo de volta.

Conforme alguns lançavam olhares odiosos e repletos de desprezo em direção ao jovem esbelto, houve também quem ousara rir da desgraça alheia, demonstrando profundo desdém pelos estudantes de origem humilde.

A noite caía lentamente...

Em outro local da Academia Imperial, um grupo composto por três especialistas vestindo mantos negros se moviam em uma velocidade absurda pelos arredores da entrada principal.

Enquanto os diversos estudantes seguiam para seus alojamentos, esse grupo misterioso após atravessar o Instituto, seguiu pela lateral direita e pulou em direção a uma janela localizada no segundo andar.

O salto foi impecável, mesmo sendo necessário concentrar uma enorme quantia de energia nas pernas para realizar tal impulso, nenhum movimento foi desperdiçado, e sem emitir som algum o grupo havia alcançado a sala localizada no segundo andar gastando o mínimo de energia possível.

A arquitetura do Instituto Imperial diferia totalmente do padrão de construções na Cidade Imperial, dotada de cinco andares onde todos possuíam janelas largas, invadir se tornava uma tarefa nada simples para pessoas ordinárias. A segurança nos arredores da academia também era excessiva, cada canto era vigiado por guardas imperiais e professores.

Após adentrarem o recinto, o grupo seguiu em direção a um rapaz alto que estava no meio da sala. Ao se aproximarem, ajoelharam-se e levaram seus punhos ao peito em sinal de respeito.

“Mestre, os preparativos foram concluídos, estamos prontos para atacar a qualquer momento.” – disse o líder do grupo.

O rapaz ajoelhado em frente ao grupo era uma figura de extrema importância na Cidade Imperial, seu nome, Heng Shui, era conhecido por todos, sua posição no Instituto Imperial estava no mais alto patamar, o patriarca da família Chamas Celestes.

Apesar de jovem, seu talento para as artes marciais superava todos os mestres de sua família. Aos 19 anos recebeu a posição de Patriarca, aos 20 já havia se tornado professor no Instituto Imperial, sendo assim o mais jovem e promissor professor da história, aos 22 realizou o maior feito já visto, atingindo o auge da cultivação, tornando-se não somente o mestre mais poderoso que sua família tivera em gerações, mas também o primeiro Ancião Marcial com idade inferior aos trinta anos.

Além da grande influência, sua aparência não ficava nem um pouco para trás. Ele possuía longos cabelos negros, rosto e sobrancelhas finas, além da expressão firme que estava sempre estampada em sua face, e usava vestes brancas com chamas azuis bordadas na região das costas que representavam o símbolo de seu clã.

“Muito bem, mantenham-me informado e estão dispensados até segunda ordem.”

“Sim, mestre!” – assentiram os três desaparecendo pela janela.

Por ScryzZ | 08/04/18 às 12:10 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Elementos de Cultivo, Romance, Brasileira