CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 04 - Partida

O Príncipe das Trevas (PDT)

Capítulo 04 - Partida

Autor: Kouhei Kagami | Revisão: yuukari

“Por mais que me doa admitir, após discutir com sua mãe diversas vezes eu percebi.. Yu, seu talento não serve para se tornar um caçador. Também irei aproveitar para tratar de alguns assuntos particulares, então esta seria uma ótima oportunidade. Quem sabe você não encontra algo diferente que gostaria de fazer?”

Yu começou a alisar cuidadosamente seu queixo, ao mesmo tempo em que ponderava a respeito da proposta. Obviamente Tai só estava dando desculpas para arrastá-lo consigo.

“Acho que não há problemas, então. É uma boa ocasião para expandir meus horizontes. Heh”

Tai Chen se sentiu pasmo com a facilidade com que Yu concordou com a proposta, sem nem mesmo contestar, afinal Yu era do tipo que dificilmente sairia debaixo da asas dos pais. Essa era a primeira vez que Tai sentia seu filho crescendo, ao testemunhá-lo demonstrar interesse pelo mundo exterior.

“Ahem. Muito bem, então partiremos hoje.” – Disse Tai Chen.

“Okay!” – Assentiu Yu voltando para seu quarto.

Enquanto se encaravam, Yun Ning questionou seu marido após a saída de Yu. – “Você acha que ele percebeu?”

“É provável. Yu é mais inteligente do que aparenta.” – Respondeu Tai antes de suspirar.

Algum tempo passou conforme Yu aguardava seu pai, pronto para partir. Tai Chen somente chegou momentos depois, acompanhado de Yun Ning. Vendo sua mãe, Yu foi abraçá-la para se despedir.

Yun Ning estendeu os braços e deu a Yu um forte e aconchegante abraço. Seu aspecto estava pálido, Yun Ning demonstrava claramente ter chorado.

Sob o abraço de sua mãe, Yu ficou apreensivo. Encostando seu ouvido sob o peito dela, pôde ouvir nitidamente coração palpitando num ritmo acelerado.

“Não deixe nada acontecer a Yu.” – Disse Yun Ning com seu olhar gentil e cabelos esvoaçando.

Tai apenas assentiu com a cabeça e partiu junto a Yu.

“Se cuidem vocês dois!” – Berrou Yun Ning vendo-os desaparecer a distância.

...

Pai e filho estavam caminhando na densa floresta já havia algum tempo. Seguindo a única trilha para o exterior da Floresta Transcendental, eles esbarraram com um de seus poucos ‘vizinhos’.

Apesar de vizinho ser o termo empregado por Tai Chen, eles não moravam nada próximos um ao outro.

“Pai, quem era aquele senhor?”

“Seu nome é Lou Wan. Ele é um dos poucos habitantes da Floresta Transcendental.”

“Eh..” – Murmurou Yu.

“É natural que você não o reconheça, ele vive na região oposta da montanha. Não se preocupe com isso.” – Concluiu Tai.

Apesar de longa, a trilha chegou a seu fim em apenas algumas horas. Nesse momento, Yu se sentiu excitado. Por todo o caminho rumo ao horizonte podia se notar uma imensa planície.

Seguindo por uma estrada de terra irregular, Yu examinou seus arredores. Eram notáveis os restos de cerca à margem da estrada, à distância também havia uma quantidade escassa de grandes árvores com troncos finos.

À medida que avançavam em silêncio, um rio a margem da estrada foi se formando na linha de visão de Yu.

“Yu, o que acha de fazermos uma pequena pausa?” – Perguntou Tai olhando para Yu.

“Estou de acordo. Na verdade, pai, há algo que eu gostaria de conversar com o senhor.”

“Huh? O que seria? Pode falar.”

“Sem pressa. Não é nada muito importante. Por que não nos sentamos antes de conversar?”

“Tudo bem, filho.” – Assentiu Tai.

Algum tempo depois eles chegaram à margem do rio que corria por uma extensa distância. O rio era raso nas bordas, mas toda sua água era cristalina de tão pura e limpa, haviam alguns pedregulhos por entre a margem e notava-se diversos peixes nadando.

Esse era um dos poucos locais em todo o caminho em que havia uma abundância de árvores graças ao rio correndo próximo a elas. Vendo seu filho observando a água, Tai sentou-se numa grande rocha próxima a diversos galhos, apoiou-se sobre um dos joelhos e perguntou – “À respeito de que você gostaria de conversar?”

Um suspiro escapou da boca de Yu enquanto olhava para seu pai.

“Me desculpe pela minha atitude mais cedo, eu realmente não tinha a intenção..” – Disse Yu enquanto abaixava a cabeça demonstrando sinceridade.

“Ah, isso.. tudo bem.. tudo bem.. Hehe.. não se preocupe. Na verdade, não foi grande coisa.” – Comentou Tai Chen desajeitadamente.

“Só me senti surpreendido a princípio, pois nunca havia imaginado um dia testemunhar tal postura séria partindo de você. Haha.”

“Pai. Na verdade, eu sempre estive ciente da situação da Mãe. Eu fiz o que fiz, pois não queria feri-la. Quando achei que você ia tentar se explicar, não tive opções..”

“Yu.. você..”

Tai Chen juntou as peças, então sorriu desajeitadamente coçando a cabeça. – “Ahh, seu pirralho.. Haha”

“Quando descobriu a verdade?” – Questionou Tai.

“Já faz algum tempo.. Foi na primeira vez que fiquei doente, então o senhor saiu para a cidade buscar remédios. Naquele dia, a mãe foi caçar em seu lugar, então aproveitei para pegar alguns de seus livros para me distrair. Dentro de um deles havia uma carta falando sobre meu passado..”

Tai se levantou e andou até Yu, com um gesto simples apoiou a mão sobre a cabeça do garoto.

“Yu.. Sinto muito por ter escondido isso de você..”

“Não há necessidade de se desculpar, pai, eu entendo. Mas não se esqueça de que foram vocês que sempre cuidaram de mim, e apesar não ser verdadeiramente o filho da união do senhor com a mãe, eu os considero verdadeiramente como pais.”

Mesmo não possuindo a mesma linhagem sanguínea, Yu herdou o sentimento de amor e carinho para com aqueles a seu redor. Tai Chen se sentiu extremamente orgulhoso de seu filho, e ainda mais importante do que isso, compreendeu não havia falhado como pai.

“A propósito pai, eu tive um sonho estranho..” – Disse Yu casualmente tentando mudar de assunto.

Então Yu explicou o sonho que tivera anteriormente. Tai Chen se surpreendeu ao ouvir a detalhada explicação do garoto. Sua face demonstrava uma certa amargura à medida que seu filho falava, como se estivesse a lembrar de memórias dolorosas.

“Depois de considerar algumas coisas.. cheguei a conclusão de que aquele homem era o senhor, pai.”

"Haha. Como poderia? Mesmo que fosse, não passou de um sonho. Não se preocupe, filho."

“É.. Talvez você esteja certo.. Esqueça o que eu disse.” – Respondeu Yu com uma voz deprimida.

“Yu.. Você.. será que você pode sentir?” – Ponderou Tai lançando um olhar para Yu à medida que tentava esconder seu corpo fraquejando.

Já estava quase anoitecendo quando pai e filho decidiram retomar a estrada. Com as energias totalmente recuperadas, Yu voltou ao seu antigo estado de excitação. Antigamente a curiosidade de Yu não se estendia além dos limites da Floresta Transcendental. Atualmente, no entanto, quanto mais vislumbrava a paisagem cruzando seu caminho, maior se tornava seu interesse pelo mundo.

Mais tarde, próximo a Cidade das Chamas, dois homens encapuzados se aproximavam discretamente. Tai, notando certa hostilidade, se colocou à frente de Yu e estendeu seu braço, puxando o garoto para trás de si.

“Fique próximo de mim.” – Sussurrou Tai Chen.

Mal terminando de escutar o sussurrar de Tai, Yu sentiu uma grande inquietação. Era uma sensação que ele nunca havia tido, mesmo antes, quando caçava junto a seu pai.

Os sentidos de Yu se aguçaram instantaneamente à medida que sentia uma agitação dentro de seu corpo. Olhando pelos arredores, Yu notou uma movimentação suspeita. Como reflexo, seu corpo se moveu sozinho e empurrou com seus ombros Tai para a frente, lançando-o ao chão.

<swiiiiish>

“O que você tá fazendo, Yu!?” – Indagou Tai Chen se levantando.

“Pai. Olhe isso.” – Yu apontou em direção a um estranho objeto cravado próximo a eles.

“Uma.. uma adaga! De onde isso veio!?”

Tai Chen ficou perplexo. Como pudera seu filho notar isso e ele não? E como se não bastasse, a reação de Yu fora completamente anormal. Após se levantar, Tai olhou para todos os lados, no entanto os homens encapuzados já haviam se ocultado.

“Yu. Quando eu der o sinal, corra.” – Sussurrou Tai Chen.

“AGORA!”

Num instante os dois dispararam pela estrada. A velocidade em que corriam era surpreendente, como se ambos fossem leopardos correndo atrás de sua caça. Só que nessa ocasião, eles eram a presa.

De longe, Tai Chen vislumbrou três figuras encapuzadas tentando se aproximar. No entanto, eles não conseguiam se igualar em velocidade ao pai e filho. Como poderiam meros bandidos ordinários capturá-los? Deixar que isso acontecesse seria uma vergonha para Tai. Mesmo aqueles sendo apenas bandidos vulgares, Tai estava inconformado com a situação anterior.

“Como eu pude não notar aquilo?..” – Xingou a si mesmo Tai, mentalmente.

Por Kouhei | 15/04/18 às 00:39 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Elementos de Cultivo, Romance, Brasileira