CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 08 - Herança

O Príncipe das Trevas (PDT)

Capítulo 08 - Herança

Autor: Kouhei Kagami | Revisão: yuukari

Num pequeno quarto da Academia Celestial estavam descansando Tai Chen e seu filho Yu com uma clara expressão de cansaço devido ao cultivo constante nos últimos dias. Por causa da estadia de ambos ter se prolongado por algum tempo, Tai estava começando a ficar apreensivo.

O quarto era constituído de duas pequenas camas de solteiro, uma antiga mesa redonda de aparência desgastada e três cadeiras simples. Tai Chen se sentava à frente da mesa conforme remexia seus pertences.

Após procurar por algum tempo dentre as coisas que trouxera consigo, Tai retirou uma pequena adaga de dentro do saco e a posicionou sobre a mesa.

Esta era apenas uma simples adaga de lâmina dourada com uma misteriosa e fraca aura emanando através de um símbolo com o formato do Ying Yang cravado na lâmina, por estar completamente desgastada notava-se que se tratava de uma antiguidade.

Após soltar a adaga, a energia que fora emitida gradualmente apagou-se até não restar mais nada. Enquanto isso, Yu se levantava da cama silenciosamente após terminar seu cochilo.

Yu, ao notar a figura da arma jogada sobre a mesa, curiosamente se aproximou por trás de Tai Chen e lançou um olhar sobre a mesma.

Tai se surpreendeu e deu um pulo na cadeira quase caindo pra trás. Ele estava tão  perdido em pensamentos que sequer notou a aproximação de Yu.

“Pai, o que seria essa velha adaga?” – Indagou Yu.

“Este, meu filho, é um antigo tesouro de família. Apesar de ser somente um artefato comum, ele contém inscrições de quarto grau.” – Respondeu Tai enquanto virava a lâmina para mostrar o lado oposto ao símbolo do Ying Yang.

“Ainda que eu não entenda nada sobre artefatos, com certeza deve ser uma relíquia muito valiosa.” – Exclamou Yu com brilho nos olhos.

Tai Chen esboçou um imperceptível sorriso enquanto estava a embrulhar a arma num velho pedaço de pano, com um pequeno gesto entregou a arma para o garoto.

“Você tem razão, é uma relíquia muito valiosa, portanto cuide bem dela de hoje em diante.” – Disse Tai Chen jogando a arma embrulhada para as mãos de Yu.

“Mas pai, isso é algo muito importante para o senhor, eu não posso aceitar!” – Exclamou Yu segurando firmemente o presente em seus punhos.

“Haha! Vamos fazer um trato então. Considere isso como um investimento. Hoje você terá sua primeira aula com um dos professores da Academia Celestial. Ao longo de seu treinamento você enfrentará muitos perigos, portanto guarde-a e use quando necessário. Somente quando você for forte o suficiente para não precisar mais de uma arma irei aceitá-la de volta.”

“Além do mais, Yu, na verdade essa adaga é algo muito peculiar. Ela originalmente foi forjada através de materiais de grau celestial, no entanto sua forja resultou em falha e essa adaga se tornou um mero artefato comum.”

“Hm..” – Murmurou Yu aceitando, relutante, o presente de seu pai.

“Peraí! O quê você disse? Aula!? Como assim, pai?..” – Exclamou Yu perplexo.

Tai Chen riu da reação tardia de Yu, então pôs-se de pé e desferiu um leve soco no peito do garoto, empurrando-o levemente para trás.

“Você realmente não notou o tempo passar, seu pirralho. Haha.. Mas isso é um bom sinal, significa que você está gostando daqui.”

“Sim. Eu nunca achei que cultivação pudesse ser algo tão misterioso. São simplesmente formidáveis os benefícios obtidos para o corpo por meio da harmonização com as energias do céu e da terra.”

“Haha.. Muito bom. Mas Yu, há algo que eu preciso lhe dizer. Nunca aja como um covarde igual seu pai.” – Alertou Tai Chen com uma expressão abatida.

“Ultimamente estive refletindo, e ao ver seu seu talento para o cultivo enfim me decidi. Você tem muito potencial para as artes marciais, portanto não o desperdice sendo um covarde.”

“Pai, eu não entendo por que você está me dizendo essas coisas. Você não é um covarde, disso eu tenho certeza!” – Exclamou Yu aborrecido por escutar seu pai se rebaixando.

“Yu, você ainda é muito ingênuo. O mundo é mais vasto do que seus olhos podem ver e as pessoa possuem faces ocultas. Acredite em mim quando digo isso, ou você irá descobrir da maneira mais lamentável possível.” – Disse Tai Chen cabisbaixo apoiando a mão sobre a cabeça de Yu.

“Antes de adotá-lo como filho, sua mãe passou por uma situação terrível. Se eu não fosse um covarde, ou pelo menos tivesse me esforçado mais naquela época, ela não haveria de ter passado por nada daquilo.” – Continuou Tai Chen reprimindo as lágrimas em sua face.

“Lembra-se que outro dia, Ancião Zhong citou que não era culpa sua minha condição atual? Na verdade, tudo isso tem haver com a época em que conheci sua mãe.”

“Como ainda temos algum tempo, deixe-me contar o que aconteceu. Naqueles dias, eu era considerado um dos maiores prodígios na cultivação de artes marciais tendo uma idade não muito superior a sua.”

<suspiro>

“Minha cultivação estava no auge do rank Ouro Branco, a apenas um passo de me tornar um especialista de classificação Diamante Branco, mas devido a minhas escolhas estúpidas não só deixei sua mãe sofrer, mas também perdi toda minha cultivação acumulada ao longo dos anos.”

Cada palavra proferida por Tai se assemelhava a uma lâmina perfurante rasgando o peito de Yu de dentro pra fora. Yu praticamente podia sentir na pele as emoções de seu pai.

“Se.. Se eu apenas tivesse feitos escolhas mais sensatas e não fosse tão dependente de meu clã, eu poderia ter evitado a calamidade que caiu sobre nós.”

...

Muitos antes de Tai Chen encontrar Yu, antes mesmo até mesmo dele nascer, o clã Yin estava em ascensão, sendo um dos principais clãs da Cidades das Chamas. Além do clã Yin havia outro clã que estava a ganhar cada vez mais influência, o clã Chamas Escarlates.

Como a maioria das famílias, no clã das Chamas Escarlates não podia ser diferente. Dentro de sua fundação haviam os ramos principais e os ramos secundários.

No ramo secundário da família Chamas Escarlates havia uma bela jovem de cabelos negros. Sua beleza se destacava até mesmo entre as maiores beldades de seu clã. Essa moça de aparência similar a uma fada era conhecida pelo nome Yun Ning.

Em seu clã, não havia uma única mulher que não possuísse longos cabelos vermelho escarlate, exceto ela. Embora tivesse sua peculiaridade, ela despertava a inveja no coração de muitas mulheres, mesmo dentre seu próprio clã.

Apesar de sua beleza digna dos deuses, a jovem tinha sempre um olhar depressivo em seu rosto charmoso. Seus cabelos eram presos por uma longa fita vermelha, além disso uma glamourosa franja cobria a parte direita de seu rosto, a qual descia gradualmente até chegar na altura dos olhos. Atrás, seu rabo de cavalo demonstrava grande rebeldia, no entanto era justamente isso que lhe dava um charme inigualável.

Infelizmente apesar da garota possuir uma das maiores belezas não somente de seu clã, mas de toda a Cidade das Chamas, ela era tratada como a pior das escórias. Frequentemente havia hematomas por todo seu corpo, os quais ela era obrigada a cobrir usando largas roupas sempre que precisasse sair de casa.

A maneira que Tai e Yun Ning se conheceram fora bem incomum. Em uma bela noite com a luz do luar refletindo por todo o continente, a jovem escapou de suas irmãs que estavam a surrá-la como de costume.

Correndo para tão longe quanto possível com lágrimas em sua face, Yun Ning se escondeu aos arredores da Cidades das Chamas, num pequeno vale. Sentada em uma rocha à beira do rio, ela desabou miseravelmente enquanto lamentava por sua vida infeliz.

Um garoto que não tinha nada para fazer naquele local observava a jovem de uma certa distância. Esse garoto, de nome Tai Chen, havia visto anteriormente o desespero com o qual a jovem atravessou os portões da cidade conforme chorava incessantemente. Com seu coração doendo, Tai decidiu segui-la para tentar ajudar, mas ao se aproximar não foi capaz de reunir forças para falar com ela.

A cena se repetiu por diversas vezes nas noites que se seguiram, e a cada vez Tai esperava no mesmo lugar, escondido. No fundo Tai se sentia um um lixo sem valor algum, por não conseguir se aproximar para perguntar o porquê dela sempre estar chorando.

Vez após vez, Tai veio ao mesmo lugar, sempre na esperança de poder ao menos ver a beleza da moça que surpreendentemente sempre aparecia todas as noites, sem falta. A única coisa que machucava Tai era a cena de Yun Ning sempre chorando ao chegar no vale.

Em seus mais profundos desejos, Tai Chen gostaria de vê-la sorrir ao menos uma única vez. Tai sentia como se pudesse ter uma morte tranquila e feliz se tivesse a oportunidade de vislumbrar pelo menos um único sorriso de tal deusa.

Sem perceber, o coração de Tai palpitava incessantemente a cada vez que via Yun Ning. Ele havia se apaixonado. Com nojo de si mesmo por ser um covarde, Tai tomou a decisão de se aproximar na próxima oportunidade e dar um fim àquela cena lastimável.

Contudo, algumas noites se passaram e não haviam sinais de que a jovem apareceria novamente. Nesse momento, Tai sentia-se muito agoniado e arrependido por não ter tomado uma atitude mais cedo.

Suspirando em melancolia, Tai optou por esperar mais algum tempo antes de ir embora. No entanto não foi necessário, pois olhando para o horizonte a figura radiante de uma jovem se aproximando surgia aos olhos de Tai.

Um sorriso brotou em seu rosto conforme Tai se colocava de pé, ele estava decidido a se aproximar da jovem. Em seu coração, Tai não suportaria vê-la derramar mais uma única lágrima sequer.

Enquanto caminhava, Tai notou algo de errado. Uma sensação sombria percorreu por todo seu corpo. Mas isso não era nada comparado ao que ele sentiu quando finalmente a imagem de Yun Ning começou a se tornar mais clara.

Era a primeira vez que Tai havia percebido. Talvez por nunca ter se aproximado ele não pudera notar isso antes, mas agora estava claro. Sérios ferimentos e hematomas cobriam todos os cantos do corpo de Yun Ning.

O vestido branco como a neve que Yun Ning vestia estava aos pedaços. Sujeira cobria todo seu corpo, e como de costume, ela estava a chorar. Vendo a situação de Yun Ning, Tai se sentiu horrorizado, pois nas vezes anteriores ela nunca demonstrara estar numa situação tão miserável como essa.

Inicialmente Tai pensara que fosse alguma briga com um amante ou algo similar, pois na primeira vez em que vislumbrou as feições de Yun Ning, não eram visíveis quaisquer traços de hematomas em seu corpo. Tai nunca poderia ter imaginado quão aterrorizante foram as coisas as quais Yun Ning teve de enfrentar.

Apesar da situação deplorável em que se encontrava, Yun Ning apenas chorava silenciosamente conforme lágrimas escorriam por seu rosto. Em suas pequeninas e delicadas mãos como a neve, havia um punhal dourado que carregava junto a si.

Tai Chen se desesperou quando notou as intenções suicidas de Yun Ning. Sem pensar duas vezes, reuniu toda a energia espiritual que seu corpo era capaz de suprir e a condensou sob suas pernas, explodindo em uma velocidade absurda em direção a Yun Ning.

A jovem preparava-se para enfiar o punhal através de seu peito, seu braço levantava em direção ao céu e suas mãos tremiam gentilmente à medida que lágrimas se tornavam ainda mais evidentes em sua face. Com o rosto levemente deformado pela surra que levara, uma expressão mesclada de dor e tristeza emergiu em Yun Ning.

Ao longe um grito ecoou por todo o vale.

“NÃO! PARE!” – Gritou desesperadamente Tai Chen, fazendo sua voz ressoar como um trovão.

O tempo pareceu congelar aos olhos de Tai, que observava Yun Ning levando o punhal lentamente em direção ao seu coração. Sem pensar em si próprio, Tai em um longo e explosivo salto agarrou-a firmemente, jogando tanto seu corpo quanto o da garota ao chão.

Quando de repente notou Tai severamente ferido pelo punhal por tê-la salvado, os olhos antes em lágrimas de Yun Ning se arregalaram em profundo desespero. O punhal havia perfurado o ombro de Tai.

“Aiaiaiai... por muito pouco não cheguei tarde demais..” – Murmurou Tai Chen tentando conter uma risada desajeitada à medida que se levantava de cima da garota.

“Se.. s..seu ombro..” – Apontou Yun Ning enquanto gaguejava..

Tai com um pequeno esforço virou a cabeça para olhar o local que Yun Ning apontava, então soltou uma gargalhada.

“Hahaha, não se preocupe, isso não é nada.” – Disse Tai com um caloroso sorriso.

Yun Ning desabou em lágrimas, ajoelhando-se. Ela se contorcia ao apoiar os cotovelos em suas coxas machucadas, tentando cobrir o rosto cabisbaixo com suas pequenas e frágeis mãos.

Tai Chen gemeu de dor ao passo que arrancou o punhal de seu ombro e o lançou ao chão, quicando inúmeras vezes antes de parar.

Sangue começou a fluir constantemente de seu ferimento, mas isso não lhe importava naquele instante. Num ato gentil, Tai estendeu sua mão ao rosto da jovem e levemente fora acariciando-a cuidadosamente, para que não sentisse mais dor.

O brilho magnífico causado pelo reflexo do luar manifestou-se naqueles olhos puros e encharcados de lágrimas, os braços de Yun Ning gentilmente caíram ao solo como se toda sua energia tivesse sido sugada. Em seu coração uma palpitação indescritível surgiu à medida que Yun Ning observava Tai se aproximando vagarosamente de sua face.

Totalmente corada, Yun Ning fechou os olhos, seu corpo tremeu de excitação por um instante enquanto ela sentia a respiração de Tai se tornando cada vez mais forte em seu rosto.

Quando seus lábios estavam para se tocar, a visão de Tai ficou turva. Após cambalear e quase cair, Tai reuniu todas suas forças decidido a ir até o fim. Cerrando os punhos de modo a se manter firme, Tai abraçou Yun Ning e a deu um caloroso beijo.

Em meio ao beijo, a mente de Tai se esvaiu e ele caíu sob a garota derrubando-a no chão. Enquanto deixava um rastro de sangue sob o corpo da moça, Tai, fora de si, soltou um sorriso à medida que sentia uma maravilhosa sensação macia de dois picos deslizando sob seu rosto.

Por Kouhei | 22/04/18 às 04:03 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Elementos de Cultivo, Romance, Brasileira