CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 09 - Fúria

O Príncipe das Trevas (PDT)

Capítulo 09 - Fúria

Autor: Kouhei Kagami | Revisão: yuukari

O sol estava a brilhar no horizonte conforme Tai abria os olhos com uma sensação de incômodo. Ofuscado pelo forte brilho em sua face, Tai cobriu o rosto com uma de suas mãos e notou estar deitado sob o colo de Yun Ning.

Yun Ning havia adormecido com suas mãos sobre o rosto de Tai enquanto o acariciava gentilmente na noite passada. Tai se levantou cuidadosamente para não acordá-la, e após se sentar de frente a Yun Ning começou a examiná-la enquanto seu coração se sentia agitado só de pensar no tipo de monstro que ousou machucá-la.

Mais tarde Yun Ning despertou, e com sua primeira visão ao acordar sendo o rosto de Tai próximo a si, ela corou.

“Como você está?” – Perguntou Tai entrelaçando sua mão direita com a de Yun Ning à medida que acariciava os cabelos dela.

“Está tudo bem?” – Tornou a perguntar Tai notando o constrangimento da moça.

“S-sim..” – Respondeu Yun Ning, avermelhada.

“Ótimo, isso é bom. A propósito, eu ainda não me apresentei. Meu nome é Tai Chen, herdeiro principal do clã Yin.” – Apresentou-se Tai encarando gentilmente Yun Ning.

“Pff..” – Cuspiu Yun Ning cobrindo seus lábios enquanto ria da situação.

“O que foi? Eu disse algo estranho?” – Perguntou Tai em confusão.

“Haha. Não.. é só que isso é engraçado..”

“O quê? Tem algo no meu rosto?” – Perguntou Tai enquanto começava a tatear a própria face.

“Não..” – Murmurou Yun Ning ficando levemente cabisbaixa e voltando a corar.

“É só que você nem sabia meu nome, muito menos eu o seu. Ainda assim você se atreveu a roubar meu primeiro beijo.. Heh”

Vendo Yun Ning murmurar, Tai ficou maravilhado com o doce e aconchegante sorriso da jovem. Nesse momento ele pôde enxergar toda a gentileza no coração dela, ao mesmo tempo que isso o feriu ainda mais ao imaginar como alguém seria capaz de machucá-la.

Ainda perplexo com a beldade em sua frente, Tai vislumbrou Yun Ning levantando o rosto corado e lhe dando um radiante sorriso ao dizer de maneira meiga:

“Eu me chamo Yun Ning..”

“Um belo nome.. Tão belo quanto você..” – Pensou consigo mesmo Tai.

“Por.. Por que você é tão gentil comigo sem nem mesmo me conhecer?” – Perguntou Yun Ning melancolicamente.

“Por quê? Você acha que precisa de uma razão para o amor?” – Afirmou Tai ficando de pé a frente de Yun Ning.

O coração de Yun Ning disparou com a declaração de Tai. Com seu corpo ainda fraquejando ao tentar levantar, ela notou a sombra do braço de Tai indo em sua direção. Após uma breve hesitação, Yun Ning tomou uma decisão e se deixou ser ajudada a levantar.

Conforme puxava Yun Ning, Tai propositalmente aplicou mais força do que o necessário forçando-a a perder o equilíbrio e cair em sua direção. Em um instante Tai a agarrou contra seu corpo e deu à Yun Ning um caloroso abraço, sentindo o sedoso cabelo da jovem sob sua face.

“Me desculpe por ter sido um covarde. Se eu tivesse tomado uma atitude na primeira vez em que te vi, você não teria que enfrentar tudo isso.”

“Hm..” – Assentiu Yun Ning encostando o rosto sob o peito de Tai.

“De hoje em diante você é minha. Não irei deixar mais ninguém te machucar.”

“Hehe..” – Riu fracamente Yun Ning apertando Tai sob seus braços.

“O que foi?”

“Ah.. é só que.. não, não é nada..” – Yun Ning chacoalhou a cabeça enquanto sorria..

“O que? Pode falar, você pode dizer qualquer coisa para mim.”

“Você diz isso pra todas?” – Questionou Yun Ning com um sorriso malicioso ao encarar Tai.

“Hãn? Quê.. Como.. Isso.. eu.. Eu juro que..” – Tentou negar Tai perplexo com a súbita pergunta de Yun Ning.

“Seu bobo..” – Murmurou Yun Ning antes de se atirar sobre Tai e beijá-lo.

“Yun.. você..”

“Hehe.. Agora estamos quites por ontem.” – Sorriu Yun Ning maliciosamente.

...

Mais tarde, Tai voltou para seu clã acompanhado de Yun Ning. Rapidamente ele foi conversar com o patriarca a respeito da situação de Yun Ning, furioso pelos maus tratos que ela sofria.

“Mas senhor Patriarca, não podemos mandá-la de volta. Eles vão acabar a matando!” – Exclamou Tai.

“Acalme-se, Tai, eu compreendo seus sentimentos. Infelizmente este assunto não está sob nosso alcance. Assuntos referentes ao clã Chamas Escarlates é algo que não nos diz respeito.” – Disse solenemente o Patriarca.

“Mas..” – Murmurou Tai antes de ser interrompido por Yun Ning.

“Está tudo bem..” – Sussurrou a jovem para Tai. – “Agradeço ao senhor Patriarca pelos cuidados que me foram prestados, irei guardar esse favor em meu coração. Sinto muito por ter sido incômodo trazer esse assunto à sua família.” – Concluiu Yun Ning enquanto se curvava diante do Patriarca.

Após se despedir, Yun Ning caminhou para fora do salão da família Yin. Apesar de relutante sobre encerrar a conversa nesse ponto, Tai a seguiu.

Vendo ambos saírem, o Patriarca do clã Yin suspirou profundamente. Mesmo querendo ajudar, ele sabia que não detinha o poder para tal.

Nos portões do clã Yin, Tai Chen retomava seu fôlego à medida que Yun Ning sorria amargamente em sua direção.

“Tai, você é muito gentil. Obrigada por tudo, mas infelizmente nenhum de nós tem forças para ir contra minha família...”

“Mas você não precisa ir, fique mais um pouco. Prometo convencer o Patriarca.. meu pai... a deixar você ficar. Nós iremos resolver esse assunto.” – Exclamou Tai Chen.

“Eu não quero causar problemas para sua família.”

“Não se preocupe comigo, eu vou ficar bem.” – Sorriu Yun Ning.

Enquanto sorria amargamente, Yun Ning suplicava em seu coração para que Tai a impedisse. Ela verdadeiramente não queria voltar, mas considerando as consequências que a possível fuga trariam para a família de Tai, ela preferiu continuar a suportar o peso sozinha.

Observando Yun Ning se distanciar, Tai sentiu como se tivesse suas forças fossem sugadas e caiu de joelhos. À medida que lágrimas começaram a escorrer por seu rosto, Tai passou a socar o chão enquanto lamentava.

“Mas que droga! Por que sou tão fraco!? Nem força para protegê-la eu tenho!”

Naquele momento, inúmeros membros do clã Yin tiveram de segurá-lo. Tai ficou totalmente fora de si, se continuasse poderia até mesmo perder a mão com tamanha força dos golpes violentos desferidos contra o solo.

Dias mais tarde, Tai caminhava pela cidade com uma expressão melancólica e vazio em seu olhar. Ele estava mais magro e com o rosto pálido. Nos últimos dias Tai foi ao local de encontro com sua amada, mas nunca mais foi capaz de encontrá-la.

Enquanto passava próximo a família Chamas Escarlates, Tai ouviu um grupo de pessoas cochichando.

“Você ficou sabendo? Parece que o clã Chamas Escarlates está praticamente trocando uma moça por influência com o clã Jade Negra.”

“Não é aquela garota de cabelos negros? Como era mesmo o nome dela..”

“Yun Ning, certo?”

“Isso! Sim, ela mesma.”

“Isso é realmente lamentável. Eu ouvi rumores de que ela originalmente pertencia ao ramo principal da família. Mas como era uma filha ilegítima do Patriarca, tiveram que rebaixá-la para o ramo secundário.”

“Ramo secundário? Que horror.. não é onde eles tratam todos pior do que cães? Os membros do ramo secundário praticamente são escravos da família principal.”

“Você não sabe de nada. Se fosse somente a tortura...”

“O quê você quer dizer com isso?”

“Outro dia eu ouvi algo terrível a respeito do ramo secundário da família Chamas Escarlates. Parece que eles não só torturam as pessoas e as tratam piores que lixos, como as moças recebem um tratamento ainda pior.”

“Quando atingem uma certa idade, eles destroem o útero das moças para que elas possam ser usadas como objetos de troca com outros clãs.”

Por mais que estivessem cochindo discretamente, Tai pôde ouvir claramente a conversa devido a uma de suas peculiaridades. A audição de Tai sempre foi muitas vezes mais aguçada do que a de pessoas normais, isso permitia não somente identificar inimigos sem precisar usar sua aura, como também permitia obter informações valiosas.

“O quê você disse?!” – Berrou Tai se aproximando do grupo.

“Isso.. isso é.. eu não disse nada, jovem mestre.”

<BAM!>

“Eu só vou perguntar uma vez. É verdade?” – Após desferir um soco contra o estômago do homem, Tai o encarou friamente.

“S-Sim! Eu juro! Ouvi isso de umas das mulheres do Clã Chamas Escarlates!”

Nesse instante a cor começou a retornar gradualmente ao rosto de Tai conforme ele seguiu para dentro da residência do Clã Chamas Escarlates. No entanto, sua expressão não era natural, era uma expressão tão aterrorizante que todos que viam Tai imediatamente saiam de seu caminho.

A aura que emanava do corpo de Tai pertencia a alguém com uma profunda sede de sangue. Os poucos desafortunados que ficaram em seu caminho, se tivessem sorte eram jogados contra a parede e saíam com apenas alguns ossos quebrados, independente de serem inocentes ou não.

Entrando no pátio do Clã Chamas Escarlates, a aura emanada por Tai pertencia a um especialista pináculo do rank Ouro Branco, mas sua sede de sangue de tão vasta, fazia alguns confundirem-no com um cultivador do rank Ouro Negro.

Uma aura tenebrosa começou a dominar a mansão e todos que se aproximavam de Tai tinham um fim miserável; ninguém era capaz de suportar sequer um golpe de seus punhos. Os olhos de Tai ficaram vermelhos e lágrimas sangrentas começaram a escorrer por seu rosto, no entanto sua expressão permaneceu firme.

Nesse momento um símbolo de lua sangrenta brilhava sob as costas de Tai. Inconscientemente Tai estava a usar a técnica proibida passada de geração em geração entre seu clã: Lua do Massacre.

Essa técnica aterrorizante era o motivo de muitos cultivadores do Clã Chamas Escarlates lidarem com Tai de maneira inapropriada e acabarem mortos. A aura de Tai havia ficado impregnada por uma intenção sombria de matar.

Normalmente cultivadores de Ouro Branco e Ouro Negro estão no mesmo patamar, sendo a única diferença entre eles o fato de que os cultivadores Ouro Branco possuem uma defesa quase impenetrável, enquanto aqueles no Ouro Negro possuem ataques mortais capazes de rasgar com um único golpe até mesmo as mais aterrorizantes das Bestas Demoníacas.

Com a técnica Lua do Massacre ativa, Tai se tornou capaz de confundir seus inimigos e induzí-los a atacá-lo como se ele fosse um cultivador ofensivo, porém cada vez que alguém se aproximava, essa pessoa era repelida pela defesa monstruosa de Tai.

Em seguida, após defender os golpes, um vasta e aterrorizante aura assassina disparava contra seus agressores. Alguns se sentiram tão horrorizados que até mesmo caíram ao chão com as calças molhadas, antes mesmo de Tai sequer se aproximar.

A técnica Lua do Massacre de Tai não somente tinha a propriedade de confundir seu inimigos. Ela também permitia a ele utilizar proficientemente os dois tipos de energias existentes no mundo.

O nome Yin do clã de Tai deriva do Yin Yang, onde o Yin representa as trevas e o Yang a luz. Normalmente os membros do clã Yin possuem maior afinidade com a energia da terra que é representada pelo Yin, portanto ao consolidarem seus cultivos e construírem uma base sólida, muitos se tornavam especialistas Ouro Negro.

Contudo, Tai foi uma existência extraordinária em seu clã. Por mais que cultivadores com afinidade Yang sejam desprezados por possuírem uma ofensiva fraca, servindo apenas de saco de pancadas graças a suas defesas absolutas, Tai desenvolveu afinidade similar em ambas as energias.

A técnica Lua do Massacre era uma técnica extremamente poderosa que só poderia ser utilizada por especialistas do rank Ancião Marcial, que é um reino o qual apenas é possível adentrar por aqueles que atingiram uma compreensão das duas energias do Yin Yang.

Apesar de Tai possuir uma compreensão extraordinária sobre os dois tipos de energia, ele consolidou a base de seu cultivo como Ouro Branco e focou seu desenvolvimento na arte defensiva.

Mas agora Tai estava a empunhar ambos tipos de energia. Contudo ninguém era capaz de notar, pois a energia Yang é indistinguível, e isso é um dos maiores problemas ao se lidar com cultivadores com afinidade Yang.

A Lua do Massacre é considerada uma técnica proibida pois eleva grandemente o poder do usuário, além de permitir a ele usar livremente o Yin Yang acima de suas capacidades. No entanto as consequências se assemelham a empunhar uma lâmina de dois gumes sem cabo; desnecessário dizer que quanto maior o poder empregado, maior o rebote.

Conforme Tai Chen avançava pelos corredores da mansão, um rastro de sangue era deixado para trás. A mistura do sangue inimigo com seu próprio criou um banho de sangue. Cada balançar de suas mãos trazia destruição iminente, se fossem cultivadores abaixo do 2º estágio do Diamante Branco ou 5º estágio do Diamante Negro, ninguém seria capaz de suportar o peso dos ataque de Tai.

Após avançar trazendo destruição consigo, Tai parou em frente a uma porta com som de vozes rindo vindo de dentro.

Ao abrir a porta, Tai odiou a si mesmo por não ter chegado antes. Dentro da sala, havia apenas um longo tapete dourado com duas almofadas as quais se sentavam o herdeiro do Clã Jade Negra e o Patriarca do Clã Chamas Escarlates.

O herdeiro do Clã Jade Negra arrumava suas roupas descaradamente enquanto ria em direção ao Patriarca do Clã Chamas Escarlates.

“Hahaha! Muito obrigado senhor Patriarca, tenha certeza de que minha família irá recompensá-lo grandemente. Mas se permite minha indelicadeza, quem seria esse jovem fazendo um alvoroço em sua humilde casa?”

“Hmpf” – Bufou o Patriarca.

“É o herdeiro do clã Yin. Yin Tai Chen.”

Como se estivesse a ignorá-los, Tai varreu seu olhar sobre a sala e viu em um dos cantos Yun Ning encolhida conforme chorava silenciosamente. As roupas de Yun Ning estavam em trapos, sob seu corpo seminu Tai notou ainda mais feridas na superfície da pele branca como a neve de sua amada.

“Você!” – Rugiu Tai Chen olhando para o herdeiro do Clã Jade Negra.

O jovem de cabelos loiros encaracolados herdeiro do clã Jade Negra não pôde se conter e soltou uma intensa gargalhada.

“Hahahahaha. Não se preocupe, herdeiro do Clã Yin, pode ficar com minhas sobras. Assim que eu finalizar meus assuntos com o senhor Patriarca eu deixo você se divertir com essa vadia.” – Debochou o garoto.

Tai não mais se conteve, nesse momento ele sentiu como se todos seus sentidos ficassem nublados.

“Você.. quais suas últimas palavras?” – Murmurou Tai.

“Ãhn? Do que você est-.. Ghrr!!” – Retrucou o herdeiro do clã Jade Negra.

Sem deixar que concluísse suas palavras, Tai explodiu numa aura assassina e desapareceu da vista do jovem herdeiro arrogante, reaparecendo subitamente em frente dele à medida que agarrava seu pescoço com força.

“Ahhhrrrrg… Pa-Patriarca.. M-Me salve! P-Por.. fa-..”

<Clack>

“Essas foram suas últimas palavras.” – Concluiu Tai Chen.

Ao abrir sua mão, o corpo imóvel do herdeiro do Clã Jade Negra caiu sobre o chão e sangue começou a se impregnar por todo o tapete dourado.

Um olhar aterrorizado estava cravado no corpo inanimado e ensanguentado do jovem mestre arrogante. A aura de Tai havia atingido proporções monstruosas, no entanto seu rosto se tornou irreconhecível devido ao banho de seu próprio sangue e de seus inimigos.

“Ahem.. Olha só a bagunça que você fez, Tai.. Agora você me obriga a tomar uma atitude, portanto não me culpe pela minha falta de cortesia.” – Comentou friamente o Patriarca da família Chamas Escarlates.

Com o Patriarca se levantando, o corpo de Tai congelou. Suas pernas pararam de responder a seus comandos e ele só pôde observar. A vasta aura de um Ancião Marcial de nível dois impregnou o ambiente e suprimiu Tai.

Yun Ning, vendo a vida de Tai em perigo, tentou desesperadamente se levantar para protegê-lo nem que custasse sua vida, porém foi inútil. A pressão causada pelo Patriarca era algo que poucos poderiam lutar contra.

Normalmente apenas famílias com alguma influência são capazes de gerar cultivadores do nível Ancião Marcial, contudo mesmo as grandes influências não possuem mais do que vinte ou trinta cultivadores nesse nível. Somente com isso sabe-se o quão aterrorizante é o poder de um Ancião Marcial, considerado o ápice da cultivação.

Tai sentiu um frio na espinha como nunca antes houvera sentido, e sem sequer notar o golpe desferido pelo patriarca, caiu ao chão de joelhos enquanto vomitava sangue. Seus braços agarraram firmemente seu estômago enquanto uma dor insuportável tomava conta de si.

“PAI! POR FAVOR, NÃO! POUPE A VIDA DELE!”

“Eu faço o que você quiser, só o deixe ir.. Por favor, pai.. Eu prometo nunca mais fugir..” – Lamentou Yun Ning sendo afastada pela pressão do Patriarca.

“Yun Ning, cale essa boca. Não se meta nos assuntos de minha família Chamas Escarlates.”

Com um balançar de suas mãos, o Patriarca lançou Yun Ning contra a parede e a feriu gravemente.

“Insolência. A escória realmente nasceu para ser acompanhada de mais escória. Você a quer? Pois bem, pode levar.” – Desdenhou o Patriarca caminhando para fora da sala.

Sentindo uma dor insuportável, Tai Chen gemeu cada vez mais enquanto rolava sobre o chão. À princípio Tai estava confuso sobre o que acabara de acontecer, mas ao sentir sua cultivação se esvaindo percebeu a gravidade de sua situação. Seu Dantian foi destruído sem que houvesse qualquer chance de se defender.

Conforme sua visão começou a escurecer, Tai ouvia os gritos de sua amada à medida que ela era arrastada para fora.

Por Kouhei | 22/04/18 às 04:04 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Wuxia, Xianxia, Elementos de Cultivo, Romance, Brasileira