CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 262 - Garoto

Pursuit of the Truth (POT)

Capítulo 262 - Garoto

Tradução: João Pedro | Revisão: Evlin Huth

O céu na terra dos Xamãs era vasto. Em um lugar não muito longe da Barreira da Névoa do Céu, que poderia ser considerado nas fronteiras da terra dos Xamãs, havia um fedor sangrento que enchia toda a terra. Mesmo que o vento varresse o local, ele ainda não conseguiria se livrar daquele fedor.

Um pássaro dourado com cerca de 3000 metros flutuava no céu. Havia centenas de bestas ferozes prostrando-se diante dele, imóveis, como se estivessem esperando as ordens do Roca Dourada.

O Roca Dourada estava de olhos fechados. Sentado em suas costas, havia um velho, também de olhos fechados. Suas vestes roxas pareciam sangue seco enquanto balançavam com o vento.

Tian Xie Zi já estava sentado no local por um dia e meio. Ele esperaria mais um dia e meio pelo seu quarto discípulo, pelo retorno de Su Ming.

Este foi um teste. Foi também seu primeiro teste para Su Ming.

– Não importa se você conseguir passar por sua primeira mudança no coração, você ainda será meu discípulo. Enquanto estiver vivo, você ainda terá a chance de passar por outras mudanças no coração.

– Mas... a Caçada aos Xamãs da Névoa do Céu geralmente termina com uma pessoa entrando viva e saindo morta... – Tian Xie Zi murmurou e abriu os olhos.

– Não vou me preocupar com a sua mudança no coração. Posso não saber que tipo de passado você tem, mas estou confiante de que você terá sucesso em passar pela sua primeira mudança no coração... você deveria ter encontrado paz em seu coração depois de vê-lo criando xun.

– O que estou preocupado é que... embora você seja perverso, você não tem nenhum sentimento de pertencimento à Terra da Manhã do Sul e não tem compreensão suficiente do nosso ódio pelos Xamãs, e por causa disso, você vai... ter um momento de fraqueza.

Não havia mais qualquer brutalidade nos olhos de Tian Xie Zi, apenas calma.

Ele olhou silenciosamente ao longe.

Se alguém seguisse o olhar de Tian Xie Zi, que parecia estar olhando para frente sem parar, encontraria uma pequena colina em uma floresta que parecia se estender sem fim em um lugar que só poderia ser alcançado se viajassem por um dia e meio.

Su Ming estava na pequena colina e não virou a cabeça para trás para olhar para o menino parado não muito longe do sopé da montanha. O garoto parecia alguém que poderia se encaixar perfeitamente em sua tribo, e se ele estivesse lá, seu poder estaria em torno do segundo ou terceiro nível do Reino de Solidificação do Sangue. Ele pode ser da tribo Xamã, mas Su Ming não conseguiu matá-lo.

Uma dor aguda espalhou-se pelo peito de Su Ming enquanto ele continuava em silêncio. O sangue jorrou de sua ferida. A faca de concha ainda tinha causado danos a ele.

Se ele não tivesse evitado o ataque, aquela faca teria esfaqueado seu coração.

Ele puxou a faca de concha e, ao mesmo tempo em que Su Ming deixou a pequena colina, ergueu a mão esquerda e apontou para o garoto pálido que acabara de sair do terror e se virara para voltar correndo.

Uma rajada de vento cortou o ar e atingiu o garoto correndo em um instante. No momento em que caiu sobre ele, a rajada de vento de repente se dividiu em duas partes. Um caiu contra a grande árvore ao lado do menino, e uma cobra verde e venenosa que avançou sem o conhecimento do menino caiu no chão quando sua cabeça explodiu.

A outra rajada de vento atingiu o menino. Ele estremeceu e caiu no chão inconsciente.

Apenas aqueles que dominaram o controle preciso do Despertar poderiam fazer o vento formado a partir dos dedos se dividir em dois, e o controle preciso de Su Ming já havia chegado a um estado incrivelmente minucioso.

– Eu não vou te matar, mas só se você não voltar e revelar meu paradeiro.

Su Ming deixou a pequena colina e voltou pelo mesmo caminho que havia seguido.

Ele já havia usado mais de um dia para a perseguição. Agora que tinha acabado, ele não parou para descansar, mas usou a velocidade mais rápida para correr para poder voltar em três dias, no tempo limite que seu Mestre lhe havia dado.

Su Ming foi extremamente cuidadoso ao viajar pela terra desconhecida que pertencia aos Xamãs e estava cheia de todos os tipos de perigos. Ele sabia que deveria ter matado o menino, mas ele... apenas escolheu deixá-lo inconsciente.

Logo após o tempo que leva para queimar meio palito de incenso depois que Su Ming saiu, o corpo do menino sacudiu de repente. Uma energia misteriosa apareceu do nada e fez o menino acordar antes!

O menino abriu os olhos e primeiro examinou seu corpo. Assim que soube que não estava ferido, viu a cobra venenosa que havia perdido a cabeça ao seu lado e ficou momentaneamente atordoado.

No entanto, durou apenas um breve momento antes de desaparecer rapidamente. Não havia mais nenhum indício de choque no rosto jovem do menino quando ele olhou para a pequena colina. Todos os traços dele foram substituídos por crueldade e ódio.

Ele se levantou e correu de volta para onde sua tribo estava a toda velocidade. Não parou enquanto corria e, ao fazê-lo, mordeu a língua e tossiu um bocado de sangue, então fechou os olhos. Quando ele os reabriu logo depois, seu sangue havia se transformado em um pequeno pássaro vermelho-sangue.

O pássaro bateu suas asas e avançou para longe em uma velocidade chocante antes de desaparecer sem deixar rastros.

Em um lugar não muito longe, uma aldeia poderia ser encontrada em um local onde a floresta foi derrubada. A lama no chão estava cheia de areia para ficar firme. Também havia um grande pedaço de terra ao longe que foi plantado com vegetais.

Risos podiam ser ouvidos na aldeia. Homens pertencentes à tribo Xamã com rostos cheios de tatuagem podiam ser vistos ocasionalmente vagando pela aldeia com expressões cautelosas em seus rostos. No entanto, quando uma hora depois eles viram o pássaro vermelho que de repente voou para fora da floresta, suas expressões mudaram imediatamente.

Aquele pequeno pássaro vermelho voou para dentro da aldeia e imediatamente entrou em umas das casas.

Havia um velho sentado dentro da casa. O velho estava seminu e tinha apenas uma pele de fera enrolada na cintura. Havia um pequeno caldeirão ao fogo com algumas ervas diante dele. Filetes de fumaça saíram do caldeirão e eram sugados para os olhos, ouvidos, nariz e boca do velho enquanto ele inspirava, antes de sair pelos poros, envolvendo-o em uma aura nebulosa e distorcida.

Havia duas lindas garotas da tribo Xamã atrás dele. Elas se ajoelharam ao seu lado e o abanaram suavemente com leques feitos de folhas grandes.

A brisa era muito leve e não conseguia afastar os fios de fumaça. A casa inteira ficou em silêncio.

No entanto, no momento em que o pequeno pássaro vermelho apareceu, o velho de repente abriu os olhos e, dentro deles, quatro pupilas puderam ser vistas!

O pequeno pássaro vermelho se aproximou e pousou diante dele no momento em que o velho abriu os olhos. Com um estrondo, ele se transformou em uma camada de névoa de sangue e, quando o velho inalou, a névoa foi levada para seus os olhos, ouvidos, nariz e boca. Assim que ele fez isso, a luz em seus olhos imediatamente piscou como se imagens tivessem surgido do nada a sua frente, permitindo-lhe ver tudo claramente.

– Um Berserker...

Um sorriso cruel e sanguinário apareceu no rosto do velho e ele lambeu os lábios. Se qualquer Berserker visse sua língua, eles definitivamente ficariam surpresos, porque o comprimento dela claramente excedia o comprimento normal da língua de um humano. Parecia uma cobra, e se o velho quisesse, ele poderia lamber o próprio cabelo.

Com aquele sorriso sanguinário e cruel nos lábios, o velho se levantou e, assim que saiu de casa, abriu os braços e soltou um rosnado baixo.

Assim que ele rosnou, toda a tribo instantaneamente ficou em silêncio. Todas as pessoas voltaram seus olhares para o velho.

– Vocês podem sentir o cheiro?!

A voz do velho era rouca, medonha.

– Este é o cheiro pertencente a um Berserker. Este cheiro é o doce cheiro de seu sangue... Um Berserker entrou na floresta onde nosso Deus Lagarto vive. Ele andou em nossa terra e matou um guerreiro da tribo Xamã!

– Ele perturbou o Deus Lagarto dentro da floresta!

– Mate-o. Pegue a cabeça dele e pendure-a do lado de fora de nossa tribo. Desenterre seu coração e esprema o sangue. Seu sangue será bebido pelos poderosos Xamãs de nossa tribo!

– Mate-o e arranque seus dentes para que possamos pendurá-los em nossos pescoços como troféus!

Um curto período de silêncio caiu entre as pessoas antes que toda a tribo explodisse em um rugido enlouquecedor.

Esse rugido veio de todos os Xamãs dentro da tribo, e olhares implacáveis ​​podiam até ser vistos em algumas das crianças, mulheres e idosos.

O velho deu um passo à frente e fez um longo arco ao sair de sua tribo. Cerca de vinte outras pessoas o seguiram, avançando rapidamente para a floresta além da aldeia.

Assim que deixaram a aldeia, eles se dividiram em duas equipes. O velho liderou alguns homens e voou para o céu. Quanto ao resto, eles começaram a procurar pistas dentro da floresta com as habilidades passadas por seus ancestrais.

Su Ming estava correndo pela floresta em uma velocidade extremamente rápida, sem se preocupar em parar e fazer pausas. Seu peito não estava mais sangrando, mas a dor só ficou mais forte enquanto ele continuava com sua corrida louca.

Ele considerou voar, mas esse pensamento foi imediatamente descartado. Se ele voasse por um dia e meio, poderia topar com os Xamãs. Para ele, que atualmente estava em uma terra desconhecida, esse ato era uma tolice.

Comparada com o céu, a floresta era mais adequada para Su Ming atravessar.

O tempo foi passando enquanto ele continuava correndo. Quando a segunda noite chegou, ele se sentou de pernas cruzadas em uma grande árvore e regulou sua respiração.

“Julgando à distância, chegarei ao lado do meu Mestre amanhã à noite...”

Su Ming tocou seu peito e um tom vermelho-sangue apareceu em seu olho direito. Já fazia muito tempo que ele não sofrera um ferimento tão grave. Sua viagem para a Tribo Xamã desta vez permitiu-lhe ver o mistério que cercava aquele povo.

Isso seria extremamente útil para ele durante a Caçada aos Xamãs da Névoa do Céu alguns meses depois, porque a experiência que ele obteve ao caçar um Xamã sozinho em suas terras não era uma experiência que todos poderiam ter.

Enquanto respirava o ar da floresta que pertencia aos Xamãs, Su Ming sentiu como se o sentimento opressor pressionado contra seu coração começasse a desaparecer.

“Eu não esperava... que o Mestre tivesse uma das bestas sagradas dos Xamãs! Posso não saber o que é uma besta sagrada, mas com apenas um rugido, ela fez o Médium desmoronar e matou um dos Almas Divididas, enquanto feria gravemente o outro, e todos os outros Xamãs ao redor da área morreram.

“Este poder...”

Su Ming respirou fundo. Ele apenas se lembrou de ter visto uma besta sagrada como esta antes!

Em suas memórias, ele viu nuvens caindo no céu como uma névoa negra, e se espalhar para cobrir uma área que tinha cerca de milhares de quilômetros. Dentro dessa névoa estava um agulhão gigante.NT: Pra quem não sabe é um peixe.

Havia uma garota de pé no agulhão.

– Tio mestre Bai... poderia realmente lutar contra uma besta sagrada?!

Su Ming ficou pasmo. À medida que via e experimentava mais coisas, ele ganhou um novo entendimento sobre a força do tio mestre Bai.

Assim que Su Ming estava pensando sobre seu Mestre e tio mestre Bai, ficando chocado com o poder das bestas sagradas da Tribo Xamã, seus olhos de repente ganharam um ar sério e a luz vermelha-sangue em seu olho direito brilhou. Seu corpo inteiro ficou tenso como um arco esticado e ele saltou da grande árvore em que se sentou em um instante.

Ele podia sentir claramente uma dúzia de Xamãs dentro de uma área de 1000 metros ao seu redor com seus sentidos divinos. Os Xamãs avançavam contra ele com crueldade perversa e ávida sede de sangue, como se estivessem tentando cercá-lo.

A primeira visão que entrou em sua mente naquele momento, ele sentia que aqueles Xamãs eram da mesma tribo que o garoto que ele havia deixado inconsciente com o vento que ele convocou de seus dedos. 

 


Por João Pedro | 27/10/20 às 23:22 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Xianxia, Chinesa, Tragédia