CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 278 - Sonho

Pursuit of the Truth (POT)

Capítulo 278 - Sonho

Tradução: João Pedro | Revisão: Evlin Huth

Havia uma lenda que existia há muito tempo entre as pessoas da Tribo Berserker. Dizia-se que essa lenda circulava desde a era do primeiro Deus dos Berserkers.


A lenda falava sobre a terra da tribo Berserker antes de ser dividida em cinco continentes há muito tempo. Nas terras ao sul havia uma borboleta chamada Morus alba Harmoniosa. Essa borboleta não era grande, apenas do tamanho de uma palma. Ela tinha todas as cores do mundo e todas eram diferentes.NT:Morus Alba significa literalmente amora branca e obviamente não ia ficar bem traduzir isso então prefiro deixar assim, digam oque acham nos comentários.


Ela voava no céu, mas não podia ser vista por pessoas normais, porque ela pertencia a um mundo situado ainda mais alto que o nono céu, um mundo que estava cheio de furacões.


Nas lendas, dizia-se que embora ela fosse uma borboleta e tivesse lindas asas, ela só poderia bater suas asas três vezes na vida. Além dessas três vezes, ela flutuaria no vento.


A primeira vez que ela batesse as asas seria para voar para o lugar acima do nono céu assim que nascesse.


Na segunda vez, ela iria bater as asas no auge de sua vida. Seria para exibir aquelas cores magníficas em busca de seus companheiros, mas ela não conseguiria encontrá-los.


A última vez que ela iria bater as asas no momento em que sua vida acabasse. Para deixar uma marca no mundo, ela usaria todas as suas forças e, no momento em que terminasse de bater as asas, seu corpo se transformaria em faíscas de luz e se espalharia pelo chão como sementes do vento. Essas sementes se transformariam em casulos, mas apenas uma delas se transformaria em borboleta.


Esta lenda fala das três vezes em que a Morus Alba Harmoniosa bateu suas asas. Havia também uma série de outras lendas anexadas a isso. Foi dito que quando ela batesse suas asas pela primeira vez, uma mudança devastadora aconteceria nas terras do sul.


O segundo bater de suas asas faria com que uma massa de cadáveres com olhos cinzentos aparecesse nas terras do leste.


O segundo bater de suas asas faria com que a neve nas terras do norte trouxesse uma longa noite que duraria dez anos.


Essa era a lenda.


Era uma lenda da qual Su Ming nunca tinha ouvido falar, mas Bai Su sim.


À noite, a inconsciente Bai Su acordou em seus sonhos. Ela olhou para o mundo desconhecido diante dela com um olhar atordoado e ficou sozinha, uma expressão perdida em seu rosto.


Ela sabia que estava sonhando e que tudo o que via era uma ilusão, nada disso existia na realidade.


No entanto, ela não conseguia realmente acordar do sonho e fazê-lo desaparecer.


Ela podia ver neve no chão e mais neve caindo do céu escuro. Tudo estava quieto ao seu redor. Havia apenas uma cadeia de montanhas localizada em uma direção ao longe. Todos os outros lugares eram planícies.


Aquele local com a cordilheira tinha uma montanha que não podia ser vista claramente porque estava coberta pela tempestade de neve. Ela teve a sensação de que já tinha visto aquela montanha em algum lugar antes. Foi uma montanha que disparou nas nuvens como as mãos de uma pessoa se estendendo do chão e querendo levantar a cortina no céu!


– Que lugar é esse…?


Bai Su murmurou, e parecia mais perdida do que nunca.


No meio de sua confusão, ela caminhou lentamente para frente. A trilha de neve sob seus pés parecia ser o próprio tempo, fazendo-a sentir como se estivesse caminhando por todas as quatro estações do mundo a cada passo que dava. Enquanto ela continuava caminhando, ela chegou a uma floresta. Ela não tinha ideia de quanto tempo estava lá, mas em algum momento, de repente, ela ouviu conversas animadas em seus ouvidos.


Essa voz veio de longe e fez Bai Su parar. Instintivamente, ela se moveu na direção das vozes.


Gradualmente, ela passou pela floresta da montanha e viu algo...


Era uma grande extensão de terra que não tinha nenhuma floresta. Havia muitas tendas de pele ali, junto com muitos Berserkers poderosos patrulhando a área com olhares indiferentes. Havia muitas pessoas entrando e saindo das tendas de couro. Esse lugar era um pequeno mercado.


Havia muitos quadrados como esses na Terra da Manhã do Sul para que pequenas tribos pudessem negociar umas com as outras.


Bai Su olhou para os rostos desconhecidos. A conversa que ouviu parecia real, mas quando ela olhou para essas pessoas, eles não podiam vê-la. Um dos Berserkers patrulheiros até mesmo passou pelo corpo de Bai Su.


– Isto é…


Ela estava ainda mais perdida.


Ainda assim, quando ela começou a se sentir perdida, de repente estremeceu. Ela viu duas pessoas correndo rapidamente da floresta localizada não muito longe.


Um dos dois parecia muito forte e tinha um rosto honesto. A outra pessoa correndo ao lado dele também era um adolescente, mas parecia frágil. Ele tinha um rosto bonito e seus olhos brilhavam com uma luz clara.


Ele usava roupas feitas de pele de animal e seus traços ainda mostravam sua ingenuidade, mas no momento em que Bai Su viu o garoto, ela ficou abalada.


– Su... Su Ming!


A respiração de Bai Su acelerou. Ela nunca esperava ver Su Ming em seus sonhos!


O Su Ming diante de seus olhos ainda era um menino ingênuo. Aquela pessoa de aparência frágil tinha semelhanças com Su Ming em suas memórias, mas havia muito mais diferenças, tantas que pareciam pessoas completamente diferentes.


No entanto, naquele momento, uma voz delicada gritando de raiva soou.


– Lei Chen!


Bai Su olhou instintivamente. Quando ela viu a jovem falando, um rugido ecoou em sua mente. Ela viu uma jovem, e ela estava vestida com uma camisa feita de pele de vison. Seu cabelo comprido estava preso com um cordão vermelho feito de palha e havia pequenas tranças caindo pelos ombros enquanto cristais brilhantes decoravam sua testa. Com raiva em seus olhos e uma carranca no rosto, ela olhou para o companheiro de Su Ming, que estava ao seu lado.NT: Vison ou visom é a designação comum a várias espécies de mamíferos mustelídeos do gênero Mustela, especialmente a Mustela vison, que se assemelham às doninhas da América do Norte. Fim da aula.


Sua aparência fez Bai Su entrar em transe.


Essa era uma jovem... com exatamente a mesma aparência de Bai Su.


E acabou. A visão congelou nos olhos de Bai Su e gradualmente desapareceu. Ela abriu os olhos rapidamente e o suor gotejou em sua testa. Ela olhou ao redor e descobriu que estava de volta em sua caverna.


Estava quieto lá fora. Nenhum sinal de som pôde ser ouvido.


Bai Su olhou fixamente para a frente, os olhos desfocados. Sua mente ainda estava presa vendo as coisas em seu sonho.


Depois de um longo tempo, Bai Su colocou um manto sobre os ombros e abriu a porta de sua caverna. O céu estava escuro e uma rajada de vento frio a fez sentir frio.


Ela ficou fora de sua caverna e olhou para o céu escuro. Sob o luar, seu olhar finalmente caiu sobre o nono cume. Quando ela olhou para ele, uma expressão confusa e complicada apareceu em seus olhos.


– Por que eu tive esse sonho...? As coisas no sonho são reais... ou falsas...?


Bai Su murmurou.


Naquela mesma noite, enquanto Su Ming repetidamente copiava o Roca Dourada, em um ponto, quando ele desenhou uma linha específica, seu dedo congelou e uma cena de sonho veio à tona em sua mente.


Continha uma terra onde o vento e a neve sopravam continuamente. O vento estava forte e a neve flutuava no ar, obscurecendo sua visão. Ele não conseguia ver muito à frente, mas ainda podia ver uma jovem de sete a oito anos chorando enquanto corria.


Caminhando na frente da jovem estava uma mulher que estava de costas para a jovem e estava desaparecendo lentamente na distância.


– Mamãe, não vá... Mamãe, você não me quer mais...?


A mulher parou por um momento, mas ela não se virou, e então simplesmente continuou caminhando em um ritmo acelerado. Entre a neve, a voz chorosa da jovem era o único som que podia ser ouvido.


Quando ela não conseguiu mais correr e caiu no chão, ela ainda lutou para se levantar e tentou continuar correndo com lágrimas escorrendo pelo rosto. Ela queria segurar a mão de sua mãe. Ela queria fazer sua mãe ficar.


No entanto, aquela mulher continuou a se afastar até que sua figura não pudesse mais ser vista na tempestade de neve. A jovem continuou chorando até que parecia ter esgotado todas as forças de seu corpo frágil e caiu na neve, imóvel.


O vento soprou fortemente contra seu corpo, fazendo com que a jovem se enrolasse nela mesma. Ela fechou os olhos e, embora continuasse chamando a mãe em sussurros fracos, perdeu a consciência.


Seu rosto rosado gradualmente se tornou verde - essa era a cor da carne sendo congelada...


Su Ming olhou para tudo isso e não falou.


Eventualmente, um homem saiu para a tempestade de neve. O homem parecia indistinto aos olhos de Su Ming e ele não podia ver seu rosto com clareza. Ele caminhou até o lado da garota e se agachou antes de gentilmente pegá-la e caminhar para longe.


– Su Su, volte para casa com o papai...


A cena congelou aqui para Su Ming. À medida que desaparecia gradualmente, seu corpo estremeceu e acordou. Ele olhou para o dedo indicador direito, que permaneceu congelado no quadro. Após um curto período de perplexidade, ele olhou rapidamente para um canto do quadro.


Esse foi o local que Bai Su havia tocado.


Su Ming deixou sua mente vagar por um momento antes de roçar o canto que Bai Su havia tocado com a mão direita, e um olhar pensativo apareceu em seus olhos.


“Por que isso aconteceu...? Desde que Despertei, nunca sonhei. Aquela voz em meus sonhos também nunca apareceu... Mas quando eu estava copiando o Roca Dourada agora há pouco, caí em um transe."


Su Ming franziu a testa.


“Esse sonho não parecia falso, e de jeito nenhum apareceu do nada. Deve haver uma razão para isso!”


Su Ming ficou em silêncio e pensou por um longo tempo. Quando o amanhecer estava quase terminando e os primeiros raios de sol começaram a dar sinais de aparecer, um pensamento de repente o atingiu como um raio.


“Poderia ser... quando Bai Su tocou o quadro ontem e teve aquele breve instante de contato com meu sentido divino quando eu estava totalmente concentrado em minha tarefa, isso também significou que nossas memórias estavam conectadas por um curto momento de tempo ...?


“E por causa disso eu tive aquele sonho agora mesmo!


"O sentido divino também tem o poder de olhar para as memórias de outras pessoas?"


Su Ming respirou fundo. Seus olhos brilharam e antes que o céu brilhasse totalmente, ele fez um longo arco e deixou o nono cume. Ele correu para o sopé da montanha.


Havia muitas criaturas que amavam o frio, espreitando o gelo infinito fora do Clã Céu Congelado. Devido ao clima do local, a maioria dessas criaturas era agressiva.


Su Ming permaneceu em uma determinada planície de gelo por quase duas horas. O céu já estava claro naquele momento, e oito carcaças de Lobos do Gelo estavam ao lado dele.


Su Ming ergueu a mão direita e colocou-a na cabeça de um dos lobos do gelo vivos e fechou os olhos. Depois de um momento, ele os abriu mais uma vez e, no instante em que o fez, aquele Lobo do Gelo estremeceu, caiu para o lado e morreu.


Os olhos de Su Ming brilharam de curiosidade. Depois de um momento de silêncio, ele fez um longo arco e deixou o local para retornar ao nono cume.


No entanto, no momento em que ele chegou ao nono cume e ficou na plataforma fora de sua caverna, ele viu Bai Su chegando mais uma vez. Quando a viu, a sensação de familiaridade proveniente de sua aparência e expressão superou a do dia anterior.


As botas de pele de besta, casaco de pele de vison preto, postura ereta, cabelo amarrado com um cordão vermelho e a raiva em seus olhos junto com a testa franzida...


Sob o disfarce deliberado, essa Bai Su havia se tornado exatamente a mesma que a garota que vira em seu sonho, não importando suas roupas ou aparência!




Por João Pedro | 01/03/21 às 20:55 | Ação, Aventura, Fantasia, Artes Marciais, Xianxia, Chinesa, Tragédia