CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 06 - Discussão

Sentimento Zero: Projeto Serafim (SZPS)

Capítulo 06 - Discussão

Autor: Matheus Freitas | Revisão: Agente SSS

O grupo foi recebido pelo comandante da base que era um coronel, um anjo de 2° classe intermediária. Seu nome era Douglas e ele aparentava ter em torno de 45 anos.

“Seja bem-vindo general!” O homem saudou.

“Vamos direto ao ponto, Douglas qual a situação?” Wilson acenou com a cabeça e perguntou.

“Vamos entrar na base primeiro.” Douglas liderou o caminho para uma sala com isolamento acústico.

“Certo, General nossa inteligência identificou uma célula com cerca de 1500 pessoas, dentre essas cerca de 50 possuem habilidades. 15 deles são anjos de 2° classe, os outros são de 3° classe pelo que constatamos!” Falou Douglas.

“Vocês, têm informações sobre de onde eles surgiram? O número de anjos que você me disse, é superior ao que me foi informado, mas realmente não importa. Vamos acabar com eles de qualquer maneira.” Uma intenção assassina irradiou de Wilson.

“Nós temos nossas suspeitas general, tudo aponta que são os americanos, mas é tão óbvio que é difícil não acreditar que exista alguém por trás das cortinas.” Douglas falou solenemente.

“Seu pensamento é igual o meu, parece que existe alguma força agindo, agora saber se são os europeus ou os russos ainda é difícil. Já que se entrarmos em conflito com os americanos esses bastardos iriam adorar isso.” 

“General, quando vamos agir?” Perguntou André.

Wilson se virou para Douglas e este entendeu rapidamente.

“Ainda estamos compilando os dados de todas as bases, deve levar uns 3 dias no máximo para saber todas as suas localizações.”

Wilson contemplou e depois falou:

“Passe os dados para Marcos. Você terá até o jantar para compilar e apresentar os dados.”

“Sim, senhor!” Marcos fez a saudação militar e acatou a ordem.

“Todos, com exceção de Vitor estão dispensados!” Wilson deu a ordem.

“Sim, senhor!” Todos saíram acompanhando Douglas que iria mostrar os seus alojamentos.

“O que você acha?” Perguntou Wilson.

“Acredito que você já pensou em todas as possibilidades, porém também darei meu ponto de vista. Não acredito que sejam os americanos, se eles realmente quisessem o conflito, eles não iriam alimentar uma pequena célula que podemos exterminar a qualquer momento. Mesmo sabendo que não estamos no mesmo nível que eles, também não seria tão fácil para eles nos conquistarem. O ponto é. Não há motivo para agirem agora.”

Wilson estava escutando e acenou com a cabeça, vendo isso Vitor continuou:

“Quanto aos europeus e os russos, existe a possibilidade de que eles estejam infiltrados, contudo isso seria improvável. A Europa e a Rússia estão muito longe, sem falar que um pressiona o outro, qualquer um entrar em conflito agora o outro aproveitaria a oportunidade. Sendo assim nós temos 3 possibilidades.”

Nesse ponto, um sorriso apareceu no rosto de Wilson, as habilidades de Vitor com relações internacionais não foram desperdiçadas. Isso só o deixou ainda mais certo de que trazer Vitor para o exército foi uma ótima escolha.

“Uma dessas seria a Liga Muçulmana. Mesmo que estejam em um conflito com a Índia, sua situação no lado africano não é tão ruim assim. Então sob a liderança do Egito, eles poderiam fazer algo, porém, se eles querem expandir território por que não marchar para o sul? O meio da África ainda não foi absorvido.”

Vitor fez uma pausa e depois continuou.

“O mesmo serve para a África do sul. Por que não avançar para o norte? A África do sul sempre foi muito fechada, e eles não possuem relações conosco. Então seria plausível que fossem eles se não fosse o problema que citei.”

“Se for uma organização, o problema pode vir de forma invisível, principalmente se forem apoiados por algum país. Isso pode se tornar um problema se não cuidado corretamente.”

Depois que terminou de falar, Vitor olhou o pai que ainda contemplava o que ele havia dito.

Depois de um tempo Wilson abriu a boca e falou: “Suas colocações estão corretas, todavia essas 3 possibilidades possuem falhas nas explicações. Você ainda esqueceu uma, a de que possa ser um apoiador interno!”

“Interno? Mas a situação não é tão ruim assim certo?” Vitor perguntou confuso.

“Tanto no governo quanto no exército existem águas turvas, as lutas de poder acontecem sem interrupções. Existem políticos que por seus próprios interesses, podem criar instabilidade para assumir o poder. O problema vem quando estes conseguem apoio de alguma força militar, eles podem alinhar seus próprios interesses em um objetivo comum.” 

“Está tão ruim assim? General qual dessas opções o senhor acredita que possa ser?” Já que decidiu se juntar aos militares Vitor tinha que agir como tal na frente de um superior.

Wilson achou um pouco estranho por ser chamado assim, mas não demorou muito para se recuperar e responder.

“Particularmente eu estou mais inclinado para o que disse, eu não tenho muita ligação com a política nem me importo com eles, a única exceção é seu sogro. Por isso não interferi quando você se casou com Letícia. A situação em Brasília é complicada, e eu não quero me envolver com eles.”

“Compreendo, eu vou manter isso em mente, vou entrar em contato com alguns contatos que tenho em Brasília. Quando tiver algo eu contarei ao senhor.”

“Faça como quiser. De qualquer maneira vamos resolver o problema que temos em mãos, se fizermos algo pode ser que cometam um erro, assim podemos pegá-los!” Wilson apertou o punho como se estivesse esmagando algo.

Depois da conversa, Vitor foi para o seu alojamento, pensando no que foi dito ele não pode deixar de ficar empolgado, era realmente de desafios que ele gostava. Depois de um tempo pensando nessas possibilidades, Vitor pegou e fez uma chamada para Letícia.

[Oi querido, como foi a viagem?] Perguntou Letícia.

[Ocorreu bem, as coisas estão bem por aqui.] Vitor decidiu não contar as suspeitas que seu pai e ele tinham.

[Sua mãe veio me visitar hoje. Ela perguntou a mesma coisa que você, queria que eu fosse para sua casa quando você retornasse.]

[Minha mãe certamente é rápida. Ela só está solitária e queria a companhia de sua linda nora.] Vitor falou com uma risada.

[Isso é culpa do seu irmão também, ele não pensa em casar? Na idade dele nós dois já tínhamos tomado a decisão de nos casar.] Letícia fritou Marcos sem hesitar.

[Não seja assim, ele está muito ocupado para namorar agora.]

[Você vai ver, eu vou arranjar umas amigas e trancá-las em um quarto com ele. É um absurdo deixar que ele fique velho e solteiro, é um desperdício!] Letícia estava com raiva.

Quando Vitor escutou isso seu rosto escureceu e um sorriso malicioso apareceu.

[Quer dizer que você acha meu irmão mais bonito que eu? Tá bom, eu soube que aqui nesta província tem boas mulheres.]

[Uh! Querido não seja assim, onde você vai encontrar uma esposa tão linda, fofa e obediente como eu? Não importa o quão bonito seu irmão é, ele não passa de um rosto na multidão comparado com o seu.] Disse Letícia rapidamente.

Vitor riu de sua esposa que estava fazendo uma cara inocente.

[Pare com seu absurdo, como estão as coisas por aí?]

[Eu terei que acompanhar a mãe para fazer visitas a algumas amigas dela. Quando eu era mais nova isso era uma tortura, a conversa sempre ia pro casamento... Ainda bem que eu tenho meu querido agora.] Letícia falou.

[Quando chegar eu irei fazer uma visita a sua casa certo?]

[Sim, sim, minha mãe quer muito ver você e meu pai... Bem, deixa para lá...]

[Hahahaha! Estou esperando para ver o que o sogro fará, ele nem me visitou no hospital, você acha isso humano?] Vitor fez uma cara de quem foi injustiçado.

[Hehe! Olha você, se eu não lhe conhecesse eu até acreditaria que você está com raiva dele. Querido, você sabe que o papai gosta muito de meu precioso marido certo? Ele só se faz parecer de mau, ele sempre foi assim.]

[Eu sei que o sogro é assim, ele só faz isso para manter a aparência, mas eu escutei que a maioria dos sogros odeiam os seus genros.]

[Agora é você, pare com seu absurdo, se meu pai não gostasse de você, realmente acredita que ele permitiria que eu me casasse com você? E de qualquer maneira ele não tem o que reclamar quando se trata de status familiar e eu não tenho do que reclamar do meu marido.] Disse Letícia com um sorriso malicioso no rosto.

Nesse momento ele ouviu batidas na porta.

“Entre!”

A porta foi aberta e um soldado da base falou: “Senhor, o general solicita seu comparecimento na sala de reunião.”

“Certo, eu já vou, só vou terminar essa ligação e irei, você pode sair!”

O soldado fechou a porta e saiu rapidamente.

[Marcos realmente é rápido, terminou bem antes do tempo, parece que essa base tem alguém muito bom com terminais. Querida, estou indo, não se preocupe, eu só tenho olhos para você!]

[Seu besta, o que foi isso agora? Vá, vá, não deixe o sogro esperando!] Disse Letícia que tinha sofrido como se uma flecha tivesse perfurado seu coração. Ela desligou a chamada e suspirou, mas ainda mantinha um doce sorriso no rosto.

Vitor sorriu e saiu do alojamento para a sala de reunião.

Por Matheus Freitas (Leia SZPS) | 08/04/20 às 14:56 | Ação, Romance, Ficção Cientifica, Super-Poderes