CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 23 - Conseguindo Informações

Sentimento Zero: Projeto Serafim (SZPS)

Capítulo 23 - Conseguindo Informações

Autor: Matheus Freitas | Revisão: Agente SSS

Escutando o que Vitor disse, José se fingiu de surdo.

“Oh! Não quer falar! Eu sei que você é o assessor do filho do senador Adriano. O grande deputado César!” Falou Vitor com sarcasmo.

José continuou olhando para o lado, mas um tremor passou por ele. ‘Droga! Ele sabe para quem eu trabalho.’

“Bem! Eu tenho várias maneiras para te fazer falar! Eu não sei se você sabe, mas...”

Nesse momento, Vitor apontou para porta ao lado de José e a transformou em poeira.

“Olha, eu ainda não consigo controlar bem o meu poder, seria trágico se algo desse tipo acontecesse com você, não é?” Quando terminou de falar um brilho frio estava nos olhos de Vitor.

José rangeu os dentes, ele ainda não falou nada.

Durante todo esse silêncio, de repente um grito soou.

“Ahhhhhhh!!!!” José estava apertando a palma da mão, um buraco do tamanho de uma unha apareceu.

“Olha, eu avisei! Eu estou muito nervoso, e minha habilidade se descontrolou um pouco...” Falou Vitor com um suspiro.

Letícia franziu a testa. Mas, não falou nada, até ela achava que Vitor estava assustador no momento.

Escutando o que Vitor falou, José queria chorar, mas não havia lágrimas. ‘Isso é descontrolar para você? Então o que vai acontecer se você controlar.’

José continuou segurando a mão, ela já estava toda manchada de vermelho. Ele ainda resistia a falar.

Esse impasse ainda durou 5 minutos.

Vitor já estava perdendo a paciência, quando ele gritou.

“Cara! Deixa de ser idiota! Eu vou te dizer minha habilidade, e o mal que eu posso te fazer se você não colaborar! Ela se chama aniquilação! E eu posso aniquilar qualquer coisa que eu queira! Então eu posso te fazer ver o inferno ou ter uma morte rápida, escolha!” A expressão de Vitor, era igual a de Wilson quando ameaçava Juan na Colômbia.

“Eu vou te dar 1 minuto! A cada minuto que passar, eu vou abrir um buraco em você! E a cada 5 minutos o número de buracos abertos dobrará!”

José tremeu, mas ainda continuou olhando para o lado.

1 minuto se passou, Vitor abriu um buraco na outra mão de José. Ele gritou como um porco no abatedouro.

E essa situação continuou, José já estava com 7 buracos no corpo, todos eram pequenos. Mas a dor que ele sentia era como se milhões de formigas estivessem atacando seus membros.

Vitor deliberadamente evitou acertar órgãos vitais e também veias importantes. Imagina o quão engraçado seria se, a única testemunha morresse por um choque hemorrágico.

Olhando a situação Vitor suspirou. ‘Amigo, que diabo de drogas esses caras te deram? A morte seria bem menos dolorosa, mas aqui está você. Que bom cão eles criaram!’

“Amigo, vamos lá homem! Fala logo! Nós só estamos desperdiçando o tempo de todo mundo! Eu já poderia estar do lado de fora esperando a carona do meu irmão. E você já poderia ter se tornado poeira, irritando alguma dona de casa por aí!” Falou Vitor como se estivesse persuadindo uma criança a ir dormir.

Letícia que estava atrás de Vitor estava segurando o riso e pensando: 'De onde ele tirou essa última frase? Ele enlouqueceu?’

Quando José escutou isso, a sua boca se contorceu, não se sabia se era por causa da dor ou das palavras que Vitor disse.

Mais um buraco foi feito no ombro de José, esse do tamanho de um polegar. José gritou! Essa foi a pior dor que ele sentiu na vida! As outras somadas não eram nada, comparada com essa.

“Amigo, eu vou ir com tudo agora!”

Rolando no chão José estava com a mente em caos, até ele já estava começando a duvidar se valia a pena sofrer tudo isso. Enquanto pensava um buraco maior apareceu no outro ombro. A dor era simplesmente indescritível, contudo, ela ainda era insuficiente para fazê-lo desmaiar.

Chorando, a última barreira mental de José foi quebrada! 

“Eu trabalho para César, a ordem foi dele! Ele quer ajudar o pai dele a assumir o poder, ele vai começar a lançar ataques em algumas pessoas e cidades.”

“Oh! Encontramos o culpado! Espere!? Você disse ataque? Que tipo de ataque?” Perguntou Vitor.

“Eu não sei as localizações, mas ele vai usar anjos para isso?”

“Anjos?” Perguntou Letícia.

“Sim!”

De repente, Vitor se lembrou dos rebeldes que foram exterminados e perguntou.

“Ele estava por trás dos rebeldes da Venezuela e Colômbia?” Perguntou Vitor.

“Sim!”

“Se o plano dos ataques falhar, o que ele vai fazer?” Perguntou Letícia.

“Se falhar, ele vai matar o presidente.”

Ambos arregalaram os olhos.

‘Matar o presidente? Eles são loucos? Querem gerar uma guerra civil? A morte de uma figura central traria instabilidades que podem abrir espaço para qualquer tipo de coisa!’

“Quem está por trás dele?” A expressão de Vitor era extremamente fria.

“Eu não sei, eu não sei, eu não sei!” Gritou José.

Vitor não comprou essa história e abriu um buraco ainda maior no braço de José. Mas ele continuava a gritar, dizendo que não sabia de nada. Letícia já estava ficando extremamente pálida ao ver o estado que o homem se encontrava. Timidamente, ela colocou a mão no ombro de Vitor e balançou a cabeça.

“Eu contei tudo que eu sei! Por favor, acabe com isso, me mate!” Disse José chorando e implorando para Vitor.

Vitor olhou para o homem, ele realmente podia dizer que José não estava mentindo, mas queria garantir que ele tinha dito tudo o que sabia. Mas ao olhar para sua situação, ele não pode deixar de se apiedar um pouco do homem, ele se levantou da cadeira e murmurou levemente. “Seria melhor que você fosse obediente desde o início.”

Vitor estalou os dedos e José foi para o esquecimento.

“Parece que a situação é muito grave!” Vitor franziu a testa.

Neste momento, Letícia finalmente lembrou do ferimento de Vitor. Com um flash ela correu para perto do braço ferido dele.

“Temos que ir para o hospital e rápido!”

“Eu já chamei Marcos, vamos para a saída.”

Marcos ainda não tinha chegado. Quando chegou, a primeira coisa que ele viu foi a ferida de Vitor!

“Droga irmão! Quem fez isso? Eu vou matá-lo!” Marcos disse rangendo os dentes.

“Não se preocupe, nós já eliminamos todos eles! Vamos para um hospital, dar uma olhada nessa ferida.” Disse Vitor indo para o banco de trás do carro com Letícia seguindo logo atrás dele.

Marcos entrou no carro depois dos dois, ele não pôde suportar e perguntou.

“Irmão! O que diabos aconteceu com vocês? Vocês não iam jantar e sair para algum lugar? Como isso se transformou em você ferido? E o que diabos você está fazendo aqui?”

“Eu contarei tudo o que me perguntou! Mas, me leve logo para o hospital, eu tenho que cuidar dessa ferida.” Falou Vitor.

“Conversamos em casa! Vai logo Marcos, acelera!” Gritou Letícia.

Marcos acelerou e pouco tempo depois eles chegaram ao hospital. Os atendentes se surpreenderam, ferimentos de bala não eram mais comuns. Quando perguntavam a Vitor, esse não falava nada, ele só queria que eles cumprissem seu trabalho.

Vitor não precisou ser internado, e mais ou menos pelas 4 da manhã ele saiu do hospital com o braço imobilizado.

O carro continuou em silêncio enquanto eles voltavam para o apartamento.

Finalmente quando chegaram Marcos não aguentou mais e perguntou.

“Irmão o que aconteceu, quem fez isso?”

“Nós fomos sequestrados pela Vanguarda.” Respondeu.

“Vanguarda? Quem contratou eles?” Marcos franziu a testa, a Vanguarda não trabalhava para qualquer um.

“Nós matamos todos eles, mas descobrimos quem foi o mandante. Foi o César, filho do senador Adriano. Ele tem o objetivo de fazer com que o pai assuma o poder, quando amanhecer eu entrarei em contato com o pai, nessa hora você descobrirá tudo.” Falou Vitor.

“Certo, posso fazer alguma coisa para ajudar?”

“Sim, eu quero que você desenterre qualquer coisa a respeito desses dois, você tem até amanhã à noite! Nós estamos correndo contra o tempo, mesmo acreditando que o plano deles não tem como dar certo, temos que fazê-los pagar pelo que fizeram conosco. Também procure por provas de corrupção ou algo do tipo. Nós poderemos utilizar essas coisas como provas, afinal não podemos sair matando livremente.” 

“Entendi, então como foi o primeiro combate de vocês?” Perguntou Marcos com óbvio interesse.

“Ele já disse que vai falar quando amanhecer, espere quando o sogro souber, você naturalmente vai saber.” Disse Letícia olhando para Marcos.

“Chatos!” Resmungou Marcos.

“Eu vou para o quarto descansar, eu tive algumas ideias sobre o meu poder nessa noite.” Falou Vitor.

“Vamos, eu também estou cansada.”

Os dois foram para o quarto, Letícia estava tirando o vestido e suspirou.

“Querido, você realmente gosta de se ferir desde quando acordamos.”

“Me desculpe, só que quando vi o homem mirando para você, o meu único pensamento era evitar que a bala acertasse você.”

“Querido, por que você simplesmente não transformou todos em pó? Você pode fazer isso não pode?” Perguntou Letícia, ela tinha estranhado o por que, de Vitor ferir e depois sumir com o corpo.

“Sim, eu posso! Mas eu só usei em  apenas 1 como você pôde ver. Isso ainda causa uma repercussão em mim, eu tenho que treinar mais. Agora, quando o corpo já está morto ou quase, a repercussão é menor. Então quando tenho a opção é melhor ferir e depois de matá-lo aniquilar o corpo.” Disse Vitor.

“Entendi! Pelo menos, aprendemos que temos que focar mais na nossa defesa.” Suspirou Letícia.

“Isso não pode ser apressado, não faz um mês que começamos a treinar. Parando para pensar, tivemos muita sorte! Eles não eram pessoas comuns! Sem dúvidas, a nossa maior vantagem foi o elemento surpresa. Se eles soubessem que éramos anjos, eles não seriam tão frouxos com a segurança. Isso só prova que não podemos deixar vazar nosso segredo!”

“Sim! Agora deixe-me te ajudar!”

Letícia foi até Vitor e o ajudou a tirar o terno. Eles foram para o banheiro e tomaram um banho, Vitor teve cuidado para não molhar os curativos. Colocando uma roupa caseira, ela o ajudou a ir até uma poltrona. Dando um beijo em Vitor, ela pegou um travesseiro e colocou em suas costas.

Depois de tudo, ela se deitou na cama olhando para Vitor, esperando dormir um pouco, torcendo para não ter pesadelos.

Por Matheus Freitas (Leia SZPS) | 07/06/20 às 10:04 | Ação, Romance, Ficção Cientifica, Super-Poderes