CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 65 - O Arcanjo Caído

Sentimento Zero: Projeto Serafim (SZPS)

Capítulo 65 - O Arcanjo Caído

Autor: Matheus Freitas | Revisão: Agente SSS

Vitor usou todas as reservas para tentar deter o ataque, mas ele logo percebeu que seria impossível. Ele imaginou o que o ataque iria fazer, tendo como base os ataques anteriores de Reinaldo e o que ele gritou.

Vitor podia ser poderoso, mas ele era simplesmente impotente para algo do tipo. Primeiro, ele não tinha como saber a profundidade da lava, se ele fosse decompor, não iria resultar em nada. Nem o calor ele poderia decompor. Sendo assim, Vitor estaria condenado.

Quando percebeu que não iria conseguir quebrar o ataque, ele direcionou todo o seu poder na esperança de abrir um caminho de fuga.

E foi um sucesso, mas com ressalvas.

Reinaldo viu um local onde seu ataque não tinha atingido, para dizer a verdade, seu ataque estava consumindo as rochas bem lentamente, como se em câmera lenta.

‘Então foi isso que senti de errado quando lancei.’ Reinaldo pensou.

Vitor caiu de joelhos também. Mesmo com seus receptores de dor estando cortados, seu corpo basicamente não queria responder aos seus comandos. Ele estava exausto.

O escudo e o campo de Vitor tremiam violentamente. Dando a impressão que seriam destruídos a qualquer segundo. Se isso acontecer, ele seria cozinhado vivo.

Ele tentou se levantar, mas era como se todo o seu corpo estivesse embaixo de toneladas de ferro.

Reinaldo também não estava em uma condição muito melhor, depois desse ataque, os danos da radiação se tornaram mais evidentes, uma linha de sangue podia ser vista saindo de sua boca.

Os dois homens se encararam, Vitor levantou seu braço direito, mirou no coração de Reinaldo e usou o ‘Corte Molecular’.

Reinaldo energizou o máximo possível seu escudo, mas o ataque de Vitor conseguiu atravessar. Porém, tudo que conseguiu fazer foi deixar uma marca avermelhada no peito de Reinaldo. Não houve nem sangramento.

Vitor olhou para os lados e percebeu que tinha que atravessar logo esse campo de lava. Se não, ele seria definitivamente engolido por esse campo.

Reinaldo também percebeu isso. Se fosse antes, ele acharia hilário usar todas as suas forças para impedir que alguém passasse alguns metros. Mas agora essa era a situação que ele se encontrava, ele não podia deixar Vitor sair do campo de lava.

Reinaldo lançou uma bola de fogo na direção de Vitor, mas ela não tinha nem 1% de seu poder original, ainda sim, Vitor teve dificuldades em aniquilar essa bola de fogo.

Ele então, começou a engatinhar em direção a Reinaldo usando toda a sua força de vontade.

Se houvessem espectadores presentes, eles ficariam chocados com esses dois homens engatinhando no chão. É possível que uma pessoa comum pudesse matar os dois.

Cada passo parecia quilômetros, o estreito canal feito por Vitor estava encolhendo, dos 3 metros iniciais, só restavam 2,5 metros.

Vitor cogitou aumentar o poder da sua passiva transcendente, mas seria muito arriscado para ele. Já que, seu escudo estava muito fraco no momento, afinal ele é um ser vivo e a radiação gama poderia matá-lo, ainda que ele fosse o emissor. E mesmo sendo possível, ele mal conseguia manter sua forma nessas condições.

Rangendo os dentes, ele engatinhou passo a passo, sob ataques enfraquecidos de Reinaldo, ele ia se aproximando dele.

Reinaldo estava observando Vitor se aproximar em total descrença.

Vitor focou seu olhar em Reinaldo e atacou com sua ‘Dispersão de Matéria’. Reinaldo sentiu seu escudo ser destruído rapidamente e usou suas últimas forças para se banhar em chamas.

Tal medida desesperada funcionou, o ataque de Vitor falhou mais uma vez. Contudo, Reinaldo foi jogado alguns metros para trás.

Vitor usou tudo o que tinha e aproveitou a oportunidade, ele acelerou e finalmente conseguiu sair do campo de lava. Nesse mesmo momento, seus olhos e cabelos retornaram ao normal, as luzes emitidas por Vitor também cessaram.

Agora, nenhum dos dois conseguiriam atacar com suas habilidades, eles eram como qualquer humano comum. Não, na verdade, eles estavam em condições muito piores.

Os dois homens não fizeram nada para atacar, eles estavam tentando encontrar forças para se levantar.

Ambos sabiam que, se os mísseis de antes não tivessem alertado o continente, esse súbito aparecimento de lava com certeza iria chamar a atenção.

Eles tinham que resolver o outro lado rápido e sair da ilha antes que os militares venham checar o que aconteceu aqui. E esse era um resultado que nenhum dos dois queria ver.

Eles conseguiram se levantar com grande dificuldade.

Reinaldo caminhou até Vitor e atacou com um soco, Vitor se moveu e fez o mesmo.

Os punhos colidiram, Reinaldo tentou levantar a perna para um chute, mas não tinha forças para fazer isso. 

“Vamos acabar com isso garoto, morra de uma vez!” Reinaldo gritou.

“Eu me recuso a morrer! Essa não é a hora, eu tenho que salvá-la!” Vitor gritou de volta.

Os dois se separaram e se afastaram, quando Reinaldo levantou a cabeça suas pupilas encolheram. Ele viu que Vitor tinha sacado sua pistola e estava mirando para ele.

“Talvez eu deva agradecer a você, graças a tudo isso que passei, me tornei mais forte, com isso eu terei mais poder, para mudar as correntes.” Vitor falou como um juiz.

“Você... Você pode ter me vencido aqui, mas o resultado final não mudará. As engrenagens já estão em movimento, elas irão nos levar um passo adiante, para o caminho do progresso.” Reinaldo declarou, depois dessas palavras, ele vomitou uma grande quantidade de sangue, a dose de radiação que ele sofreu tinha se mostrado fatais.

“O que quer dizer com isso, é o que vocês chamam de ‘Projeto Serafim’? O que você quis dizer com isso?” Vitor perguntou.

“Não adianta garoto, eu não vou revelar nada, esse clichê já é velho. Só digo mais uma coisa, o ‘Projeto Serafim’ é um meio, não o final! Ainda irá acontecer, seja ele um sucesso ou não.” Reinaldo declarou.

Vitor queria pressionar mais, se ele ainda pudesse usar sua habilidade, ele poderia fazer o mesmo que fez com José e forçar Reinaldo a falar. Balas não são efetivas nesse tipo de situação, já que o dano é bem maior e Vitor não pode controlá-las.

“Uma última coisa garoto, não precisa se preocupar com a segurança da sua mulher no momento, ela ainda está na base, no porto da base existe um barco onde você só precisa colocar o destino no GPS. Quando sair, sobreviva aos militares do Brasil e de outras nações, afinal o líder quer que vocês se juntem a nós em perfeitas condições.” Reinaldo falou seriamente.

Reinaldo não falou isso por que ele era de bom coração ou algo do tipo, a verdade é que os dois simplesmente não podiam escapar das garras da organização. Então, liberá-la neste momento, não iria mudar o resultado. 

“Eu já disse que não irei me juntar a vocês!” Vitor falou firmemente.

“Acontecerá, você entenderá quando a hora chegar.” Reinaldo falou como se estivesse declarando um fato.

“Tudo bem... Alguma última palavra?” Vitor perguntou enquanto mirava no coração de Reinaldo.

“Tudo pela ‘Nova Era’!” Reinaldo gritou enquanto tomava o tiro. Agente SSS: Esse merece meu respeito!

As balas V eram independentes do poder de Vitor, uma vez geradas, seu poder iria cair lentamente. Essas balas não tinham saído de perto de Vitor desde que foram feitas, então ainda tinham um enorme poder nelas.

Reinaldo caiu para trás com o tiro.

Flashs de memória começaram a surgir em sua mente, as outras crianças do orfanato, as injeções dolorosas, as lições das cuidadoras, seu despertar aos 13 anos, sua conquista como Arcanjo da organização aos 16 anos, depois de vários testes e simulações. Todas as memórias que o compunham estavam surgindo.

Ele fechou os olhos lentamente, enquanto a vida o deixava.

Segunda, dia 21 de setembro de 2099, às 18:12h. Reinaldo, Arcanjo do tipo fogo caiu em batalha. Mas esse combate com dois seres poderosos, não recebeu atenção de ninguém. Com exceção, de um único telespectador, que observava tudo por um drone.

Vitor caiu de joelhos, ele olhou para os céus e gritou a plenos pulmões.

Ele tinha conseguido, ele matou um Arcanjo!

◊ ◊ ◊

Ao mesmo tempo em que a luta ocorria, os outros membros estavam evacuando com os submarinos.

Lúcio ficou chocado quando descobriu que eles iriam deixar Letícia para trás, eles pagaram muito por ela, e iriam desistir assim?

Foi preciso Francisco dizer os motivos para convencer Lúcio.

Primeiro, os vidros e metais da câmara de recuperação eram a prova de balas, então não tinha como retirar ela da câmara. Já que, era impossível desligar antes do tratamento ser concluído. Segundo, os anjos combatentes que poderiam retirá-la, estavam lutando. E em caso de Vitor vencer, ele tinha como rastreá-la, então não seria inteligente trazê-la para mostrar a localização deles para o perseguidor.

Pouco tempo depois, eles viram Cristina chegar no porto.

“Chefe!” Lúcio gritou.

Francisco olhou para trás de Cristina e balançou a cabeça. Ele já podia imaginar o resultado.

“Todos morreram?” Francisco perguntou com uma voz pesada.

“Sim... Se não fosse por Reinaldo, eu também estaria morta. Esse cara é assustadoramente poderoso e inteligente.” Cristina falou.

Lúcio estava hesitante, mas se atreveu a perguntar mesmo assim.

“Reinaldo, ele... Ele pode perder?”

“Acho que não.” Ela respondeu. “Quando sai do local, Reinaldo tinha quebrado e queimado seu braço.” Cristina falou novamente depois de uma pequena pausa.

Enquanto eles conversavam, de repente um tremor de terra atingiu a ilha. Todos olharam em choque para o local onde os dois lutavam.

“Isso é uma brincadeira, certo?” Lúcio perguntou.

“Vamos sair rapidamente, vamos definir nosso destino para a Europa. Ele nos acompanhará quando vencer.” Francisco falou rispidamente enquanto entrava no submarino.

Os outros olharam para trás antes de entrar no submarino.

Por Matheus Freitas (Leia SZPS) | 25/10/20 às 10:15 | Ação, Romance, Ficção Cientifica, Super-Poderes