CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 13.6 -『MESMO SE O FUTURO É INCERTO』 - feitiçaria iluminada pela lua -

Shuumatsu Nani Shitemasu ka? Isogashii desu ka? Sukutte Moratte Ii desu ka? (SukaSuka)

Capítulo 13.6 -『MESMO SE O FUTURO É INCERTO』 - feitiçaria iluminada pela lua -

Tradução: Itsuki Lonely Driver

Parte 06 - Reunião

Ela bateu na porta, mas não recebeu resposta.

Ela girou a maçaneta da porta e descobriu que a porta tinha sido deixada destrancada.

[Chtholly...?].

Ela abriu a porta. O quarto estava escuro e vazio.

Ah, está certo. Tiat lembrou. A dona do quarto tinha deixado o armazém de fadas para embarcar em uma grande aeronave e resgatar suas companheiras esperando na terra. Ela não estaria em casa por pelo menos alguns dias.

[Hm... Eu vim para devolver o livro que peguei emprestado]. Cautelosamente, Tiat pisou o quarto desabitado.

Na ponta dos pés em silêncio através do quarto perfeitamente limpo, colocou o livro que segurava no peito em cima da mesa de Chtholly. Quando ela colocou o livro na mesa, notou que algo havia sido deixado na borda da mesa. Um grande e elegante chapéu azul... E ao lado dele um brilhante objeto de prata.

[Isto é…].

Tiat tinha visto isso antes. Um broche de prata com uma pedra preciosa azul clara que se encaixa nele. Ficava tão bem em Chtholly, e Tiat sempre tinha tido inveja. Uma vez, quando ela contou a Chtholly, ela respondeu: [Obrigada, mas eu tenho certeza que vai ficar bem em você muito em breve. Uma vez que você crescer um pouco mais, vou dar a você como um presente].

Tiat entrou em pânico um pouco quando ouviu isso. Ela não quis fazer parecer que queria que Chtholly lhe desse o broche. Ela só queria dizer o quão adorável Chtholly ficava com um acessório tão adulto para ela. Mas ainda assim, as palavras de Chtholly a deixaram um pouco feliz.

... Eu me pergunto se ela esqueceu isso?

Tiat de repente se sentiu um pouco maliciosa. Desde a conversa com Chtholly, ela havia crescido. Talvez agora fosse o momento em que ela poderia se tornar uma elegante dama adulta com um broche bonito. Não seria prejudicial apenas experimentá-lo. Ela engoliu em seco e, com cuidado, esticou a mão até o objeto brilhante. A ponta dos dedos roçou o metal prateado.

[... Talvez eu não deveria].

Tiat puxou a mão para trás. Ela sentiu como se ela tocasse, mesmo que por um momento, mesmo que ela estivesse apenas experimentando, ela iria perder algo muito importante.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Agora, Plantaginesta é, em sua essência, uma aeronave de carga. Ao contrário de uma aeronave mensageira, foi projetada para transportar com segurança uma grande quantidade de materiais. Em outras palavras, o conforto dos passageiros não era particularmente prioridade.

Willem podia realmente sentir as consequências disso quando a aeronave sacudia de um lado para o outro sem parar. Além disso, tubos misteriosos subiam para os corredores e salas, o cheiro de óleo estava impregnado em aparentemente todos os objetos em toda a aeronave, grafites obscenos podiam ser vistos em vários lugares, as latas de pasta de carne vazias jaziam no chão, etc.

Agora, Willem poderia lidar com um ambiente ruim. Ele vivenciou bastante disso na 28ª ilha. Mas, com a adição da especialidade de sacudir da aeronave, o desconforto ultrapassou rapidamente o limite de tolerância.

Tempo estimado de voo: 42 horas.

Essas 42 horas foram realmente o inferno.

Mas, eventualmente, eles chegaram às ruínas do nível do solo K96-MAL, o local da queda da aeronave de expedição Saxifraga.

[O mundo está sacudindo...].

Enquanto cambaleava como um homem bêbado, Willem pôs o pé nas areias cinzentas. As solas de seus sapatos afundavam a um ponto tão grosso como uma mão no chão macio. Apenas caminhar precisava de uma enorme quantidade de esforço. Ele nem quis imaginar como seria correr e lutar nessa areia.

Olhando do chão, Willem viu as vastas ruínas cinzentas. Havia alguns edifícios construídos em pedra, mas estavam desmoronando por toda parte, como se alguém tivesse vindo e esmagado e colorido de cinza por toda parte.

Há muito tempo, uma pequena cidade estava no lugar desses monumentos misteriosos. Situada perto das fronteiras do império, estava bastante longe da capital. Não era grande nem próspera por qualquer meio, distante de qualquer das principais rotas comerciais e sem produtos diferenciados, a cidade acumulou silenciosamente sua própria pequena história insignificante ao longo dos séculos e deveria ter continuado por muitos mais.

Willem agachou-se e agarrou um punhado de areia. A poeira cinza caiu rapidamente de volta para baixo através dos espaços entre os dedos.

[Menos dramático do que eu esperava...].

Ele não sentiu nenhuma das emoções para qual estava preparado. Tristeza, frustração, nenhuma delas veio à mente. Não era como se ele não tivesse entendido a realidade da situação. Diante de seus olhos estava sua cidade natal, Gomag, ou melhor, o que havia sobrado dela. Ele tinha sido capaz de aceitar essa verdade tão rapidamente que quase se sentia estranho.

[… Você está bem?].

[Sim, não se preocupe comigo], ele respondeu a Nephren, que devia ter se aproximado ao lado dele em algum momento enquanto ele estava perdido em seus pensamentos, então se levantou.

[Você não parece bem].

[Provavelmente apenas enjoo. Na verdade, não há nada em minha mente em particular].

[Se você realmente não está pensando em nada, acho que é algo com o qual se preocupar. Esta era a sua cidade natal, não era?].

Um forte vento soprava, fazendo com que a capa de proteção contra areia de Nephren flutuasse violentamente no ar.

[Estou bem. Minha cidade natal não existe mais, e agora minha casa é -]. Willem apontou para o céu. [- lá em cima. Certo?].

Nephren agarrou a cabeça de Willem com os dois braços e aproximou-se de seu rosto. Ela olhou profundamente nos olhos dele.

[Você tem certeza?].

[Tenho certeza. Agora me solte, não quero que ninguém veja].

[Não é como se estivéssemos fazendo algo ruim].

[Isso não importa. O que importa é o que outras pessoas pensam disso].

[Reeeeeee-]. De repente, ele ouviu o som de alguém correndo rapidamente pela areia. [- eeeeeen!!].

Do nada, um chute forte, junto com respingos de areia, pousou em sua lateral. Assim como quando Collon ou Pannibal o atacavam de brincadeira, Willem aceitou sem tentar esquivar. No entanto, desta vez acabou por ser muito diferente. O chute, muito mais poderoso do que ele havia imaginado, derrubou-o, deixando-o no chão contorcendo de dor. O agressor de Willem, um jovem garoto... Ou não, uma jovem garota, agarrou os ombros de Nephren e os sacudiu violentamente. Willem, imóvel na areia, ergueu o rosto para dar uma olhada.

[Você está bem!? O que esse pervertido tentou fazer com você !? Ele não conseguiu fazer nada, certo!].

A recém-chegada tinha o cabelo escarlate e os olhos com um tom um pouco mais escuro da mesma cor. Willem nunca tinha a visto antes, mas sua aparência combinava com alguém de quem ele ouviu falar. Nopht Keh Desperatio, usuária da Dug Weapon Desperatio.

[Não, Nopht]. Nephren parecia um pouco desconfortável, tentou se afastar dos braços de Nopht. [Ele não é um pervertido tentando fazer coisas com garotas pequenas. Na verdade, algumas pessoas até esperavam que ele fizesse algo com garotas pequenas].

[Eu não pensei que você viria para nos resgatar. Você ainda tem um tamanho divertido como antes!].

A explicação de Nephren entrou em uma orelha e saiu na outra. Nopht, com um sorriso largo no rosto, apenas espremeu Nephren ainda mais.

[... Só faz um mês desde que você deixou o armazém. Claro que não cresci desde então].

[Mesmo? Parece que faz tanto tempo desde que eu vi você...]. Nopht de repente congelou, como se lembrasse de algo. [- Ei... você também estava naquela batalha, não estava?].

[Hm?].


[Aquela com a enorme ‘6ª Besta’].

[Ah ...]. Ainda capturada dentro dos braços de Nopht, Nephren deu um pequeno aceno de cabeça. [Eu fui e lutei].

[Chtholly lutou bravamente?].

Nephren parecia um pouco confusa. [Uh, sim, ela foi realmente corajosa].

[Ah, bem, isso é bom]. Um sorriso solitário se espalhou pelo rosto de Nopht. [Eu não sei como dizer isso... Eu realmente não gostava tanto dela e pensei que nunca seríamos capazes de nos dar bem, e isso ainda não mudou. Mas depois de chegar aqui, em uma situação em que não sei se conseguirei voltar para casa em segurança, comecei a sentir um pouco de arrependimento. Mesmo se nunca nos tornássemos amigas, mesmo que ainda lutássemos o tempo todo, queria conversar mais com ela].

Willem lentamente ergueu seu corpo da areia. Ele viu mais duas garotas caminhando ao longo da aeronave. Um rosto que Willem conhecia muito bem, e o outro que ele nunca tinha visto antes, mas correspondia à descrição de alguém que ele havia ouvido falar. Ela deveria ser a outra das duas fadas enviadas para a expedição: Rhantolk Ytri Historia, usuária da Dug Weapon Historia. Com isso, a segurança das duas foi confirmada. Willem suspirou silenciosamente.

[Deve ter sido forte, a Besta na 15ª ilha], continuou Nopht. [Não sendo capaz de ganhar sem Chtholly abrir o portão, isso não é normal. Mas você está aqui e salva significa que ela realmente fez aquilo. Ela foi e abriu aquele portão].

[Hmm...]. Uma ocorrência rara, o rosto de Nephren mostrou sinais visíveis de estar incomodada.

[Ela sempre falou sério sobre essas coisas, dizendo que precisava proteger tudo e todos. Ela sempre tentou parecer forte, mesmo que por dentro ela estivesse super assustada. Aposto que ela manteve o ato até o fim].

Talvez por causa de sua tão aguardada reunião com uma amiga do armazém de fadas, Nopht parecia estar deixando sua boca falar sem parar. Ela continuava a dizer suas palavras gradualmente tornando-se cada vez menos compreensíveis. Em breve, ela provavelmente perderia o controle do que estava dizendo a si mesma. Finalmente, uma batida no ombro vinda de uma menina de cabelos azuis, Rhantolk, a interrompeu.

[Nopht].

[O que? Eu estou ocupada agora]. Com um suspiro, Nopht parou seu fluxo interminável de palavras.

[Respire fundo].

[Hã?].

[Inspire e expire. Uma vez que você se acalmar, olhe atrás de você].

Talvez porque no fundo ela fosse obediente, ou talvez apenas porque foi Rhantolk que falou, a Nopht fez o que lhe foi dito. Ela respirou profundamente, deixou tudo para fora, depois se virou com um rosto que dizia que não tinha ideia de por que ela estava fazendo isso -.

Nopht congelou.

[... Humm...]. Um padrão de azul e vermelho flutuava ao vento. Chtholly ficou parada com um olhar desconfortável. [… Há quanto tempo?].

[Fa-].

[Fa?].

[F-Fantasma!!]. Nopht liberou Nephren de seu aperto e correu em uma velocidade extremamente impressionante considerando a areia instável debaixo de seus pés.

[E-Espera!]. Chtholly decolou depois dela, novamente a uma velocidade bastante respeitável. Ela não era suficientemente rápida para se aproximar de Nopht, mas não a deixou se afastar demais.

As duas garotas, repletas de vigor, atravessaram a casca oca de uma cidade morta, na terra vasta e morta.

[Quem você acha que vai ganhar?]. Nephren perguntou a Rhantolk.

[Vejamos... Eu aposto a sobremesa da noite em Nopht tropeçando e Chtholly pegando ela].

[Então eu aposto a mesma coisa, na Chtholly ficando cansada primeiro... Faz muito tempo, Rhantolk. Fico feliz em ver que você está indo bem].

[O mesmo pra você. Fico feliz que vocês estejam seguras. De verdade]. Rhantolk apertou a pequena palma de Nephren com a mão dela.

Enquanto ouvia a conversa ao lado, Willem observou as outras duas meninas correrem para longe.

Por ScryzZ | 03/08/18 às 12:27 | Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Drama, Protagonismo Feminino, Guerra, Tragédia, Mistério, Sci-fi, Japonesa