CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 19.1 -『DENTRO DE UM SONHO DOCE E GENTIL』- fantoches no palco -

Shuumatsu Nani Shitemasu ka? Isogashii desu ka? Sukutte Moratte Ii desu ka? (SukaSuka)

Capítulo 19.1 -『DENTRO DE UM SONHO DOCE E GENTIL』- fantoches no palco -


Parte 01 - Pai e Filha

Almaria Duffner nunca teve a chance de ver o rosto de sua mãe. Quando ela conseguiu compreender o mundo à sua volta, sua família consistia em ela e seu pai. Mas ela nunca teve a chance de conhecer bem o pai também. Ele quase nunca visitava sua própria casa. Durante o dia, ele ia ao trabalho em um negócio de troca de dinheiro e, à noite, visitava sua amante. Ocasionalmente, ele voltava ao apartamento, confirmando silenciosamente que Almaria ainda estava viva, e deixava-lhe uma quantidade mínima de dinheiro na mesa antes de partir novamente. Essa foi a extensão da comunicação entre Almaria e seu pai. Assim, a jovem efetivamente vivia sozinha, sem confiar em mais ninguém e nem dependente de mais ninguém.

Um dia, quando Almaria tinha apenas 7 anos de idade, seu pai se envolveu em algum tipo de crime e foi esfaqueado até a morte por seu cúmplice. Claro, isso significava que Almaria não podia mais morar em seu apartamento. Inicialmente, ela deveria se mudar para uma instalação operada pela cidade, mas um velho, que estava investigando o crime de seu pai, entrou. Ele afirmou que seu encontro era algum tipo de destino e se ofereceu para levá-la ao seu próprio orfanato. Os guardas e os funcionários presentes não tiveram particularmente motivos para serem contra, e a própria Almaria, ainda impressionada com a súbita mudança de eventos, não teve a compostura para expressar sua própria opinião.

O velho trouxe a menina para um edifício de madeira caindo aos pedaços.

[Esta é a sua nova casa a partir de hoje. E eles são sua nova família], disse o velho, mas o cérebro de Almaria quase não registrou as palavras.

Para a jovem, o lar significava aquele quarto de apartamento apertado, e a família significava aquele pai sempre ausente. Ela não conseguia entender que, a partir desse dia, essas duas coisas deveriam ser substituídas por lugares e rostos completamente novos.

Quando Almaria ficou confusa ao lado do velho, um jovem veio correndo até eles.

[Você tem uma nova irmã], disse o velho.

O menino olhou para a jovem e disse: [O que há com o seu rosto aborrecido?].

A menina lançou um breve olhar penetrante ao menino antes de desviar seus olhos. Ela não estava com vontade de conversar com ninguém, especialmente com um menino que a insultou depois de se encontrar pela primeira vez.

[Ei, quantos anos você tem?], Perguntou o menino.

Almaria o ignorou.

[Bem, eu acho que não importa. Ainda sou o mais velho por aqui].

Ignorado.

[Ouça, ok? Agora que você está aqui, você faz parte da família. Estou aqui há mais tempo, eu sou seu irmão mais velho].

Ignorado.

[O que há com você? Você não é divertida].

Depois de um tempo, o menino finalmente desistiu de falar com a garota e saiu. A menina deu as costas e deu outro olhar penetrante antes de voltar o olhar para o chão. Ela não queria que ele se importasse com ela. Ela não precisava de família, e mesmo se eles tentassem de repente empurrar uma para ela, ela não saberia como agir. Tudo o que eles tinham que fazer era deixá-la sozinha, e ela conseguiria tomar conta de si mesma. Ao lado dela, o velho encolheu os ombros com um suspiro.

Naquela noite, Almaria ficou doente. Parecia natural, dado sua mudança repentina de ambiente, o estresse acumulado e corpo e mente imaturas. Uma febre alta a deixou incapaz de deixar a cama. Sua cabeça parecia pesada, cada respiração doía, e a dor enchia seu peito. Em seu estado fraco de consciência, Almaria pensou que ela poderia morrer. No entanto, ela entendeu logicamente que tais pensamentos só resultaram porque sua mente estava passando por um momento de fraqueza. E, além disso, uma parte dela sentiu que seria bom mesmo se ela realmente morresse ali mesmo. Almaria nunca teve uma vontade de viver muito forte. Se sua vida só continuasse sem sentido, não seria tão ruim terminá-la mais cedo do que mais tarde.

Enquanto esses pensamentos passavam por sua mente, algo frio de repente foi colocado em sua testa. Sua consciência nebulosa não podia funcionar seus sentidos o suficiente para dizer que o objeto era uma toalha molhada, mas sentia-se um pouco agradável. Só um pouco.

[Hmph. Me ignorando, e então me faz cuidar de você].

Almaria mal podia ouvir a voz falando ao lado dela. O dono da voz, quem quer que essa pessoa fosse, frequentemente trocava a toalha em sua testa. Quando a água em seu balde ficou quente, ele saiu na escuridão fria para tirar água nova do poço. À medida que a noite passava, a consciência de Almaria desapareceu gradualmente. Sua mente poderia registrar vagamente que alguém estava sentado ao lado dela.

[Nossa, já está tão tarde], alguém disse com uma voz surpresa. [É melhor eu ir para a cama cedo, ou não vou ser capaz de acordar de manhã].

A pessoa levantou-se. Almaria não conseguiu entender o que ele estava dizendo, mas entendeu que ele estava prestes a sair. Sua mão se esticou espontaneamente, como se agisse sozinha. As pontas dos dedos fracamente agarraram a manga da pessoa desconhecida.

[... Pai...]. Sua boca também se moveu sozinha. [... Não vá, pai...].

Ela falou com uma voz tão macia e trêmula que Almaria quase não conseguia se ouvir. A pessoa que estava prestes a partir parou, perplexa. Depois de um momento, se sentou de volta ao lado dela.

[Não se preocupe. Seu pai está bem aqui. Ele não vai a lugar nenhum].

Almaria sabia que era uma mentira. Seu pai já estava morto. Mesmo quando estava vivo, ele quase não falava com ela, muito menos a consolava com palavras gentis. Ainda assim, a menina se apegou a essa mentira. Uma vez no escuro, encontrou a mão do pai e a agarrou com toda a força. Ela queria que ele ficasse ao lado dela. Ela queria depender dele. Ela queria que esse pai falso mostrasse sua bondade genuína. Em pouco tempo, as mãos quentes do pai agarraram a garota em troca.

[Pai…].

[Bem aqui].

Quando Almaria chamou, ela recebeu uma resposta. Isso a fez feliz. Quando queria que alguém estivesse lá, alguém estava lá. Talvez o próprio fato de que uma coisa tão simples pudesse fazê-la feliz trouxe-lhe mais felicidade do que qualquer coisa. Com pensamentos um tanto distorcidos correndo por sua mente, Almaria saboreou o calor envolvendo sua mão.

Poucos dias depois, o jovem de mais cedo falou sobre aquela noite para Almaria. Segundo ele, incidentes como o dela não eram incomuns. Novos membros da família muitas vezes ficavam doentes com o estresse de perder seus pais e de repente se mudando para um novo ambiente. O menino tinha visto muitos desses casos.

E, além disso, não era incomum que as crianças doentes chamassem por sua mãe ou pai. Era natural que se sentissem solitárias depois de perder todos os que conheciam e se mudando para um lugar cheio de estranhos. Seria impossível resistir sozinho. Então, quando elas estão deitadas na cama durante a noite, com seus corpos e mentes em um estado de fraqueza, os chamados para seus pais escapavam de seus lábios. Não era incomum. Todos no orfanato passaram pelo menos uma vez.

Então o menino disse à menina que não pensasse nisso como uma coisa embaraçosa ou lamentável. Ele disse a ela para se esquecer disso, e que ele também iria esquecer isso.

[… Não].

Almaria se recusou tão assertivamente que até se surpreendeu. Mas como poderia esquecer? Ela se sentiu tão quente. Tão tranquilizada. Tão feliz. Ela não poderia jogar fora uma memória tão preciosa por algum motivo estúpido como 'não é incomum' ou 'todo mundo faz isso'.

[Eu nunca vou me esquecer... Pai].

O menino parecia irritado. [Eu disse para você me chamar de irmão mais velho. Eu não quero ser pai nesta idade...], ele resmungou.

Era verdade que o menino não tinha a dignidade ou presença de autoridade característica de um pai, mas ainda assim...

[Mas Willem, você não parece um irmão mais velho].

[E eu também não pareço ser um pai!].

[Isso é diferente].

[Não, não é! Por que você continua insistindo em me chamar de pai?].

[Por quê? Bem...]. Almaria pensou um pouco. [Isso é um segredo]. Ela piscou e mostrou a língua provocando-o.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Almaria abriu os olhos.

O teto surgiu no seu campo de visão dentro da escuridão. Ela ouviu cantos de pássaros de fora da janela. Amanhecer deve estar perto, ela pensou.

[Nn...]

Parecia que ela teve um sonho muito longo, e que ela ainda não estava completamente acordada. Não foi um sonho ruim... Provavelmente. Pelo menos, não era aquele pesadelo que ela costumava ter quando era uma criança pequena. Sua cabeça estava pesada. Incapaz de pensar com clareza, ela se levantou da cama e colocou os chinelos. Então, ainda em um estado de sonho, ela saiu do quarto e caminhou pelo corredor, fazendo com que o chão de madeira debaixo de seus pés rangesse alto quando ela passava. E então…

[Ah].

Encontrou alguém deitado no sofá desgastado. Cabelo preto familiar, características faciais delicadas, um corpo esbelto...

[… Pai?].

Naquele momento, sua mente de repente clareou tudo de uma vez, como a luz do amanhecer que varre a névoa da noite. Ela se lembrou de quem ela era, e o que ela veio fazer nesta sala e o que ela precisava fazer a seguir.

[Oh não, oh não].

Com o rápido golpe de seus chinelos, ela correu de volta pelo corredor. As manhãs no orfanato eram sempre ocupadas. Havia muito que se fazer. Ela precisava abrir as janelas antes do nascer do sol, preparar o café da manhã antes que as crianças acordassem, e queria fazer esse café da manhã um pouco mais extravagante para o retorno inesperado de um determinado membro da família. O dia à frente dela estava se preparando para ser o mais movimentado em um tempo.

[Pelo menos me avise antes de voltar para casa, pai bobo].

Cedo ou tarde, ele acordaria, e as primeiras palavras de sua boca provavelmente seriam ‘Estou com fome’. Ele sempre foi assim. Ela duvidava que ele estivesse genuinamente com fome toda vez, mas sempre que o pai voltava para casa, ele pedia algo para comer, quase como se estivesse tentando compensar todos os dias que ele havia perdido.

[Bem. Vamos fazer isso].

Almaria sorriu e colocou seu avental favorito.

Por ScryzZ | 03/08/18 às 12:52 | Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Drama, Protagonismo Feminino, Guerra, Tragédia, Mistério, Sci-fi, Japonesa