CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 21.5 -『CANTOR, A LAMENTÁVEL PRIMEIRA BESTA』- um pedaço de bolo -

Shuumatsu Nani Shitemasu ka? Isogashii desu ka? Sukutte Moratte Ii desu ka? (SukaSuka)

Capítulo 21.5 -『CANTOR, A LAMENTÁVEL PRIMEIRA BESTA』- um pedaço de bolo -

Tradução: Itsuki Lonely Driver

Parte 05 - O Começo do Fim

Willem tinha algumas perguntas que queria perguntar a Navrutri. Como foram seus esforços para impedir que o iminente dia do juízo final chegasse? Eles poderiam realmente proteger o mundo a esse ritmo? Ele encontrou uma maneira de despertar todas as pessoas de seus comas?

No entanto, a caminho da Guilda, Willem percebeu que nem sabia onde encontrar Navrutri. Se ele estivesse suficientemente atento, ele provavelmente poderia encontrá-lo eventualmente, mas isso levaria tempo, e Willem não estava exatamente com vontade de um jogo de esconde-esconde.

Navrutri poderia usar a instalação de pesquisa da True World como seu esconderijo? Se assim for, encontrá-lo seria bastante difícil. Apesar do tamanho relativamente pequeno de Gomag, os aventureiros ainda não conseguiram encontrar nada. A base tinha que ser bem camuflada, ou talvez escondida no subterrâneo.

Subterrâneo. É isso! Willem tinha esquecido completamente. Havia um lugar. Uma instalação subterrânea de origem desconhecida secretamente situada sob a cidade. Ele sabia sua localização geral. Nenhuma prova de qualquer conexão entre esse lugar e a True World existia em qualquer lugar, mas dar uma olhada poderia valer a pena.

... Isso não é a realidade. Esta é uma prisão espiritual. Um mundo de sonhos arbitrariamente fabricado.

A única razão pela qual essa cidade e essas pessoas pareçam tão realistas, é para aperfeiçoar a prisão.

Nada aqui tem valor. Não, eu não devo ver valor em nada. Isso significaria enfraquecer minha vontade de escapar para a realidade. Isso seria dar um passo para se tornar um habitante permanente desta prisão.

Quando escaparmos, esse mundo e tudo nele desaparecerá. Então, não importa o que aconteça com essas pessoas, não importa para mim. Aceitei isso desde o início. Ou pelo menos eu deveria ter.

Aquela Almaria não é real. Eu ia acabar abandonando-a logo de qualquer maneira. Isso não muda o fato de que eu tinha perdido ela. Nada disso importa.

Willem tentou desesperadamente convencer-se uma e outra vez, mas nunca funcionou.

Quem se importa se ela é falsa ou real? É a Almaria. Ela me chamou de pai. Ela me pediu para ficar ao seu lado. Ela riu na minha frente. Ela chorou. Ficou brava. Ficou com nojo. Ficou mal-humorada. Foi mimada. Ela me mostrou o rosto dela. Esse rosto que eu nunca deveria ter visto novamente. Ela me deixou ouvir sua voz. Não é óbvio que eu não gostaria de perdê-la novamente?

[Willem]. Uma voz interrompeu seus pensamentos.

Olhando para baixo, ele percebeu pela primeira vez que Nephren estava caminhando ao lado dele. Seu debate interno o cegou tanto. Ele também notou que os flocos de neve começavam a se acumular no chão.

[… Desculpe. Eu estava fazendo um rosto assustador ou algo assim?]. Willem respirou profundamente e depois deixou sair.

[Você estava. Mas não é isso. Algo parece estranho].

Willem olhou ao redor, mas não viu nada particularmente fora do comum. Ele viu um caminho suavemente inclinado e escadas curtas conectando-o a várias outras calçadas. Ele sentiu o cheiro de especiarias características das áreas residenciais à noite. Nas ruas, uma agitada multidão de pessoas se apressavam para chegar em casa estavam - O que?

Ele viu algumas pessoas em pé na rua. Apenas em pé, como se estivesse enraizado no lugar. Eles vagamente olhavam em várias direções: o céu, o chão, a rua à frente. Mas seus olhos pareciam não ter um foco, quase como se fossem... Sem alma.

[... Não pode ser].

Willem correu até uma mulher que estava próxima que parecia estar a caminho de casa com suas compras. Ela simplesmente estava parada no lugar, com uma cesta de carne e vegetais ainda na mão. A mulher não parecia estar exatamente inconsciente, mas parecia ter esquecido completamente quem ela era e o que ela estava fazendo, deixando-a em estado de vazio.

Willem tentou conversar com a mulher. Ele balançou a mão na frente do rosto dela. Ele agarrou seus ombros e sacudiu-a violentamente. Não importava o que tentasse, a mulher não mostrava nenhuma resposta. Exceto, seus lábios se moviam tão ligeiramente, como se sussurrando, ou talvez cantasse algo. No entanto, mesmo que Willem se esforçasse para ouvir, ele não conseguia ouvir algum som.

[Ren].

[Nn].

Só por ter seu nome ser chamado, Nephren entendeu as ordens de Willem e começou a se mover. Ela passou por todos os outros na área, verificando suas condições um a um. Durante esse tempo, Willem rapidamente acendeu seu Venenum, então, com tanta força que seus sapatos deixaram uma marca profunda no solo endurecido, ele saltou para o céu. Quando alcançou uma altitude muitas vezes maior do que as casas circundantes, ele examinou a área.

Isto é ruim…

Incêndios surgiam em alguns lugares em toda a cidade. Ele também podia ouvir vozes de angústia e confusão andando em sua direção com o vento.

[Começou?].

Isso é muito ruim. O caos, seja lá o que for, já se espalhou amplamente, e apenas continuava a avançar a cada segundo que passava.

[Willem]. Nephren veio correndo de volta. [Eles estão todos iguais. Eles não respondem, não importa o que eu faça. Os transeuntes estão normais. Mas eles estão começando a perceber que algo está acontecendo].

Pelo que viu, Willem calculou aproximadamente a porcentagem de cidadãos já naquele estado atordoado para ser um pouco menos de 20%. No entanto, os restantes 80% estavam rapidamente perdendo sua compostura com a preocupação de ver as pessoas ao seu redor de repente cessar todo o movimento.

[Algum tipo de veneno que se espalha rapidamente?].

Não. Isso está além disso. Deve ser essa facção da True World oposta de Navrutri. Eles devem ter completado sua tecnologia para espalhar uma maldição amplamente e indiscriminadamente. Mas ainda assim... Algo está errado.

Willem não conseguia explicar muito bem, mas de repente sentiu uma certa naturalidade na situação que se desdobrava diante de seus olhos.

[Vamos voltar para o orfanato por enquanto. Estou preocupado com Almaria e os outr...].

Um grito agonizante de repente perfurou o ar.

Willem virou-se.

A mulher de mais cedo se movimentou. Ela agora estava afundando os dentes no ombro de um homem, provavelmente um parente, que se aproximou dela. O sangue jorrou. Os dentes da mulher, muito fracos para a carne que estava tentando rasgar, começaram a cair. Com puro medo e insanidade esculpidos em seu rosto, o homem se afastou do corpo da mulher, fazendo com que ela perdesse o equilíbrio e desabasse no chão.

Então, a mulher levantou-se lentamente novamente. Com sua boca manchada de sangue, onde seus dentes costumavam estar, outra coisa havia começado a crescer. Eles pareciam quase como tentáculos púrpuros azulados... Tentáculos.

[Pegue todas as pessoas normais restantes e evacue para o orfanato!]. Willem gritou enquanto começava a correr.

Ele bateu ambas as palmas diretamente no estômago da mulher, ou melhor, a coisa grotesca que costumava ser uma mulher, que estava tentando atacar novamente o homem. Bear Palm, uma técnica que ele aprendeu com o próprio Hilgram. O impacto dificilmente danificou o corpo da vítima. Em vez disso, toda a força foi enviada para o receptor voando para trás.

[O que!?] No momento em que suas mãos fizeram contato, Willem notou algo estranho. O corpo da mulher estava pesado e duro, quase como um pedaço de chumbo. [Você está bem?!].

Ignorando a dor em seus pulsos, Willem virou-se para encarar o homem. A mordida da mulher deve ter cortado uma grande artéria: o sangue jorrou rapidamente de seu ombro. Se eles não parassem o sangramento imediatamente, seria muito tarde. Willem arrancou um pouco de sua manga em pânico e correu.

[Uma música...], murmurou o homem. [Eu ouço... Uma música...]. Seus olhos começaram a perder o foco e olhar inexpressivamente para o vazio. [Um mundo cinza... Que... Nostálgico...].

Percebendo a mudança na condição do homem, Willem recuou. Isso é ruim. O fluxo de sangue do ombro do homem começou a fazer bolhas furiosamente. Como com a mulher, as coisas púrpuras azuladas começavam a crescer fora de sua ferida. O homem estava deixando de ser humano diante dos olhos de Willem.

No entanto, não surpreendeu Willem nem um pouco. Ele aceitou facilmente a transformação que ocorreu com aquele Emnetwyte. Um ser humano tornando-se não humano. A hipótese que ele nunca quis acreditar foi provada diretamente na sua frente.

[... Não...]. Nephren murmurou em choque. [Isto…].

Nephren deve ter chegado à mesma conclusão que Willem. Afinal, passou anos lutando contra elas no céu. Toda a sua vida foi criada com o único propósito de morrer em batalha contra elas. Portanto, não havia como não poder dizer. Ela reconheceu imediatamente e murmurou aquele nome.

[... Aurora... A perfurante e  penetrante 2ª Besta...].

Desperatio, a ‘kinslayer’. Um Carillon que existiu com o único propósito de ajudar humanos a matar outros humanos. A mesma espada com a qual Nopht Keh Desperatio lutou contra as 17 Bestas. Essa descoberta levou Willem a uma certa hipótese: que as Bestas não eram mais do que seres humanos remodelados.

E agora, em um sonho parecido com o passado, ele obteve suas provas.

Quanto ao resto da história, ele já sabia como isso iria acabar.

Assim como as lendas disseram, o Emnetwyte liberou, ou melhor, se transformou em Bestas, e seguida a chuva de destruição caiu sobre o mundo.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

No geral, seu corpo tinha a forma de uma corda. Se Willem tivesse que fazer uma comparação, uma cobra grande provavelmente seria a descrição mais adequada.

No entanto, desnecessário será dizer, não uma cobra. Sem cabeça e sem rabo, a criatura tinha inúmeras agulhas crescendo fora de seu corpo no lugar de escamas. As agulhas poderiam se estender e contrair livremente, às vezes agindo como cílios que impulsionavam a criatura através do ar, e às vezes agiam como lanças afiadas que perfuravam sua presa.

A Aurora, a perfurante e penetrante 2ª Besta. Elas eram uma das Bestas mais encontradas na terra, mas também conhecidas como uma das menos perigosas, devido à sua incapacidade de matar mais de uma pessoa por vez. Se um grupo de três pessoas se deparasse com uma Aurora, pelo menos uma ou duas pessoas estavam quase garantidas de escapar com suas vidas. Nenhuma das outras 16 Bestas era tão misericordiosa.

Enquanto eles se apressavam em direção ao orfanato, Willem e Nephren reuniram as pessoas que ainda não foram afetadas como podiam. No início, tudo correu bem. As pessoas responderam às suas chamadas e se juntaram a elas. Alguns tentaram atacá-los, mas nenhum provou ser ameaça.

Quando seu grupo cresceu até cerca de 20 pessoas, as coisas começaram a dar errado. Uma das pessoas seguras entre eles, um jovem, de repente começou a atacar aqueles que o rodeavam. Ele havia se transformado, mas ainda tinha a força de uma criança pequena que ele costumava ser, de modo que o suprimiram facilmente. O problema veio depois disso. O medo de saber que qualquer pessoa poderia se transformar e começar a atacar seus vizinhos a qualquer instante dividindo o grupo internamente. Ignorando as tentativas de Willem de acalmá-los, cerca de 20 pessoas se espalharam.

Quando finalmente chegaram ao orfanato, eles o encontraram vazio.

Almaria não estava lá, que deveria estar dormindo na cama.

As crianças não estavam lá, que deveriam estar trancadas em segurança dentro de seus quartos.

Os chamados de Willem e Nephren não receberam respostas. Verificaram todos os aposentos e cada armário sem sucesso. No curto espaço de tempo que eles estavam ausentes, todos haviam desaparecido. Willem tocou o colchão de Almaria, mas não conseguiu sentir nem uma gota de calor, como se ninguém tivesse se deitado lá.

[... Haha]. O corpo de Willem de repente ficou mole, e ele mal impediu que caísse até o chão. [Entendo. Quem fez esse sonho deve ser um demônio, afinal de contas. Aposto que é um Aeshma ou um Bufas. Eles finalmente estão interferindo, tentando quebrar nossa vontade...].

[Willem], Nephren disse em um tom de crítica.

[… Eu sei. Não vou desviar os olhos da realidade].

Ele verificou todas as portas e janelas, mas nenhum delas mostrou sinais de terem sido abertas. Almaria e as crianças não saíram sozinhas nem foram levadas por algum intruso. Teoricamente, um sequestrador poderia ter apagado habilmente todos os traços de seus movimentos, mas não haveria nenhuma boa razão para fazer isso.

Não, esse desaparecimento não tinha explicação em termos tão comuns. O criador do mundo dos sonhos finalmente interferiu diretamente depois de se manter tão perto da realidade o tempo todo. Seu objetivo era converter Willem e Nephren em residentes permanentes deste mundo, então eles precisariam começar a reescrever a história antes que as Bestas aparecessem e matassem suas presas. A previsão de Willem acabou por estar correta.

[Se apenas a Almaria se transformasse em Aurora... Eu não teria me importado de ser morto por ela...].

Afinal, uma vez que Willem e Nephren voltassem para o mundo real, eles simplesmente morreriam de qualquer maneira. Ele também não queria exatamente ficar preso em um mundo de sonhos pela eternidade. Se ele pudesse ter morrido pelo menos depois de proteger apenas uma promessa, sua primeira promessa, essa promessa que ele nunca conseguiu cumprir, não teria sido tão ruim. Ele não conseguiu pensar em uma maneira melhor de descartar sua vida.

[Oh espere. Mas se eu fizesse isso, significaria deixá-la para trás, Ren].

[Não se preocupe. Se você morrer, provavelmente vou morrer com você de qualquer maneira]. Nephren enrolou suavemente os dedos em volta de Willem.

[... Bem, agora não posso morrer, posso?]. Ele deu uma bagunçada no cabelo de Nephren como sempre, e como sempre ela esquivou de sua mão com um rosto irritado.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Agora, vamos resolver esse mistério. O que o desaparecimento de Almaria e as crianças significam? A resposta certamente os levaria ao último inimigo que precisavam superar.

Logo que Almaria ficou inconsciente, a cidade começou a mudar. Um por um, os moradores de Gomag se transformaram em Aurora. Mas no mundo real, o Timere, e não a Aurora, reinava sobre os restos da cidade.

Este mundo de sonhos provavelmente segurava as memórias de quase todos, ou talvez todos, os moradores de Gomag. O criador do mundo recriou a história com base nessas lembranças. Willem e Nephren eram estrangeiros neste mundo. Seu inimigo estava trabalhando para torná-los residentes permanentes.

Hipóteses. Palpites sem noção. Intuição. Coisas que viram. Ouviram. Sentiram. Willem enfiou tudo em uma grande panela dentro de sua cabeça e agitou a confusa bagunça.

Poderia ser…?

Assim que uma conclusão começou a tomar forma, a campainha tocou, seguida de batidas violentas na porta da frente.

[Almaria! Todos! Você estão seguros!?].

[Ted?].

Detendo seu pensamento, Willem ergueu os olhos e murmurou esse nome. Ele estava seguro? Um sentimento que Willem não conseguia chamar de felicidade brotou de dentro de seu peito.

[Falco! Wendel! Horace!]. Ted desesperadamente chamou os nomes das crianças enquanto ele tocava furiosamente o sino e batia na porta.

[... Bem, eu acho que não deveria deixá-lo sozinho].

[Nn]. Com um aceno de cabeça, Nephren seguiu Willem para fora da sala.

[Meanae! Dettloff! Marlies! Nanette!].

Será que ele propositadamente está deixando meu nome por último? Willem pensou quando abriu a porta.

Ted, que estava batendo a porta com tanta força com quase todo o seu peso corporal estava encostado nela, mal conseguiu evitar cair para a frente. [Willem! Você está salvo!].

[Sim, pelo menos agora].

Ted deve ter lutado através do inferno no caminho para o orfanato. Seu rosto pálido como um fantasma insinuou os muitos horrores que ele sem dúvida presenciou.

[E quanto a Almaria e os outros? Alguma coisa estranha lhes aconteceu?].

[Ah, bem, pelo menos, eles ainda não se rebelaram]. Willem assentiu vagamente.

[Oh, obrigado Deus...]. Ted parecia que estava prestes a entrar em colapso.

Willem agarrou seus braços para apoiá-lo, e disse: [Chega de conversa. Você deve estar cansado. Entre, vou fazer um pouco de chá].

[Ah, antes disso, pegue isso]. Apesar de nem ter a força para ficar sozinho, Ted conseguiu manter o sorriso dele enquanto ele segurava a grande bainha de couro que ele estava carregando nas costas.

[Um Carillon?].

[É apenas um de nível muito baixo que dificilmente exige qualificações de um brave. Eu o peguei emprestado na Guilda porque pensei que poderia ser útil em suas mãos].

Com base no que Ted disse, ele deve ter passado pela guilda antes de chegar ao orfanato. [Os caras da guilda estão seguros? E a Lucie!?]. A pergunta escapou da boca de Willem.

[... Há mais uma coisa, ou melhor uma pessoa, que eu quero que você cuide].

Sem responder, Ted virou-se. Atrás dele estava uma jovem vestida com roupas de viagem que tinha por volta uns 15 ou 16 anos de idade. Vívidos cabelos escarlates fluíam pelas suas costas, e os olhos da mesma cor encaravam seus pés desconfortavelmente.

Uma estranha sensação de déjà vu puxou de algum lugar no fundo da mente de Willem. Ele não conseguiu afastar a sensação de que ele tinha visto... Ou antes encontrado a menina em algum lugar anteriormente. No entanto, ele não conseguiu se lembrar de onde.

[Eu a encontrei nas ruas. Havia muitas outras, mas ela é a única que consegui trazer aqui com segurança], explicou Ted. [Por favor, ajude-a. Este é o único lugar seguro em que posso pensar].

[… Tudo bem, tudo bem. Apenas entre. Talvez você não possa dizer por si mesmo, mas parece que vai desmaiar].

[Não, eu estou com medo, eu devo ir agora]. Ted riu.

[O que você está falan-].

[Eu ouço uma música]. Mesmo quando as lágrimas começaram a fluir pelo rosto dele, Ted nunca deixou que o sorriso forçado se colapsasse. [Eu quero voltar para casa. Eu quero voltar para casa. Alguém continua sussurrando isso dentro da minha cabeça. Estou começando a ver as planícies cinzentas que se sobrepõem com a paisagem diante dos meus olhos. Eu não tenho muito mais tempo].

[... Ted].

[Desculpe, mas não posso entrar para o chá. Claro, eu sempre sonhei em me tornar um homem perigoso para a Almaria, mas não assim. E também, decidi que devo esperar até receber a permissão de seu amado pai. Não permitirei que esse estúpido sonho ou música esmague essa determinação].

[... Ted...].

[Agora, eu devo me desculpar]. Ted afastou as mãos de Willem e usando cada força de seus músculos, levantou-se sozinho. [Eu confio em você para cuidar do resto]. Com isso, Ted correu. Em pouco tempo, sua figura desapareceu na sombra em meio à escuridão noturna.

Willem não poderia tirar de sua mente a imagem de Ted correndo para longe. Só agora Willem percebeu o quão grande era Ted. Para proteger Almaria e uma garota que ele nem conhecia, ele escolheu desaparecer sozinho o mais longe possível. Ele deve estar cansado. Assustado. Solitário. No entanto, até seus últimos momentos, ele nunca deixou seu lado fraco se mostrar acima de sua fachada viril.

Por favor, ajude-a, Ted solicitou. Willem gostaria de honrar seu desejo final, mas como exatamente ele deveria salvar alguém em um mundo que caminhava em direção do fim? Confio em você para cuidar do resto? Você é apenas um nível 8! Por que... Por que você se esforça tanto para parecer forte...

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

A menina de cabelos vermelhos olhou para o copo de café na frente dela com uma carranca. Ou com mais precisão, ela olhou para o líquido castanho escuro que estava colocado dentro dele.

[Você não gosta de café?], Perguntou Willem.

A menina balançou a cabeça, depois voltou ao seu concurso de encarar com a caneca, sem mostrar sinais de colocá-la na boca.

[Devo colocar um pouco de leite e açúcar nele?].

A menina balançou a cabeça novamente. Então, ela parecia ter uma determinação de aço. Com o rosto de um soldado marchando para sua batalha final, ela levantou a xícara e engoliu tudo de uma só vez.

[...!?!].

O rosto da menina ficou vermelho brilhante. Depois de voltar a sua caneca para a mesa, ela cobriu a boca com as duas mãos e soltou um grito silencioso. Então, ela começou a ofegar desesperadamente, como um peixe preso em terra.

[Parece que estava muito quente], disse Nephren enquanto colocava uma xícara de leite frio na frente da menina.

A menina hesitou por um momento, como se beber o leite constituísse de alguma forma a derrota, mas logo pegou o novo copo e o bebeu. Depois de recuperar o controle de sua respiração, ela disse: [... Estava quente. E amargo].

Bem, sim…

[Você quer mais?].

[Com leite desta vez]. A menina estendeu o copo vazio, um pouco envergonhada.

Ela acabou por ser uma garota bastante estranha. Willem deduziu sua idade em cerca de 15 anos, a mesma que Chtholly. No entanto, seu discurso e comportamento deixaram a impressão de uma idade muito mais jovem, tanto que parecia ainda mais jovem do que Nephren, o que era bastante difícil de se fazer.

Ela usava roupas de viagem, mas seus companheiros não estavam à vista. Ela talvez estivesse viajando sozinha, ou talvez ela tivesse se separado deles. Considerando a possibilidade de que seus companheiros tenham se transformado em Bestas, Willem realmente não sentiu vontade de perguntar.

E mais do que qualquer coisa, ela olhava fixamente. Quando seus olhos não estavam ocupados com a caneca de café na frente dela, eles olhavam para Willem, olhando fixamente como se estivessem tentando olhar dentro de sua mente. Quando ele mostrou sinais de perceber, a menina ficou nervosa e rapidamente cortou o contato visual. O olhar não era amigável, mas Willem também não detectou qualquer hostilidade nele. Se ele tivesse que analisá-lo, ele colocaria isso em uma proporção de 6: 4 de curiosidade para cautela.

[Há alguma coisa na minha cara?], ele perguntou a Nephren, que balançou a cabeça.

Hmm... Talvez eu realmente a conhecesse de algum lugar anteriormente? Willem percorreu sua carreira como um Quasi Brave em sua mente, mas nada veio. Além disso, ele não achava que ele iria esquecer se ele viu alguém com um cabelo escarlate tão vívido.

......

Cabelo escarlate. Uma imagem de Chtholly flutuou fora de sua memória. Ao perder suas lembranças, um vermelho vívido tomou gradualmente o cabelo dela. Talvez fosse apenas devido à luz instável do fogão, mas o escarlate na menina sentada diante de seus olhos parecia se parecer muito com o vermelho de Chtholly. Esse era o culpado por trás de seu sentimento de déjà vu?

[... Hu-um]. A menina olhou para cima. [Você é... O verdadeiro Willem, certo?].

[Hm? Ah, sim]. A súbita questão o surpreendeu, mas ele conseguiu responder. [Eu não acredito que sou famoso... Você me conhece de algum lugar?].

A menina assentiu.

[Ah, Ted te contou sobre mim?].

A menina balançou a cabeça.

[Eu vi você em um sonho. Era um pouco curto, mas... Bonito...  Doce].

[... Ha...].

O que é isso, algum tipo novo de cantada? Certamente, o amor que se forma entre um homem e uma mulher em uma situação extrema de vida ou morte tinha sido uma metáfora comum por algum tempo, e eles estavam, sem dúvida, em uma situação extrema. Mas, bem, considerando a idade da menina, Willem não conseguiu entrar em um humor, mesmo um pouco romântico.

[Posso te perguntar uma coisa?], perguntou ela.

[O que?].

[Você se lembra de Lillia?].

Claro, sendo uma Regal Brave, a fama de Lillia Asplay ultrapassou Willem, então fazia sentido que a garota conhecesse seu nome. No entanto, ele achou estranho que a garota de repente colocar Lillia no assunto, além disso, a palavra ‘lembrar’ em vez de ‘conhecer’ parecia estranha.

[Claro], ele respondeu vagamente. [Por que você pergunta?].

[Porque ela é uma pessoa importante], respondeu a menina. [Lillia é meu ídolo. Ela é forte, aplicada e legal].

Willem lutou contra a tentação cair na gargalhada. Por ser ela o Regal Brave, símbolo da luta da humanidade contra as outras raças, a Igreja sempre glorificou seus atos. Ela era tão esmagadoramente forte que poderia derrotar um dragão de uma só vez. Ela era tão gentil e nobre que não podia abandonar os fracos e necessitados. Ela era tão bonita em sua armadura que hordas de Borgle se reverenciariam diante dela. Etc., etc.

Claro, Willem sabia a verdade. Ela demorou cerca de metade do dia para derrotar um dragão, ela não era burra o suficiente para estragar suas prioridades apenas por alguns fracos, e ela só usou a armadura da Igreja uma vez antes de gritar ‘muito apertado!’. E enviá-la de volta. A Lillia que Willem conhecia era intransigente, grosseira, selvagem e mais do que nada, livre.

[E também um Brave*, no sentido mais verdadeiro da palavra]. A menina continuou o louvor de Lillia enquanto Willem percorria suas memórias. [Ela amava alguém, mas ela escondeu esse sentimento. Para deixar essa pessoa ser feliz, ela desistiu de sua própria felicidade. Ela foi sem hesitação a uma batalha onde sabia que ela iria morrer. Quando eu vi Lillia, eu aprendi que tipo de criaturas os humanos são].

[Oh? Bem, isso é bom].

A frase da menina parecia um pouco estranha em algumas partes. Ela conheceu Lillia em algum lugar e fofocou sobre amor ou algo assim? Lillia fofocando sobre amor... Willem quase explodiu em risos de novo.

[Eu queria ser como ela. Essa foi a minha última aspiração. Quando eu morri e me dispersei, acho que esses sentimentos devem ter permanecido].

[Do que você está falando?].

[Ah...]. Como se estivesse saindo de algum estupor, a cabeça da menina de repente sacudiu. [Nada. Não é nada, então esqueça o que eu disse. Mas lembre-se apenas um pouco].

Então, o que você quer que eu faça...

[... Quem é você?] Nephren perguntou. [Por algum motivo, olhando para você, não consigo manter a calma. Me parece estranha].

[... Provavelmente é apenas a sua imaginação. Penso que seria melhor não pensar muito sobre isso], disse a garota, depois engoliu o último café, que agora era cerca de 70% de leite.

[Sente-se melhor agora?], perguntou Willem.

[Sim], ela respondeu com um aceno de cabeça.

[Bem. Desculpe, mas você se importa de vigiar um pouco a casa?].

[Eh?]. A menina parecia confusa.

[Nós temos que sair um pouco]. Willem olhou para Nephren. [Enquanto estivermos fora, eu quero que você fique aqui. Posso contar contigo?].

[Aonde você vai?].

[Há alguém que precisamos encontrar. Nós vamos esmagar aquele lugar e derrubar aquele jardim em miniatura enquanto nós estivermos nisso].

[Então eu irei também].

[Não, é perigoso. O orfanato é seguro... Bem, não posso exatamente dizer isso, mas é mais seguro no mínimo. Desde que aquele pirralho me pediu para ajudá-la, não posso expor você ao perigo].

[Você vai voltar aqui? Você pode prometer?].

Willem e Nephren logo partiriam para enfrentar o criador deste mundo. Eles teriam sucesso, destruiriam o sonho ou faleceriam e pereceriam. De qualquer forma, eles nunca retornariam. Willem nunca poderia cumprir a promessa da menina.

[Desculpe, não posso fazer isso].

No começo, ele pensou em simplesmente dizer que sim. Afinal, eles nunca mais encontrariam a garota novamente, então, qual seria a diferença? No entanto, no final, ele não conseguiu dizer isso. Ele não conseguiu repetir o que fez anos atrás no mesmo orfanato.

Willem agarrou o Carillon apoiado contra a parede e jogou-o para Nephren. Dindrane, um modelo produzido em massa. Embora tenha ficado a poucas posições abaixo da Insania de Nephren, ela era vangloriada por ter um desempenho e estabilidade decentes, o que lhe valeu uma grande reputação entre os Quasi Braves medíocres incapazes de usar espadas melhores. A obra-prima das oficinas da capital.

[Devo realmente ser a única que segurando isso?]. Nephren perguntou.

[Eu posso lutar um pouco com as mãos nuas, mas você estaria indefesa, certo?]. Willem perguntou, e ela assentiu ligeiramente em resposta. [Bem, então vamos continuar]. Virando as costas para a menina de cabelo vermelho, ele saiu pela porta.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

[Não havia algo que você queria falar?] O peixe voador apareceu do lado de fora e enrolado em torno da menina escarlate. [Você finalmente conseguiu conhecê-lo. Você poderia ter flertado um pouco mais].

[Não]. A menina sacudiu a cabeça. [Eu não sou a única com uma queda por Willem. Eu não gostaria de um cara tão imperfeito].

[Você realmente é teimosa... Oh bem]. O peixe continuou a circular em torno da menina. [Você não deveria ter ido com eles, mesmo que isso significasse revelar sua identidade? Nosso objetivo é quase o mesmo que o deles. Eu acho que alguma cooperação teria beneficiado a todos].

[...].

[Mesmo que ele te odeie enquanto você continuasse insistindo, ele não é o tipo de perder de vista suas prioridades. Eu acho que tivemos uma chance justa de obter sua ajuda].

[Provavelmente].

[Então, por que você não pediu?].

[... Eu não sei]. Enquanto ela falava, a garota olhou pela janela para a direção onde Willem e Nephren correram. [Quando ele me disse que eu não poderia ir com eles, por algum motivo, isso me deixou um pouco feliz].

[Hmm... Entendo... É isso].

[O que?].

[Oh nada. Parece algo que você faria, só isso], disse o peixe com um suspiro. [Por sinal, como foi o seu primeiro café preto?].

[Quente], a menina respondeu imediatamente.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Nephren voou através do céu com suas asas ilusórias, enquanto Willem pulava de telhado em telhado com suas pernas fortalecidas com Venenum. Abaixo, podiam ver hordas de Aurora vagando pelas ruas.

[O criador deste mundo é uma Besta, não um demônio], disse Willem ao enviar telhas voando. [Até apenas alguns minutos atrás, essa Besta não existia neste mundo. Era um humano ainda não transformado. É por isso que nunca interferiu diretamente com nós, e também porque não conseguimos encontrá-lo, não importa o quanto nos esforçássemos para procurar].

[Mas, este dia chegou finalmente a este mundo. A maldição espalhada entre as pessoas começou a transformá-las em Bestas. Foi quando o criador começou a agir. Almaria desapareceu porque o criador precisava dela].

Eles podiam ouvir gritos lá de baixo. As pessoas ainda estavam vivas, embora, em breve, nenhuma delas continuaria viva.

[... Eu realmente não entendo], respondeu Nephren.

Willem previu isso. Afinal, ele mesmo não entendia a situação com precisão. Ele estava simplesmente tentando amarrar todas as pontas soltas em sua mente de uma maneira que parecia plausível. Nenhuma lógica profunda nem convicção apoiavam suas palavras.

[Bem, não se preocupe com isso por enquanto. O que é importante é que este mundo esteja recriando os eventos que aconteceram na realidade 500 anos atrás de forma relativamente fiel. Nossa realidade é 500 anos no futuro deste mundo. Em outras palavras, o que sobreviveu 500 anos na realidade deveria estar aqui neste mundo, agora].

Willem pousou em cima da torre da igreja, onde tinha uma boa vista da praça central.

[Aqui?]. Nephren pousou ao lado dele.

 

[Sim, em termos de coordenadas, deveria estar aqui].

[Eu não vejo nada]. Nephren olhou em volta, mas só viu monstros hediondos vagando. [Não está no meio de todas essas Bestas, não é?].

[É claro que está], respondeu Willem.

Ele preparou os punhos... Ou tentou, mas sentiu uma estranha resistência em seu corpo. Ele sabia muito bem o que significava essa dor. O sonho deve estar chegando ao fim. Na realidade, ele não era mais que um cadáver que não estava totalmente morto. Seus ossos foram quebrados, tendões cortados, órgãos disfuncionais, carne rasgada em pedaços e, além disso, o uso excessivo de Venenum secou sua própria força vital. O seu eu no mundo de sonhos começou a alcançar a realidade. No entanto, ele ainda tinha um pouco mais de tempo. Depois de uma respiração profunda, ele preparou os punhos novamente.

[Siga-me], ele disse, então pulou.

A caminho, ele usou o campanário da igreja para pegar impulso e acelerar ainda mais. A uma velocidade muito mais rápida do que uma queda livre natural, ele despencou em direção à pequena fonte quebrada no meio da praça. Então, o punho atingiu o chão. Radiant Dragon Menace. A habilidade capaz de produzir poder destrutivo suficiente para dividir a terra e esmagar uma cachoeira.

Acima, o sino da igreja movia-se para frente e para trás devido ao impulso de Willem, tocando alto cada vez. Depois de uma breve pausa, a pavimentação que cobria as ruas fraturou-se e começou a entrar em colapso nas profundezas abaixo.

Na mosca. A misteriosa instalação sob o que costumava ser Gomag que ele explorou com Grick e Chtholly. O último lugar em Gomag, que não foi visto pelos aventureiros, nem por mais ninguém, até sua descoberta 500 anos depois pela expedição de Règles Ailés.

Ai. Quando usado por alguém que não possuía a habilidade adequada para conter a imensa corrente de poder, Radiant Dragon Menace causava uma contração desagradável. A pele do punho direito revelou algumas veias, e seus ossos pareciam instáveis. Mas, ele ainda podia se mover.

[Por aqui!].

Deixando a Aurora que se aproximava para Nephren lidar com ela, Willem saltou para a escuridão abaixo.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Alguns problemas necessariamente afligiam instalações subterrâneas, a primeira era a iluminação e a segunda era a circulação do ar. Sem luz solar, o fogo torna-se a única outra opção, mas o fogo dificulta demais a respiração. A necessidade de ar fresco, exigia uma grande janela, o que tornaria a instalação mais fácil de se encontrar. Como resultado, bases secretas subterrâneas nunca foram muito práticas.

Em Règles Ailés, eles poderiam usar lâmpadas de cristal...

Pensamentos inúteis passavam pela cabeça de Willem, mas, para resumir, estava escuro. Muito, muito escuro. Ele também nunca aprendeu nenhuma técnica conveniente de visão noturna ou feitiços de iluminação. Além disso, ele não teve muita experiência explorando labirintos, que a instalação subterrânea lhe lembrava. Poderia parecer tão legal quando ele saltou para frente, mas, infelizmente, ele realmente não tinha um plano.

Ao lado dele, Nephren acendeu uma pequena quantidade de Venenum e passou por Dindrane, fazendo com que as fissuras da lâmina brilhassem levemente.

[Devo torná-lo mais forte?].

[Não, isso é suficiente].

O poderoso Carillon, a última esperança da salvação da humanidade, sendo usada como uma tocha. Willem agora percebeu que eles deveriam ter trazido uma tocha de verdade, mas ele não estava pensando nos pequenos detalhes anteriormente. Se Grick estivesse com eles, ele definitivamente iria zombar Willem.

Ele abriu uma porta próxima e deu uma olhada ao redor na penumbra. Simplificando, era uma sala bagunçada. Montanhas caóticas de papel enterraram todas as escrivaninhas, todas as prateleiras e praticamente todos os pontos vazios no chão. Os inúmeros documentos, que incluíam relatórios de pesquisa e memorandos rabiscados, pareciam afirmar esmagadoramente sua presença.

Isso me lembra de uma certa sala de referência, pensou Willem.

Ele tentou procurar outro caminho para frente sem sucesso. Se necessário, ele poderia forçar seu caminho para frente esmagando outro chão ou parede ou algo assim. No entanto, Aurora poderia estar espreitando em qualquer lugar, e sua mão direita ainda doía, então, isso implicaria grandes riscos.

[... Isto...] Nephren pegou um pedaço de papel. [Material de pesquisa?].

[É provavelmente sobre como fazer a maldição que transforma humanos em Bestas, certo?].

[Nn... Eu não acho que seja isso].

Ao ouvir a resposta duvidosa de Nephren, Willem tomou o papel. Nossa, melhore sua caligrafia.

[... O que são os Visitantes?].

Hã? Obviamente, os Visitantes eram os Visitantes, simples assim. Há muito tempo, eles preencheram o grande vazio criando o mundo. Eles espalharam verde exuberante em toda a terra, encheram os oceanos de água e deram origem aos humanos e outras raças. Então, eles dividiram suas almas entre os humanos e desapareceram.

Ainda no outro dia, o último visitante sobrevivente acordou de repente e, por algum motivo, tornou-se hostil à humanidade, junto com seus subordinados, o Poteau. Willem e os outros conseguiram derrotá-los depois de muito sacrifício, então isso e aquilo aconteceram até o presente.

[Os visitantes não criaram o mundo. Eles simplesmente o alteraram]. Oh? Bem, isso é um culto religioso para você. [Este mundo já existia antes de visitarem. Os seres, embora não exatamente vivos, existiam. Mas quando os visitantes vieram, eles não gostaram do que viram. Então eles amaldiçoaram o mundo e tudo dentro dele].

Espere, espere, espere. Nunca ouvi isso antes.

[... Willem?]. Nephren perguntou.

[Não é nada]. Ele jogou o memorando de lado. [Um teólogo poderia dar uma risada, mas não tem nada a ver conosco neste momento].

Quando ele olhou ao redor das montanhas de papel mais uma vez, o choque de uma espada de repente atingiu os ouvidos.

[Willem].

[Eu escutei isso].

Não veio de tão longe dali. Ele poderia claramente identificar a direção da origem do som. No mínimo, alguém estava lá. E mais do que provável, alguma coisa estava lá também. Eles saíram da sala e entraram na escuridão mais uma vez.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

As asas amplamente espalhadas de Nephren proporcionaram iluminação suficiente para correr com segurança pelos corredores. Ao longo do caminho, eles vislumbraram inúmeras placas que diziam ‘sem grafite!’ Presa nas paredes. Elas pareciam ser ineficazes, no entanto, como equações, maldições e todos os tipos de outras escritas ameaçadoras enterraram os espaços em branco entre eles.

Os seres humanos cresceram demais. A maldição inicial atingirá seu limite.

O Emnetwyte não deveria ter surgido. Sua criação foi o primeiro e maior erro dos visitantes.

Willem olhou brevemente para algumas palavras enquanto passavam.

Visitantes! Por que você criou os humanos?

Veja o que sua saudade provocou nesta terra! Veja o que roubou!

Gritos de agonia escritas em caligrafia desleixada cobriam as paredes.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

A primeira coisa que notaram foram montanhas de Aurora, ou, com mais precisão, montanhas de cadáveres de Aurora. Em seguida, viram Navrutri sentado de costas contra a parede próxima.

[Ei...]. Navrutri, que provavelmente sentiu a luz se aproximando, olhou para cima. Seu mesmo velho sorriso se espalhou por seu rosto, mas desta vez não carregava sua vida habitual. [Eu estava pensando quem estava vindo. Como você achou esse lugar, Willem?].

Um vermelho escuro manchava o corpo inteiro de Navrutri abaixo de seu peito. A carne no estômago não era mais do que um grupo horrível de sangue e entranhas, provavelmente como resultado de ser mutilado e perfurado por inúmeras agulhas. Ele claramente não tinha muito mais tempo.

Willem adivinhou que seu Carillon, Lapidem Sybilus, era a única coisa que o mantinha consciente. Os Carillons de classe de elite tinham todos os seus próprios talentos especializados. O Lapidem tinha a capacidade de manter vigorosamente a condição física e mental do usuário, desde que permanecesse ativado. No entanto, não podia curar feridas abertas ou parar sangramentos. Não poderia fazer nada diante da morte inevitável.

[A velha maldição desapareceu. Precisamos curar a humanidade mais uma vez. Mas não conseguimos. Obtivemos o cadáver de um deus. Nós destruímos a alma em pedaços. Mas ainda assim, não conseguimos recriar a maldição dos visitantes].

[Ei... Navrutri!?].

A luz de Lapidem Sybilus começou a desaparecer. O Venenum de Navrutri começou a diminuir.

[Nós não podemos fazer isso sozinhos... Nós precisamos... A sabedoria... do 'Foreigner'...].

Seus olhos já não olhavam para Willem. Seu olhar ficou fixo em algum lugar distante.

[Mas... Estamos sem... Tempo...].

A mão que Navrutri tinha levantado caiu no chão. Seu rosto barbudo, aquele rosto que sempre levava a sua assinatura, um sorriso de piadista, torcido em uma expressão de dor e sofrimento antes de enrijecer.

[O que você está dizendo de repente? Eu não entendo...]. Não foi possível controlar suas emoções, Willem começou a lançar insultos naquele corpo sem vida. [O que você está fazendo!? Você não pode morrer agora! Você não pode falhar agora! Se você quer nos salvar, termine o trabalho! Você é um Brave, não é? Esse é o seu dever!].

[Willem].

Ele apertou os punhos. Ele queria dar a Navrutri um último golpe, mas depois de levantar o braço, desistiu. Em vez disso, ele pegou Lapidem Sybilus.

[Qualquer batalha que vocês estavam lutando, não importa mais. O resultado foi decidido 500 anos atrás, e não podemos fazer nada para mudar isso. Mas…].

Willem acendeu seu Venenum. A classe alta do Lapidem Sybilus não o aceitou. As rachaduras ao longo de sua lâmina se abriram tão ligeiramente, e a luz se apagou, mas nada mais. Em suas mãos, não era mais do que uma espada grande e brilhante, e não um Carillon forjado para ajudar a humanidade a se deparar com inimigos que o superaram demais.

[Devo empunhá-la?], perguntou Nephren.

Willem balançou a cabeça e virou-se para enfrentar o caminho à frente.

Entre a escuridão envolvente da instalação subterrânea, ele viu os fracos raios de luz que brotavam da porta ao lado.

Por ScryzZ | 03/08/18 às 13:47 | Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Drama, Protagonismo Feminino, Guerra, Tragédia, Mistério, Sci-fi, Japonesa