CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 24.2 - 『O NEVOEIRO NO CÉU』- sonetos incompletos -

Shuumatsu Nani Shitemasu ka? Isogashii desu ka? Sukutte Moratte Ii desu ka? (SukaSuka)

Capítulo 24.2 - 『O NEVOEIRO NO CÉU』- sonetos incompletos -

Tradução: Itsuki Lonely Driver

Parte 02 - O Que Era Uma Vez Nephren

Cutuca, cutuca, cutuca.

Ela sentiu algo pequeno e macio repetidamente cutucando suas bochechas. Extremamente cansada sem motivo aparente, ela queria dormir um pouco mais.

[Ei acorde].

Cutuca, cutuca, cutuca, cutuca.

Como ela ignorou, o cutucão só acelerou. Suas bochechas saltavam para cima e para baixo. Não doía, mas com certeza era irritante. Ela rolou, tentando afastar o incômodo.

Um pequeno respingo soou nas proximidades.

[Vamos lá, você pode pelo menos acordar?].

Cale a boca e vá embora! Eu já disse... Ou talvez ela ainda não tivesse dito nada ainda, mas de qualquer forma, ela estava cansada. Ela queria dormir mais, muito mais.

[Se você continuar dormindo aqui, você vai pegar um resfriado, sabia?].

Agora que esse incômodo mencionou isso, percebeu pela primeira vez o frio que a cercava. Parecia que todo o seu corpo estava encharcado com água gelada. Não era um sentimento muito bom. Ela queria um cobertor macio e um travesseiro quente.

Com pensamentos de cama confortável passando por sua cabeça, Nephren lentamente abriu seu -

Destrua, destrua, destrua, destrua, destrua, destrua, recuperar -

[- Ah!?].

Oprimida pelos impulsos súbitos destrutivos que ameaçavam arrebatar sua consciência, ela fechou os olhos novamente em pânico. A tempestade dos impulsos diminuiu gradualmente. O que é que foi isso? O medo racional tomou lugar da torrente irracional de emoções de Nephren. Alguma coisa desconhecida tinha chegado dentro dela. Ou não, mais como ela mesma tinha mudado para algo desconhecido.

[Nossa, olha o que aconteceu com você], disse uma voz desconhecida. Parecia que pertencia a uma mulher de meia idade.

[… Quem é você?].

[Vamos falar sobre isso mais tarde. Antes de qualquer coisa, tente abrir apenas seu olho direito].

[Mas…].

[Está tudo bem. Confie em mim].

Nephren sabia que não podia confiar em estranhos, mas não detectou qualquer hostilidade na voz, e ela certamente não conseguiria ficar tremendo e com os olhos fechados para sempre. Preparando-se para o pior, ela cautelosamente fez como a voz lhe disse. Pouco a pouco, seu campo de visão se ampliou. Bem na frente dela, um peixe escarlate flutuava.

[... Hum...].

[… Você está bem? Você consegue enxergar?].

[Meus olhos estão danificados. Parece que um peixe está voando por aí].

[Oh, então seus olhos devem estar normais. Olha, você pode ver minhas belas escamas, certo?].

O peixe realizou um salto mortal no ar. Suas escamas vermelhas e prata brilhavam intensamente. Como prometido, eles fizeram uma visão fantástica e linda.

Quanto a aqueles estranhos impulsos de antes, eles não haviam desaparecido completamente, mas pareciam estar muito mais silenciosos. Os constantes desejos atormentando a parte de trás da mente eram irritantes, mas não um grande problema.

Onde estou? Nephren deu uma olhada em volta. Paredes sujas a cercava em todas as direções, elevando-se ao céu como penhascos. Um lago raso de água limpa havia se acumulado sob seus pés, submergindo cerca de metade de seu corpo. Muito acima, uma grande rachadura percorria o teto, expondo o céu azul além.

[Nós caímos de lá?]. Nephren perguntou.

[É o que parece], o peixe respondeu.

[Está frio], disse ela com um arrepio.

[Eu disse que você iria pegar um resfriado dormindo assim... Bem, você provavelmente não terá que se preocupar com isso pelo resto de sua vida]. O peixe estranho disse algumas coisas estranhas.

[O que você quer dizer com isso?].

[Bem... Vamos falar sobre isso mais tarde. Primeiro, vamos procurar uma saída. Ficar aqui para sempre não seria muito divertido, e estou começando a perder o sol. Esta área estava originalmente cheia de buracos, e o terreno deve ter ser frágil. Foi assim que esse grande buraco surgiu. Se tentarmos todos esses caminhos, tenho certeza que vamos sair eventualmente].

[Nn...].

Com o olho esquerdo mantido bem fechado, Nephren inflamou Venenum. Brilhantes asas cinzentas brotaram de suas costas. O Venenum fez o seu trabalho sem problemas, ou talvez até mais suave do que o normal. O corpo de Nephren flutuou no chão.

[... Ei, por que você não disse me disse antes que poderia voar?]

[Eu vou na frente].

Com um bater de suas asas ilusórias, Nephren decolou para a superfície.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Por que ainda estou viva? Nephren se perguntou. Naquela batalha no Plantaginesta, ela recebeu feridas fatais e caiu no chão. Então, nos poucos segundos antes de sua morte, ela e Willem ficaram presos em algum mundo estranho de barreira. Quando eles finalmente destruíram esse mundo, ela saltou para aquela coisa preta estranha que engoliu Willem, e cerca de metade entrou nela.

Não importa como ela pensasse sobre isso, qualquer fada normal teria morrido cerca de 3 ou 4 vezes durante todo esse processo. E Nephren Ruq Insania, sem habilidades especiais como alguém como Chtholly, era uma fada muito normal.

Olhando para o corpo dela, Nephren viu que o uniforme do exército estava esfarrapado e quase não parecia sua forma original, mas não havia feridas. Dado o curto período de tempo que aconteceu e a gravidade dos ferimentos que ela teve durante a batalha, uma recuperação natural teria sido impossível. Parecia mais provável que de alguma forma sua consciência tivesse se mudado para um novo corpo. No entanto, ambas as explicações pareciam absolutamente ridículas.

Em pé na superfície do solo, Nephren notou a falta de vento. Olhando para cima, o mesmo céu azul que viu em Règles Ailés a cumprimentou. No entanto, ao contrário de Règles Ailés, uma planície cinza se esticava em todas as direções, tanto quanto seu olho podia ver.

[... Realmente não há nada aqui...], disse o peixe flutuando ao lado dela.

Ignorando seu companheiro, Nephren procurou a figura de um certo alguém, mas sem resultado.

[Willem não está aqui].

Eles estavam juntos o tempo todo. Quando eles entraram na ilusão, e quando eles a destruíram, Nephren sempre esteve dentro dos braços de Willem. Mesmo que algum tipo de impacto tivesse afastado Nephren, não poderia ter colocado tanta distância entre eles.

[Eu não vejo minha companheira em nenhum outro lugar. Seu corpo ainda não está em condições de se mexer... Eu me pergunto para onde ela desapareceu].

Passando para o seu lado, Nephren examinou o peixe estranho mais uma vez. Grande. Essa foi a primeira palavra que surgiu em sua mente. Embora não seja grande o suficiente para engolir Nephren completamente, o peixe certamente poderia estrangular Nephren até a morte se ele se enrolasse em volta dela. Desnecessário será dizer que os peixes geralmente vivem na água. Ela já tinha lido livros sobre peixes voadores anteriormente, mas todos eram pequenos peixes que nadavam pelo ar em grupos. Ela nunca tinha ouvido falar de um peixe voador tão grande antes, e muito menos um peixe que falava.

[... Então, quem é você?].

[Hmm... Eu acho que é hora de me apresentar. Meu nome é Carmine Lake. Como você pode ver, eu sou o Poteau que governa os ventos e a chuva].

[… Hã?].

Poteau. Nephren tinha lido sobre eles em um livro antes. Eles eram deuses que serviram os Visitantes e os responsáveis pela criação direta do mundo. Em outras palavras, seres muito poderosos. No entanto, ela não aceitou isso imediatamente. Quero dizer, se alguém de repente lhe dissesse que ele era um deus, provavelmente você ficaria pelo menos um pouco hesitante em acreditar nele. Além disso, ‘como você pode ver?’ Tudo o que Nephren podia ver era um peixe suspeito falante e voador. Certamente, o peixe não era normal, mas também não podia sentir uma espécie de ar divino sobre ele.

[Entendo…].

[Sim].

O peixe dançou alegremente.

[Oh, mas não tenha ideia errada ou nada do tipo. Eu nem sempre fui assim. Eu costumava ter uma forma física super bonita, graciosa e magnífica].

Ignorando o rosto totalmente desinteressado de Nephren, o peixe continuou.

[Eu perdi isso há cerca de 500 anos atrás. Desde então, não posso manter minha presença sem residir na consciência de alguém. Eu fui reduzido a esta forma ilusória lamentável].

Forma ilusória. Nephren nunca tinha ouvido o termo antes, mas ela podia entender o que significava.

[Então, em outras palavras... Esse seu corpo não é real?].

[Correta. Só você pode me ver, e só você pode ouvir minha voz. Bem? Você não se sente sortuda por ter privilégios tão exclusivos?].

[... Nem tanto].

Em primeiro lugar, já que ninguém parecia estar por perto, essa exclusividade não tinha exatamente nenhum significado.

[Então, por que um deus está flutuando em volta de mim?].

[Sim, é exatamente sobre isso que precisamos falar!].

O peixe levantou a voz e bateu as barbatanas da cauda.

Irritante.

[Eu tinha uma anfitriã adequada antes de você. Eu estava com ela o tempo todo dentro daquele mundo da barreira].

Mundo de barreia. Aquele eterno jardim em miniatura que Almaria, o Cantor, criou capturando cada residente de Gomag dentro dele.

[Mas então, vocês chegaram e derrubaram o mundo de barreira. O impacto naquele momento me deixou fora da consciência da minha anfitriã. Além disso, a perdi de vista...].

[Eh…?].

[Por um segundo, entrei em pânico, pensando que eu simplesmente desapareceria, mas depois te encontrei próxima. E então foi assim que acabei com você].

Espera um pouco... Aquele mundo era uma prisão, e uma prisão especial, aprisionando um grande número de Emnetwyte. Levando isso em consideração, este auto proclamado Poteau também estava preso, particularmente não surpreendia Nephren. Contudo…

[Quanto tempo você estava lá?]. Nephren perguntou.

[A muuuito tempo].

[Se você já perdeu seu corpo físico, quando sua consciência foi tirada da barreira, você não deveria ter sido capaz de sobreviver].

[Mhm, é por isso que eu estava num aperto antes de encontrá-la].

[Não, isso não. Você disse que tinha uma anfitriã. Ela está bem?].

[Nossa, preocupando-se com alguém que você nunca conheceu? Você é tão gentil. Ou poderia ser que você percebeu que minha anfitriã não é uma estranha completa para você?].

Eu acho que este peixe está perdendo o foc- Espera, o quê? As palavras surpreendentes do peixe fizeram com que Nephren acidentalmente abrisse o olho esquerdo levemente.

Destruir, destruir, destruir, destruir, destruir-

[Agh...].

Ela o fechou imediatamente. No entanto, mesmo para uma fração de segundo, uma dor aterrorizante permanecia em sua cabeça, como se alguém a tivesse golpeado com um martelo gigante. Ela se agachou na areia e suportou a agonia.

[Tenha cuidado, ok? Um movimento errado e ela poderia sequestrar você], advertiu o peixe.

[… O que você quer dizer?].

[A alma do Cantor provavelmente está dentro de você, semelhante a como eu estou dentro de você. Bem, as Bestas realmente não têm um ego, então é mais como um pacote de desejos e impulsos].

Desejo. Impulso. Nephren certamente sentiu aqueles que estavam furiosos dentro dela.

[Eu me tornarei uma Besta como aqueles Emnetwyte?].

[Ah... Não, provavelmente não. Mesmo que não seja uma forma física, estritamente falando, seu corpo ainda é fundamentalmente seu].

[Fundamentalmente?].

[Seu corpo está tão perto do nível do corpo de um ser humano - Como depois de tantas reencarnações, mas não se tornou completamente humano. Então, mesmo que sua mente fique perturbada, não acho que eles possuam o seu corpo. Provavelmente].

... Não entendi.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 Depois de caminhar um pouco, eles tropeçaram nos vestígios de um acampamento. Um anel de pedra cercava uma pilha de lenha queimada. De lado estavam várias caixas de madeira e latas semienterradas na areia.

[Que grupo grosseiro de turistas. Esta terra não é uma lixeira], comentou Carmine Lake, casualmente.

 Nephren tinha começado a perceber que não precisava acompanhar a conversa fiada do peixe.

 Essas ruínas provavelmente marcaram o acampamento de alguns salvagers. Talvez eles desenterraram mais tesouros do que o esperado em sua expedição e acabaram tendo que abandonar a carga desnecessária da aeronave. Nephren pegou uma lata próxima. Era pequena o suficiente para que ela pudesse carregá-la com um braço. Seu conteúdo já havia sido esvaziado. Do lado, a areia já havia desgastado a escrita, mas Nephren ainda conseguia distinguir as letras.

 'Provisões do exército Padrão Tipo L7- M'

[Provisões do exército...].

Por um momento, a possibilidade de que as ruínas pertencessem à Plantaginesta atravessaram a mente de Nephren. No entanto, ela logo desconsiderou. Depois que a aeronave partiu, o Cantor apareceu. Na presença de tal poder, o poder de transformar qualquer coisa e tudo em areia, meras latas não teriam sobrevivido. O acampamento teria que ser algum momento depois que Willem matou o Cantor e quebrou o mundo de barreira.

 [Por quanto tempo eu dormi no subsolo?]. Nephren perguntou.

[Cerca de 10 dias], o peixe respondeu casualmente.

[... Ainda não estou com fome].

[Bem, a presença de uma Besta perpétua está dentro de você. Seu corpo só não foi tomado ainda].

 Outra resposta casual.

[Hmm... Agora mesmo, você se transformou em uma Besta um pouco. Não envelhece e perpétua... Pense sobre isso dessa forma, deve ser mais fácil de entender, certo?].

 Certamente, isso tornou muito mais fácil para Nephren entender por que ela não estava faminta morrendo de fome. No entanto, ela não queria exatamente entender isso.

[Então eu sou... Imortal?].

[De certa forma. Você não é indestrutível, então há algumas maneiras para que isso aconteça].

[Entendo].

 Que irônico, pensou Nephren. Ela se preparou para a morte. Ela aceitou isso e, além disso, ela estava a um passo de distância várias vezes. Mas agora, as coisas haviam se mostrado exatamente opostas ao que ela se preparava.

 [... Acho que não posso mais voltar para casa]. Nephren murmurou.

Apenas um pouco ou não, uma Besta ainda é uma Besta. Ela não seria muito bem-vinda em Règles Ailés. Aqueles dias no armazém de fadas, aquela vida tranquila e despreocupada, agora pareciam imensamente distantes.

[Você está bem?], perguntou o peixe.

[Nn].

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 Nephren deu um grunhido que nem confirmou nem negou seu bem-estar. Afinal, ela realmente não conhecia a própria resposta. Ela puxou um pedaço de tecido vermelho para fora de uma das caixas de madeira enterradas na areia e embrulhou-a em torno de si mesma no lugar de seu uniforme esfarrapado do exército.

 Eles atravessaram a areia por dias. Sob a influência da Besta dentro dela, o corpo de Nephren já não sentia exaustão. Ela poderia andar para sempre se quisesse. No entanto, ela nunca se sentiu assim. Em intervalos de poucas horas ou mais de caminhada, eles paravam e descansavam em pedras próximas. Quando a noite chegava, ela se deitava na areia e fechava os olhos. Felizmente, seu corpo não se esqueceu de como dormir. Ela não se cansava, mas ainda assim, ela podia dormir. Ela podia sonhar. Suas memórias desapareceriam um dia em areia de cinzas, mas, por enquanto, ela ainda poderia aquecer seu coração com lembranças do passado.

 Uma vez, eles encontraram um grupo de bestas. Em cima de uma suave inclinação arenosa, cerca de 10 Aurora estavam se banhando ao sol, com seus corpos em formato de corda descansavam verticalmente com suas muitas agulhas retraídas. Quando Nephren se aproximou, elas não mostraram nenhuma resposta. Mesmo que ela as cutucasse, elas torciam seus corpos com um pouco de aborrecimento, mas ainda assim não atacaram.

Elas pensam que eu sou uma delas?

 As bestas quase imortais não precisavam de comida. Assim, elas não atacavam umas as outras. Elas não param por nada para destruir todas as outras formas de vida, mas em um lugar com apenas bestas, elas se comportavam incrivelmente calmas, em contraste a sua reputação habitual.

 Ou talvez fosse assim que as Besta deveriam ser originalmente. Talvez o seu forte desejo por este estado pacífico é precisamente o que as leva a eliminar os seres estrangeiros que perturbam o seu tranquilo repouso. Talvez seja realmente tudo o que elas estão tentando fazer, e quando não existir mais estrangeiros, elas simplesmente passariam seu tempo sem pressa relaxando.

Nephren agarrou uma Aurora relativamente pequena e tentou dar-lhe um abraço. Ela se contorceu em resistência, mas não a cutucou com suas agulhas.

 [Bem, isso não é bom], murmurou Carmine Lake. Sua personalidade não se entrosava muito bem com a de Nephren, mas nessas planícies de areia vazias, o peixe acabou por ser um parceiro de conversa precioso.

 [A presença de Elq está muito longe. Não só isso, ela parece estar no céu].

[... Sua anfitriã anterior que mencionou anteriormente?].

[Sim, sim].

[Pelo céu, você se refere a Règles Ailés?].

[Esse pode ser o caso...].

 O peixe estremeceu quando se curvou.

 [Nephren, você pode voar até lá?].

[... Eu poderia ser capaz].

 Normalmente, essa teria sido uma proposta ridícula. Dada a distância e altitude, não seria possível para as asas de uma fada normal. No entanto, Nephren agora não era uma fada normal. Agora que seu corpo já não sabia o que era cansaço, ela podia voar continuamente sem dormir durante o tempo que quisesse.

 No entanto, ela hesitou em fazer isso. Claro, Nephren sabia o que aconteceria se ela, uma quase Besta se aproximar de Règles Ailés. Ela e as outras Leprechauns existiam com o único propósito de proteger Règles Ailés da ameaça das Bestas. Ela retratou Ithea e Rhantolk com suas asas ilusórias espalhadas, apontando as pontas de suas Dug Weapons diretamente para Nephren.

 [... Eu não quero].

[Vamos, por favor?].

[Não. Se você quer ir, vá sozinho].

[Se eu pudesse, eu já estaria lá! Mas eu não posso! Eu só existo dentro da sua cabeça!].

 Carmine Lake dançou em irritação.

 [Ugh, finalmente saímos daquela estúpida barreira, e agora olha que bagunça isso se tornou! Aposto que Ebon Candle e Jade Nail estão lá fora em algum lugar se divertindo e lembrando os velhos tempos... Venham me buscar seus idiotas!].

 Pergunto-me onde Willem está, pensou Nephren, ignorando as reclamações barulhentas do autoproclamado Poteau. Ela não sabia nada sobre Elq, mas Willem definitivamente tinha que estar em algum lugar no chão. Claro, ela não estava otimista o suficiente para acreditar que Willem ainda era seu antigo eu. Ao contrário de Nephren, ele era um puro Emnetwyte. Depois dessa coisa negra, a alma do Cantor, entrou nele, ele não teria conseguido manter seu senso de si mesmo. Não achou muito difícil imaginar que a Besta tivesse assumido a mente e o corpo, e que ele se transformou em um ser completamente diferente.

 Mas ainda.

Almaria estava contando com ela.

Nephren queria estar ao lado de Willem. Mesmo que ele agora fosse uma Besta, ela queria aconchegar-se com ele. Encalhada na vasta terra do cinza, Nephren não conseguia pensar em nenhum outro desejo que tivesse para o futuro.

Por ScryzZ | 03/08/18 às 14:35 | Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Drama, Tragédia, Protagonismo Feminino, Guerra, Mistério, Sci-fi, Japonesa