CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 25.4 - 『TODOS, EM NOME DA ESPERANÇA』- dias brilhantes, labirinto destruído -

Shuumatsu Nani Shitemasu ka? Isogashii desu ka? Sukutte Moratte Ii desu ka? (SukaSuka)

Capítulo 25.4 - 『TODOS, EM NOME DA ESPERANÇA』- dias brilhantes, labirinto destruído -

Tradução: Itsuki Lonely Driver

Parte 04 - A Velha Capital e as Fadas

O armazém de fadas estava localizado na 68ª ilha. Por outro lado, Collinadiluche estava localizada na 11ª. Simplificando, uma estava localizada na direção da borda externa de Règles Ailés, enquanto a outra estava localizada no meio. Naturalmente, uma distância considerável separava as duas. Além disso, devido à falta de uma rota direta conveniente entre elas, um tinha que estar pronto para uma jornada cheia de desvios envolvendo transferência entre mais de algumas aeronaves.

Claro, conseguir uma aeronave de patrulha do exército poderia resolver o problema, mas elas eram geralmente apertadas, elas não tinham amortecedores de vibração, de modo que o balanço era fora de controle, as janelas eram pequenas e ficando na mesma aeronave o tempo todo parecia deprimente. Por estas razões, entre outras, Nygglatho recusou rapidamente. Desnecessário seria dizer que não havia objeções. E assim, elas passaram um dia inteiro em aeronaves, sendo balançadas de um lado para o outro pelo vento.

[Oohh...].

Lakhesh, depois de desembarcar, olhou em volta com um amplo sorriso.

[I-I-Incrível! Ei, Tiat, olhe, olhe!].

[Sim, incrível, incrível. Agora me deixe ir].

Tiat, com seus ombros sendo chacoalhados por Lakhesh, lutavam para se libertar.

[Mas olhe! É a verdadeira!].

[Eu sei, eu sei que é a verdadeira, então deixe-me ir].

[Uaaaau...].

Lakhesh entrou completamente em transe. Bem, Rhantolk podia entender. Afinal, elas estavam em Collinadiluche. A caixa de tesouro do céu. A frigideira dos sonhos e do romance. Geralmente, as fadas nem sequer eram permitidas de deixar livremente a 68ª ilha, então as histórias de livros e filmes de cristal forneciam o único meio para aprender sobre as outras ilhas. Servindo como o palco central cintilante de inúmeras histórias, era nenhuma outra senão Collinadiluche. Aqui, nesta cidade, ‘Second Mantle’ roubou 1 milhão de bradals dos vilões, ‘Rust Nose" encontrou o verdadeiro amor, a família ‘Minchuet’ passou por tempos de grande turbulência... Durante anos, as fadas viram todos aqueles contos com olhos de admiração. Então fazia sentido que Lakhesh, de pé naquele palco com seus próprios pés pela primeira vez, se sentia tão esmagadoramente feliz. Para ser sincera, a própria Rhantolk estava bem animada, embora não fosse sua primeira vez.

[... Então, para onde vamos agora?].

Pensando que era vergonhoso deixar sair a demonstração de excitação, Rhantolk respirou profundamente e calmamente, e perguntou a Nygglatho.

[Vejamos, o nosso destino final é a sede do comando, mas antes disso, precisamos deixar Lakhesh com meu sênior].

[Sênior?].

[Ele também cuidou de vocês quando cresceram completamente. O grande médico ciclope. Ele era um sênior na faculdade de medicina].

[Um combo muito aterrorizante, hein? Aposto que seus colegas de classe ficaram assustados o tempo todo até a formatura]. Ithea entrou de lado.

[Que grosseria. Nós não fizemos coisas perigosas, pelo menos não com frequência].

Uma negação que não era uma negação voltou em resposta. Rhantolk achou que seria melhor não se concentrar no assunto.

[... Vamos, Lakhesh, Tiat. Vamos indo].

Ela agarrou a chacoalhadora e a chacoalhada.

[Nós não viemos aqui para dar um passeio turístico. Vamos fazer o que precisamos fazer].

[Ah... D-desculpe].

Lakhesh saiu do transe e pediu desculpas.

[Ooo, a ilha está girando...].

Enquanto isso, os olhos de Tiat estavam ficando fora de controle. Rhantolk pensou que iria se recuperar mais cedo ou mais tarde.

[Bem, então, vamos], disse Nygglatho, depois reajustou a enorme mochila que ela carregava.

No topo daquela mochila de couro resistente, alguns objetos pontudos envoltos em um pano apontavam para fora. No interior havia 4 Dug Weapons... Valgulious de Ithea, a Historia de Rhantolk, Ignareo de Tiat e, como um amuleto de boa sorte, mais uma espada sem uma dona. Todas juntas, o peso era igual ao de uma pequena cômoda (cheia de roupas), mas a forma como Nygglatho a carregava não demonstrava nada disso.

[Comportem-se, vocês duas. Precisamos caminhar um pouco até onde precisamos estar, então não vão olhar as coisas e se perderem, ok?], disse Rhantolk.

[E-Entendido. Eu farei o meu melhor], respondeu Lakhesh.

O fato de que ela tinha que tentar o seu melhor fez Rhantolk um pouco desconfortável, mas ela gostou da atitude de poder.

[... Nem mesmo alguns desvios? Há muitos lugares que não vi na última vez...], disse Tiat.

Rhantolk desejou que ela tentasse um pouco mais. [Não me faça repetir. Nós não viemos aqui para dar um passeio turístico], ela disse com um tom mais forte com a mão nas costas de Tiat.

Tiat imediatamente ficou em silêncio. Rhantolk se perguntou se ela estava indo longe demais, mas não podia pensar em nada para dizer. Bem, já que Tiat era uma fada soldada totalmente crescida, Rhantolk pensou que ela poderia, pelo menos, conter-se... Provavelmente.

[Aaaah, é-é a Praça Falsta? A coisa no meio é a estátua do Grande Sábio, certo? Podemos ver mais de perto?].

Rhantolk virou-se para olhar. Uma praça com uma fonte. Inúmeros casais e uma estátua imponente de um homem velho vestindo um capuz. O Grande Sábio, a figura lendária que liderou a fundação da Règles Ailés e continua a apoiá-la... De alguma forma, sua estátua ganhou reputação por ter o poder de fortalecer os laços entre um casal. A verdade disso não é clara, mas, aparentemente, os amantes também não se importavam. Em toda a praça, casais de várias raças sussurravam palavras de amor um para o outro. Mesmo se não tivesse uma proibição de desvios, Rhantolk teve a sensação de que não seria um bom lugar para levar crianças pequenas de qualquer maneira.

[Eu também quero ver isso! Quando eu vim aqui antes, Willem não me deixou!], exclamou Tiat, aproveitando a situação.

Rhantolk mergulhou levemente o punho na cabeça de Tiat. [Eu lhe disse, não? Sem olhar ao redor ou desvios. Vamos nos apressar].

Lakhesh e Tiat caíram em desespero.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 30 minutos depois.

A situação teve uma virada para pior. Limpando o suor frio dentro de sua mente, Rhantolk olhou em volta. À direita, várias pessoas e carruagens barulhentas iam para lá e para cá em uma ampla rua alinhada com edifícios de pedra. À esquerda, um vasto e bem cuidado jardim espalhado atrás de uma infinita cerca de ferro preto. Ainda não era primavera, apenas uma luz verde cobria. Em menos de um mês, todo o lugar certamente floresceria com cores vivas. Não poder ver parecia um pouco infeliz, mas agora não era a hora de pensar nisso.

 Desnecessário seria dizer que ambos os locais eram desconhecidos para Rhantolk. Também - O verdadeiro problema em questão - Ela não conseguiu detectar qualquer pessoa com quem ela veio: Nygglatho, Ithea, Tiat ou Lakhesh.

[Bem, isso é ruim], ela murmurou, fechando os olhos e pressionando a testa.

 Pensou nos eventos que levaram a isso. Era simples: ao caminhar pela cidade, um edifício visível à distância subitamente capturou seu olhar. Era o pináculo de uma igreja famosa que uma vez leu em um livro, uma das grandes estruturas construídas por um arquiteto genial, 300 anos no passado, das quais apenas 7 existiam em toda Règlés Ailes. Foi escrito que suas silhuetas únicas captam os corações de quem olha, mesmo de longe. Agora, Rhantolk sabia que o livro estava certo. Depois de vê-lo, ela ficou atraída apenas um pouquinho (ou pelo menos é o que ela disse a si mesma), e, na próxima coisa que sabia, ela se separou de suas amigas.

 Que constrangedor, terminar assim logo depois de avisar as meninas para não sair olhando as coisas e se perderem. Rhantolk nunca teria pensado que ela faria uma burrice tão grande. Seu destino era a clínica aqui em Collinadiluche, o lugar onde ela já foi quando ela cresceu completamente. Suas lembranças eram um pouco distorcidas, mas ela provavelmente poderia se lembrar do caminho. O pior caso, ela poderia simplesmente voar até o céu e verificar as direções de cima. Ela queria evitar chamar a atenção, mas seria melhor do que se atrasar para sua reunião.

[Eu acho que só vou andar].

 Felizmente, Collinadiluche sendo uma cidade comercial com laços com muitas outras ilhas, ‘sem marcas’ como as fadas que caminhavam pelas ruas não eram tão incomuns. Enquanto ela não fazer nada particularmente incomum, ela não iria se destacar. Simplesmente passeando, ela poderia se misturar com o cenário da cidade. Pensando assim, ela conseguiu esquecer sua situação e aliviar seus passos um pouco.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 7 minutos depois.

[... Ahh].

Mais uma vez, Rhantolk sentiu o quão aterrorizante era a cidade de Collinadiluche. Depois de  poucos minutos de caminhada, ela encontrou algo intrigante. Que se tratava de um edifício famoso, um beco curioso ou uma estátua de bronze aparentemente aleatória no meio da estrada, ela nunca deixou de se surpreender com o abundante repertório da cidade. Estando sozinha, não podia deixar de parar toda vez que via alguma coisa.

Isso não é bom. Se ela não tentasse um pouco mais seriamente avançar, o sol iria se por sobre ela. Com essa sensação de urgência empurrando suas costas, Rhantolk correu por uma ampla avenida, virou uma esquina e...

[... Ahh].

... Encontrou outro edifício magnífico. Grande Biblioteca Central de Collinadiluche. Não só era uma das estruturas mais antigas ainda em pé na cidade, mas também se orgulhava da maior coleção de livros na totalidade de Règles Ailés. Aquela torre branca graciosa, que ainda atingiu o alto depois de atravessar séculos de história. Apesar de seu suposto foco, Rhantolk ficou completamente presa a essa visão no momento em que ela viu. No entanto, suas pernas, estimuladas por sua sensação de urgência, continuaram a se mover. Como resultado…

[Ah!].

[Hmph].

Ela bateu em algo que parecia como uma parede e ricocheteou, pousando no chão.

[Ei...].

[Oh minha culpa. Fiquei um pouco distraído].

[Ah, não, eu que não estava olhando para onde eu estava indo], ela respondeu.

Aparentemente, o que Rhantolk colidiu não era uma parede, mas um velho ‘sem marca’ com cabelos loiros, pelos faciais loiros e um físico robusto como uma rocha. Devido ao brilhante manto branco puro que ele usava, ele se destacava e não de uma maneira boa. Ele parecia flutuar de forma notável acima do cenário de Collinadiluche, a cidade que aceitou todas e cada uma das raças. Ainda assim, depois de vê-lo com seus próprios olhos, Rhantolk pensou por um momento que talvez o problema em que ela se deparasse realmente era uma parede, afinal. Ela não sabia o porquê, mas esse tipo de força pesada e misteriosa exalava do velho.

[Você está ferida?].

Mesmo com suas palavras de preocupação, uma espécie de pressão esmagadora encheu sua voz. Eu acho que em uma cidade tão grande e histórica, você encontra pessoas estranhas caminhando pelas ruas como se fossem normais, pensou Rhantolk.

[Ah... Estou bem, obrigada].

Timidamente, ela agarrou a mão estendida a ela e levantou-se. Um sorriso gentil apareceu no rosto do homem, mas não conseguiu esconder o olhar afiado e penetrante de seus olhos. Mesmo sendo uma soldada experiente, Rhantolk sentiu como se suas pernas se curvassem se ela não conscientemente mantivesse sua mente focada.

[Ah... Por sinal, senhorita. Essa troca de palavras deve ser algum tipo de destino. Você me ajudaria um pouco com as direções?].

Um breve silêncio.

[Hã?].

[Bem, isso é um pouco embaraçoso, mas a verdade é que estou um pouco perdido], disse o homem enquanto ele coçava a bochecha. O gesto não lhe cabia. [Eu pensei em perguntar a alguém na rua, mas... Bem, falar com estranhos de passagem não é o meu forte].

[Ah...].

Isso faz sentido, pensou Rhantolk. Ficando de pé ali, sua enorme sensação de presença parecia sobrecarregar seus arredores. Ela pensou que seria apenas um pouco impróprio para casualmente pedir a alguém instruções.

[Não me importo, mas não sou daqui, então não posso dizer que estou familiarizada com as ruas. Não sei se vou ajudar].

Rhantolk deixou de lado o fato dela estar um pouco perdida.

[Bem, para onde você está indo?].

[Um restaurante. Ouvi dizer que está perto da clínica].

Que coincidência, pensou Rhantolk.

[Eu também tenho assuntos lá. Se você quiser, podemos ir juntos].

[Oh, isso seria ótimo].

O velho sorriu. Ou, pelo menos, as rugas que apareciam em sua idade o faziam se parecer com uma árvore envelhecida e antiga com um rosto e um sorriso. O sorriso tinha tanta força por trás dele que provavelmente faria uma criança pequena chorar. Bom, eu sou uma adulta, pensou Rhantolk, levantando ligeiramente as extremidades de seus lábios.

[Eu vim a esta cidade antes, então recusei uma oferta de direções, dizendo que eu já conhecia o caminho], disse o velho quando caminhavam.

Seguindo ao lado dele, Rhantolk sentiu-se um pouco como um servo cuidando de seu mestre.

[Oh], ela respondeu sem ânimo.

[Mas quando comecei a andar, percebi que as ruas mudaram completamente].

[Ah...].

Isso não pode estar certo. Collinadiluche era uma cidade histórica. Talvez existam várias definições de ‘cidade histórica’, mas uma delas teve que ser que muitos edifícios antigos ainda estavam dentro da cidade. Então, naturalmente, as ruas não poderiam ter mudado completamente. Tanto quanto Rhantolk sabia, a área em torno da Grande Biblioteca não recebeu reformas importantes nos últimos cento e alguns anos. Bem, ele é um pouco velho. Não seria surpreendente que sua memória tenha começado falhar um pouco. Pensamentos grosseiros passaram por sua cabeça.

[Uma vez que esta é uma oportunidade tão rara, pensei que seria bom desfrutar de um pouco de passeio turístico enquanto estiver aqui, mas não gostaria de manter a pessoa com quem estou me encontrando esperando para sempre].

[Ah...].

Um espinho invisível perfurou o peito de Rhantolk.

[Ainda assim, seria lamentável apenas atravessar esta cidade. Acho que vou ter que voltar como turista um dia].

[Sua residência habitual é em uma ilha distante?], perguntou Rhantolk.

[Hm, certamente está longe, mas mais problemático do que a distância é...]. De repente, o velho olhou para cima.

Rhantolk seguiu seu olhar.

[Ah].

Do outro lado da rua estava Nygglatho. Ela levantou a cabeça mais alto do que os pedestres passando, tornando-a extremamente fácil de detectar. Percebendo Rhantolk, ela começou a atravessar a avenida.

[Finalmente encontrei você! Estávamos preocupadas com você!].

[Eu sinto muito]. Rhantolk, não tendo desculpas, sinceramente pediu desculpas.

[Eu queria saber o que fazer se você esbarrasse em uma carruagem ou algo assim, sabia? Vocês são fortes quando lutam, mas nas horas normais você não é tão resistente].

[Bem... Ah...].

Cerca de metade da força das Leprechauns durante a batalha vinha do Venenum inflamado, e quase toda a outra metade vinham das Dug Weapons que elas empunhavam. Em outras palavras, em momemtos cotidianos, elas quase não tinham o poder que tinham no campo de batalha. Além disso, a maioria dos seres vivos, não apenas as Leprechauns, provavelmente não estariam bem depois de esbarrar com uma carruagem. Bem, é claro, Nygglatho não pertencia a ‘maioria dos seres vivos’.

[Mesmo se você se tornasse carne moída, seu sabor melhoraria se você passasse por uma verdadeira máquina especializada em carne moída].

[Hum... O quê?].

Rhantolk começou a perder o controle do que Nygglatho estava dizendo. De qualquer forma, parecia evidente que Nygglatho estava preocupada com ela... Provavelmente. Ela já se desculpou corretamente, e agora precisava refletir sobre o comportamento dela.

[Ah, lamento interromper sua conversa, jovem senhora].

O velho se juntou.

[Por favor, não repreenda demais a criança. Eu era um turista passando, e eu estava perdido. Ela teve o coração bondoso para me mostrar o caminho].

[Eh?].

Sobre o que esse vovô está falando de repente?

[Se isso a incomodou de alguma forma, permita-me compensá-la. Apesar da minha aparência, tenho uma pequena autoridade. Então, por favor, não seja muito dura com sua pequena irmã].

[Oh, meu deus].

Nygglatho pareceu um pouco confusa.

[É isso que aconteceu?].

[Uh... Bem, claro?].

Rhantolk respondeu hesitantemente. Sim, eles caminharam juntos sob o pretexto de que ela estava mostrando para o velho o caminho. No entanto, antes disso, ela tinha estava perdida, e isso era completamente sua culpa, sem espaço para desculpas. Além disso, ela e Nygglatho não eram irmãs...

[Bem, tudo bem].

Nygglatho suspirou com um leve tom de orgulho.

[Ninguém mais sabe, e não causou nenhum problema. Eu também não quero dizer-lhe para não ser boa com outras pessoas. Mas da próxima vez, me avise, ok?].

[Ah... Ok, entendi].

Rhantolk, indo junto com o fluxo, assentiu com a cabeça.

[Você também, senhor].

[Hm?].

[Tenho certeza de que você estava ansioso, estava perdido durante seu passeio turistico, mas não é bom conversar com uma moça aleatória e caminhar com ela. As pessoas podem pensar que você a está sequestrando, sabia?].

[Ah... O-oh, sim. Acho que você está certa].

[Os sequestros de turistas não são uma ocorrência rara em Collinadiluche. Se você precisar de instruções, você pode pedir aos golems criados pelo departamento de turismo, ok?].

Nygglatho falou com uma voz suave e severa, como se estivesse repreendendo uma criança por causa de uma brincadeira.

Depois de um momento de silêncio, o velho, parecendo completamente desconcertado, de repente explodiu em risadas. Toda pessoa que caminhava ao longo da rua se virou, os pombos que descansavam sobre as lâmpadas dispararam, e um cavalo puxando uma carruagem na distância começou a se agitar.

[... Você está bem?], perguntou Rhantolk.

[Sim, minhas desculpas].

O velho suprimiu a risada e limpou as lágrimas de seus olhos.

[Não houve ninguém que tomou essa atitude em relação a mim há muito tempo. E também parece refrescante e nostálgico ao ver uma jovem senhora não intimidada diante de mim. Isso me fez sentir novamente jovem].

[Uh].

Certamente, ele tinha um rosto assustador, um físico assustador e um ar misterioso e assustador sobre ele, mas Rhantolk não conseguia imaginar que todos que falavam com ele ficavam com medo dele.

[Bem, daqui, eu posso encontrar o caminho sozinho. Eu não quero roubar mais seu tempo, então eu acho que é hora de eu ir].

[... Você tem certeza que está bem?].

[Não se preocupe, na próxima vez que eu me perder eu posso perguntar a um desses golems, certo?], disse o velho com uma piscadela, e uma piscadinha bastante habilidosa.

[Obrigado pela conversa divertida].

Enquanto observavam o velho sair, Rhantolk e Nygglatho inclinaram as cabeças confusas.

[Eu sinto que o vi antes... Recentemente], murmurou Nygglatho.

Agora que ela mencionou isso, Rhantolk percebeu o estranho sentimento que se espalhou dentro de sua mente.

[Mas se eu o encontrei antes... Eu sinto que não conseguiria me esquecer de alguém com uma impressão tão forte].

[Hmm, se nós duas nos lembramos de encontrá-lo, então isso significa... Na 68ª ilha? Mas isso não pode ser...].

Na falta de uma resposta, continuaram a inclinar a cabeça. Perto, ao lado da rua em que atravessaram, na ampla Praça Falsta, estava a estátua de pedra do Grande Sábio, a figura mais proeminente em toda Règles Ailés.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

[Ok, então, a menina que teve o sonho, venha por aqui].

[S-Sim! Estou ingdsgsf!]

Lakhesh, liderada por um grupo de enfermeiras com vestidos brancos, dirigiu-se para se tornar uma fada soldada totalmente crescida, estremecendo de dor por energeticamente morder a própria língua.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 [Eu duvido que ela esteja muito longe], disse Nygglatho com um rosto preocupado, e saiu para procurar por Rhantolk.

 [Se algo aconteceu com ela, eu vou ter que lhe dar um grande abraço como castigo por me preocupar], brincou.

Por sinal, diz-se que os abraços com força total de Nygglatho podem quebrar pedregulhos.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Agora, isso deixa mais duas. Elas estavam sentadas em uma simples sala de espera dentro da clínica, tendo sido solicitadas para aguardar até as próximas instruções. No entanto, eles não receberam comentários sobre quando as próximas instruções viriam.

[Imagino onde Rhan foi], murmurou Ithea, com um olhar aborrecido no rosto.

 [Ela definitivamente foi ver o Túmulo do Perjúrio!], Tiat respondeu enquanto caminhava para cima e para baixo ao lado da parede, tentando ver o cenário fora da janela ligeiramente colocada alta.

 [Nós passamos por perto, e é um ponto popular que você definitivamente não pode perder quando você vai para Collinadiluche. Não é justo!].

[Rhan não se parece com você quando se trata dessas coisas, sabia?].

[Rust Nose disse que a beleza seduz o coração!].

 [Você tem certeza que ele disse isso no contexto em que estamos falando?]. Ithea inclinou sua cabeça.

 [De qualquer forma, isso é certamente chato. Devemos jogar um jogo ou algo assim?].

[Não me aborreça! Estou muito ocupada agora mesmo!].

[Entendo].

 Ithea jogou a cabeça para baixo na mesa a frente dela e viu as costas de Tiat pularem para cima e para baixo. Claro, Tiat poderia ter acabado de acender Venenum e voado, mas não parecia perceber, e Ithea não tinha vontade de dizer isso.

 [Ahh, apenas um pouco mais, pernas! Todo esse treinamento físico foi para este momento!].

[Que criança despreocupada...].

Olhando para a janela em questão de sua posição, Ithea só via o céu azul espalhando-se do outro lado, o mesmo velho céu que olhava para ela com o mesmo rosto, se ela olhasse da 68ª ou 11ª Ilha. Naquele momento, houve uma batida na porta.

 [Talvez essas sejam as próximas instruções]. Ithea levantou os olhos e a porta se abriu.

[Desculpe-me...]. Com uma voz hesitante, nao veio nem Nygglatho, nem um médico, nem um soldado, mas uma jovem senhora Licantropo com pelo de aparência suave.

[Hm!? Você é...].

[Phyr!? Muito tempo sem te ver!]. Aparentemente, Tiat lembrou o nome da recém-chegada antes de Ithea.

 Phyracorlybia Dorio, a filha do prefeito. Alguns meses antes, Ithea e Tiat visitaram a cidade sob sua orientação - Ou com mais precisão, sob os planos de Willem. Para as Leprechauns, que geralmente não tinham quase nada a ver com nada fora da 68ª ilha flutuante, foi uma experiência inesquecível e peculiar.

[Ithea... Tiat...].

 Por algum motivo, o rosto de Phyr ficou rígido enquanto murmurava seus nomes e olhou ao redor da sala.

 [Elas não estão aqui. Chtholly e Nephren].

 [Phyr?].

[Minhas desculpas].

Depois de entrar na sala e fechar a porta atrás dela, Phyr caiu no chão.

 [Eu não sabia. O que vocês eram meninas. Cujos sacrifícios estavam mantendo a vida cotidiana que levávamos como garantida].

[Huh?].

 Os olhos de Tiat se abriram.

[Ah – Entendo].

 Ithea, entendendo o significado dessa desculpa súbita, coçou a parte de trás da cabeça.

 [Você escutou de alguém, né? Sobre nós].

[Sim. Acabei de ouvir o tio e o pai falando].

 O ‘tio’ de quem falou referia-se ao 1º oficial Limeskin, com quem ela estava próxima desde pequena e o ‘pai’ se referia a Gilandalus Dorio, o prefeito de Collinadiluche. Ithea não sabia como Leprechauns apareceu em uma conversa entre esses dois, mas, por enquanto, parecia evidente que Phyr sabia sobre sua natureza como armas secretas.

 [Enquanto vocês estavam arriscando suas vidas no campo de batalha, nós estava lutando para decidir qual geléia colocar no meu bolinho no lanche. Eu gastei todos os dias assim, sem conhecer a verdade ou a vergonha. Agora, eu me sinto tão envergonhada...].

Ela confessou, com sua cabeça virada para baixo, quase à beira das lágrimas.

[Uh, humm...]. Tiat procurou palavras.

[Ah, bem, agradeço a nova resposta, mas... Phyr], começou Ithea.

[Sim?].

[Nós não precisamos falar sobre como somos armas descartáveis e tudo mais. Você tem uma consciência forte, você foi criada em um ambiente de classe superior, e você é do tipo que acredita que há mais pessoas boas do que ruins no mundo. Não vou tentar dizer a alguém como você a concordar com o que fazemos].

 [Então eu quero que você pense nisso dessa maneira. Nós secretamente colocamos nossas vidas em risco para que todas as pessoas normais em cada ilha flutuante possam continuar vivendo sua vida cotidiana na ignorância].

[Vida cotidiana... Ignorância...].

[Está certo. Então não fique envergonhada de que você não soubesse sobre nós. Aquele tempo que você passou na ignorância é exatamente o que lutamos... É como, nosso orgulho ou algo assim].

 [Oohh...].

 Tiat parecia impressionada. Permaneceu duvidoso se ela estava ciente ou não que Ithea estava falando sobre ela também.

[Olhe, Phyr. Pelo menos, não arriscamos nossas vidas todo esse tempo para ver nossos amigo chorar].

[I... thea...].

Naquele momento, a porta se abriu novamente. Desta vez, apareceu uma fada de cabelos azuis, Rhantolk.

 [Desculpe-me por preocupar...].

 As desculpas de Rhantolk pararam. Ela olhou ao redor da sala: Ithea com os cotovelos apoiados em uma mesa, Tiat pressionando-se contra parede com apenas a cabeça virada para a porta, e uma Licantropo desconhecida se abaixando no chão.

 [- O que está acontecendo aqui?].

 [Essa é uma pergunta bastante difícil...]. Ithea disse com um rosto preocupado, então riu.

 [Espera. Rhan, você está sozinha? Achei que Nygglatho tinha ido buscá-la].

[Sim, ela estava ali quando um mensageiro do 1º oficial Limeskin a levou], disse Rhantolk, apontando para a entrada da clínica.

 [Eles saíram novamente. Foi-me dito para esperar aqui com vocês].

 [Saiu? Para onde?].

[Eu não sei, mas não acho que precisamos nos preocupar].

[Bem, isso é verdade].

Ithea e Rhantolk assentiram com a cabeça.

[... Hum?].

 

 Phyr, incapaz de acompanhar a conversa, inclinou a cabeça confusa, seus olhos ainda estavam com lágrimas.

[Então, o que você viu? O Túmulo do Perjúrio!? Ou um pouco mais para o Mercado Barley!?]. Tiat, enquanto isso, estava sendo seu eu habitual.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 [Por aqui, senhorita Nygglatho].

[O que?].

[O 1º oficial Limeskin aguarda você].

Um bastante pequeno Reptrace mostrou-a a uma porta... Ou talvez ele fosse realmente do tamanho médio, já que as alturas individuais dos Reptrace variavam drasticamente devido aos seus períodos de crescimento variados, mas Nygglatho, acostumada a ver a figura gigante do Limeskin, não podia deixar de pensar nisso.

 [Acabei de chegar aqui, eu estava autorizada a descansar por um tempo, mas...].

O mensageiro não respondeu. Ele parecia muito que era do exército, sem dizer nada desnecessário.

[Todo mundo já está esperando].

[Quem você quer dizer com todos...].

Nenhuma resposta. Bem, Nygglatho havia previsto que seria assim.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 Conduzida pelo mensageiro, Nygglatho saiu pela entrada traseira da clínica em um beco pequeno e escuro preenchido com o cheiro de detergente e esgoto. Olhando para cima, ela notou cordas encostadas na rua, de janela para janela oposta, com muita roupa pendurada.

- Pergunto-me para onde vamos, pensou. A julgar pela atmosfera de silêncio que o mensageiro parecia emanar, Nygglatho não achava que ela teria uma resposta se ela perguntasse. Desde que fui chamada sozinha, é provavelmente não é algo bom que ele queira que as crianças escutem. Pensando nisso, seu humor se afundou um pouco.

 Naquele momento, o delicioso cheiro de carne assada flutuava pelo nariz. Olhando para cima, viu uma pequena placa indicando a entrada de trás de um restaurante. Ah, sim, o que vou fazer para o jantar? Enquanto ponderava, o mensageiro abriu a pequena porta e entrou no restaurante.

 [Aqui?], perguntou, mas como esperado, não recebeu resposta.

 O Reptrace simplesmente se virou brevemente, gesticulou para que ela seguisse, e continuou pelo corredor estreito. Entrando dentro, Nygglatho vislumbrou o luxuoso interior.

 [Oh não, eu me pergunto se minhas roupas são adequadas para o código de vestimenta].

 Ela olhou para si mesma. Agora, ela estava usando roupas bonitas, para seus padrões, mas, ainda assim, era uma roupa casual. Além disso, depois de ter sido sacudida por uma aeronave durante um dia inteiro, ela não podia dizer exatamente que sua aparência era muito refinada. Apesar de suas preocupações, as costas do Reptrace continuaram cada vez mais longe. Ele poderia falar comigo pelo menos um pouco, ela se queixou dentro de sua cabeça quando ela correu para recuperar o atraso.

 Pararam na frente de uma porta pesada. A garra do mensageiro bateu duas vezes em rápida sucessão, seguida de uma terceira batida após uma pequena pausa.

[Entre], uma voz baixa disse de dentro.

Oh meu deus, uma batida secreta, Nygglatho pensou quando a porta se abriu. Uma grande mesa estava colocada no centro da sala, infelizmente sem qualquer comida. Ao redor da mesa havia alguns rostos familiares e outros não tão familiares.

 [... Eh?].

Contra a parede estava Limeskin em seu uniforme do exército. Bem, ele foi o único que convocou Nygglatho, então não havia surpresa aí. Ao lado dele estava um soldado Haresantrobo. A insígnia no ombro mostrava um escudo e uma foice, que significava a Polícia Militar, se Nygglatho se lembrava corretamente.

 Um homem Licantropo de meia idade estava sentado à mesa. O primeiro rosto novo. Ele usava um terno que parecia ser de alta qualidade e um monóculo elegante. Sua aparência de cavalheiro se encaixava melhor no restaurante sofisticado do que Nygglatho. Em seguida, por algum motivo, havia o velho em um manto branco com o qual ela apenas havia se separado anteriormente. A julgar pelo seu rosto surpreendido, ele provavelmente também não esperava esse reencontro.

 Havia uma última pessoa na mesa, uma pessoa com um rosto muito especial, tão especial que os rostos de todos os outros presentes pareciam desaparecer completamente da mente de Nygglatho. Uma jovem com cabelos grisalhos. Seu olho esquerdo estava fechado firmemente por algum motivo, mas não havia dúvida sobre isso: ela era a fada soldada supostamente perdida em batalha na terra.

 [Neph... ren?].

[Nn]. Nephren inclinou a cabeça.

[É você mesmo?].

[Cerca da metade].

Nygglatho recebeu uma resposta bastante intrigante, mas quase não pôde ouvi-la. Ela queria correr até ela. A abraçar. Esfreguar suas bochechas contra a dela. Gritar e lamentar. Esses impulsos vieram a cabeça, incharam e explodiram. Nygglatho entrou em colapso no tapete.

 - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

 [D... Desculpe por ter causado uma cena tão embaraçosa...].

Nygglatho sentou-se como sugerido, então agarrou Nephren e a fez sentar no colo contra a vontade dela. Os olhares divertidos dos caras ao redor da mesa eram um pouco rudes, mas ela não tinha intenções de soltá-la.

 [Eu acho que você ainda está causando uma cena embaraçosa], disse Nephren.

[Silêncio]. Nygglatho também não tinha intenções de ouvir reclamações.

[... Então, deixe-me apresentar-me]. O homem Licantropos, ainda sentado, assentiu ligeiramente.

 [Meu nome é Gilandalus Dorio. Eu sou prefeito desta cidade, eleito por seus cidadãos].

[Eh]. Nygglatho congelou.

 [Ah, eu sou Nygglatho, da Orlandri].

[Prazer em conhecê-la, Nygglatho. Por aqui, temos...].

[As coincidências são coisas assustadoras. Acabamos de nos conhecer mais cedo, jovem senhora], disse o velho de manto branco com uma piscadela, cortando o Sr. Dorio.

 [Minhas desculpas por não me apresentar mais cedo. Meu nome é Souwong. Eu sou algo como um conselheiro da Winged Guard].

 [Ah... Prazer em encontrá-lo novamente].

 O prefeito e um velho aposentado do exército. Por que esses tipos de pessoas se encontraram em segredo e, além disso, por que ela foi chamada para essa reunião secreta? Nygglatho não entendia.

 [Hum, então... Não tenho ideia do que se trata... O que está acontecendo? Por que Nephren está aqui? Poderia ser isso...].

 Willem também está seguro? Ela começou a perguntar, mas fechou a boca.

 [- Outra pessoa também foi salva da terra?].

 A atmosfera ao redor da mesa parecia ficar ligeiramente mais pesada. Ninguém falou. Talvez ela não devesse ter perguntado.

[Posso explicar a situação?].

 O soldado Haresantrobos deu um passo à frente quando ele ajustou seus óculos.

[Eu vou deixar com você].

 O velho no manto branco assentiu com a cabeça.

[1º oficial Baroni Makish. Prazer em conhecê-la], disse o Haresantrobos depois de uma leve saudação.

[Ah, prazer em conhecê-lo...]. 1º oficial... O que significa que ele é tão importante quanto Limeskin?

 [Primeiro, vamos esclarecer um mal-entendido. O que você está segurando em seu colo não é a fada que você conhece. É algo mais, algo cujo corpo e mente foram transformados depois de serem poluídos por uma Besta na terra].

[Uh ...].

 Mais palavras bastante intrigantes. Nygglatho tentou dar na bochecha de Nephren um puxão com a ponta do dedo. Carne macia. O tipo de suavidade que a fez querer ferver e comer imediatamente. Essa textura que Nygglatho sabia muito bem não havia mudado nem um pouco. O que ele disse? Poluída por uma Besta?

 [Em seguida... Eu acho que você já está ciente de que atualmente não há ataques previstos de Timere...].

Claro que sabia. Nygglatho assentiu.

[Nós identificamos a causa disso. Chtholly Nota Seniorious].

Eh?

 [Em primeiro lugar, para que um Timere nos ataque no céu, ele precisa ter um corpo grande o suficiente, então dividir esse corpo e fazer com que os fragmentos voem no vento até que eles atinjam uma ilha flutuante. Em outras palavras, um grande número suficiente deles deve se reunir para fazer qualquer coisa. Chtholly Nota Seniorious destruiu um número incrível de Timere durante a batalha nas ruínas K96-MAL. Além disso, aqueles que anteriormente estavam no subsolo surgiram na superfície e encontraram sua aniquilação].

 [Chtholly...?].

[O número de Timere no chão está atualmente drasticamente reduzido. Embora eles não estejam extintos, provavelmente eles precisarão de um período de tempo considerável antes que eles possam atacar o céu novamente], continuou o Haresantrobo.

[A menina jogou fora sua vida... Não, usou sua vida até o fim para proteger Règles Ailés], disse Limeskin, mas as palavras não conseguiram penetrar.

 Sacrificar-se para salvar uma ilha. Esse era o dever original das fadas. Chtholly lutou e voltou para casa viva porque queria ser libertada disso, mas, no final, ela o cumpriu de qualquer maneira.

[... Ela realmente era desajeitada].

Nygglatho não queria chamar seu destino de morte. Chtholly lutou por sua própria vontade até seu último suspiro para seus entes queridos, ou talvez apenas por seu amado. Règles Ailés apenas foi ajudada como resultado. Ela preferiu pensar nisso assim.

 Ou talvez os 'Braves' que Willem falou uma vez sobre, foram assim também. Eles lutaram apenas por si mesmos, mas sua luta tornou-se distorcida por palavras como destino ou dever em uma luta pelo mundo.

Não havia mais batalhas para lutar. O perigo desapareceu. A situação deveria ter feito Nygglatho feliz. Ela deveria estar orgulhosa. No entanto, por algum motivo, sentiu-se um pouco frustrada.

 [Esta informação é conhecida não só pela Winged Guard, mas também por várias organizações em toda Règles Ailés com alguma habilidade em reunir informações. Ao descobrir, todos concordaram em um ponto: agora é hora de Règles Ailés como um todo repensar sua estratégia contra as Bestas], explicou o Harensantrobo.

[E é por isso que eles tentaram colocar a mão em nossas... Usuárias de Dug Weapon, hein], disse Nygglatho.

 Os olhos de Limeskin pareciam estar dizendo: 'você é a única que colocou a mão sobre elas'. Nephren olhou para Nygglatho com um rosto que perguntou 'o que você quer dizer?' Muita coisa aconteceu, mas de qualquer forma eu lidei com os caras maus, então está tudo bem. Claro, ela não podia dizer isso em voz alta, então, em vez disso, ela apenas fez um punho. Talvez isso passe a mensagem.

[Além disso, mais uma coisa], disse o Haresantrobo.

[… O que?].

 [O que eles exigem da Winged Guarda é a libertação da autoridade para lutar contra as 17 Bestas. Especificamente, os direitos de desenvolver armas, mantê-las e usá-las em momentos de necessidade. As Dug Weapons não são mais do que uma parte disso].

Demorou um pouco para Nygglatho entender.

 [As Bestas são inimigas poderosas e misteriosas. Pedir permissão para desenvolver e manter o poder de fogo para lutar contra elas significa...]. Ela engoliu.

 [... O mesmo que pedir permissão para expandir suas capacidades militares sem limites].

 [Isso é certo. Se eles não podem julgar a quantidade de força necessária para lutar contra as Bestas, isso lhes permite dizer que todo e qualquer poder ‘pode ser necessário’. A ética e a Constituição de Règles Ailés não serão nada diante de tal desculpa].

Uma variedade de raças vivia em Règles Ailés, mesmo algumas que estavam originalmente em relacionamentos predadores-presas. Ao longo dos séculos, todos gradualmente aprenderam a se comportar pacificamente, mas isso não mudou o fato de que todos ainda tinham valores diferentes.

 Naturalmente, conflitos, grandes e pequenos, nunca pararam completamente. Uma grande guerra envolvendo muitas ilhas flutuantes ameaçou ocorrer mais do que apenas uma ou duas vezes. A Constituição de Règles Ailés existia com o objetivo de impedir tais conflitos. Escrito pelo lendário Grande Sábio nos primeiros anos de Règles Ailés, serviu como a lei mais importante, aplicando-se igualmente a todas as raças e lugares. Não mate. Não roube. Não carregue armas desnecessárias. Todos os que quebraram regras como aqueles receberam o julgamento adequado pelos governos locais das várias ilhas, ou pela Winged Guard quando isso não era possível.

 [Nosso verdadeiro assunto é a partir daqui], disse o Haresantrobo.

[... Ainda há mais?].

 [Eles estão solicitando a autoridade para usar armas anti-Besta sempre que considerem necessárias. O que isso significa?]. Ele olhou para Nygglatho, como se estivesse esperando por uma resposta.

Nygglatho não sabia. Ela não era uma soldada, apenas uma funcionária de uma empresa comercial. Embora ela não estivesse completamente ignorando esses tipos de táticas, ela não podia dizer que ela era conhecedora.

 [Em qualquer lugar onde uma Besta aparecer, eles podem lutar com o poder de fogo que quiserem], Nephren disse suavemente.

[Exatamente]. O Haresantrobo assentiu.

[... Por que isso importa? Nenhuma Besta além do Timere pode voar, então não importa agora, certo?], perguntou Nygglatho.

[Sim, à primeira vista. Mas, se uma Besta fosse aparecer em uma ilha flutuante, eles poderiam lutar como quisessem], Nephren respondeu.

[Mas isso não deve ser possível...].

 [Com licença. Permita-me que participe da explicação a partir daqui].

 O prefeito Dorio, que vigiava silenciosamente sobre a conversa até então, interrompeu, suas orelhas de Licantropo afiadas sacudindo de um lado para o outro. Depois de olhar para todas as pessoas importantes alinhadas na sala, ele começou.

 [Isso aconteceu cerca de meio mês atrás. Uma aeronave caiu nesta ilha. Foi registrado nos documentos como uma aeronave salvager civil, mas agora sabemos que era simplesmente um disfarce. O verdadeiro nome da aeronave era 'Tomorrow Grasper Number 7', uma aeronave de expedição terrestre não oficialmente ocupada pela Força Aérea de Defesa Nacional de Elpis].

 [A aeronave estava em pedaços após a queda, mas as salas de armazenamento foram construídas de forma particularmente robusta e mantidas intactas em suas formas originais], acrescentou o velho com o manto branco, Souwong.

 [Dentro havia vestígios de técnicas de barreira de alto nível].

Sobre o que essas pessoas estão falando? Nygglatho não entendia. Ela também não queria. Infelizmente, ela entendeu o suficiente da conversa para pensar isso. [Técnicas de barreira...?].

[Bom o suficiente para obter minha aprovação. E bom o suficiente para conter até uma Besta...]. Souwong disse.

 [... Hm].

 Nygglatho não sabia o que a aprovação do velho deveria implicar, mas pensou que apenas uma conclusão poderia seguir suas explicações. Parecia tão irreal que não podia acreditar nisso.

 [Você está dizendo... Elpis trouxe uma Besta para Règles Ailés?].

Nygglatho desejava que todos começassem a rir de sua pergunta ridícula. No entanto, nenhuma pessoa fez isso. Ela sentiu Nephren se mexer um pouco sobre os joelhos.

 [Claro, não é mais do que uma possibilidade. Não há provas concretas. Não há vestígios de que uma Besta fugiu da aeronave caída, e não houve relatos de ataques. É por isso que acabamos chamando as fadas soldadas aqui da maneira que fizemos], disse Limeskin.

[Há relatos de que muitos soldados de Elpis se infiltraram na ilha. Não há nenhum erro que eles estão tentando fazer algo acontecer em breve], acrescentou o Haresantrobo.

 [… Mas por que? Por essa estúpidez...].

[Não importa o quão irregular o comportamento possa parecer-nos, eles fizeram e devemos responder. Por favor, permaneça nesta cidade um pouco e prepare-se para o pior]. O prefeito Dorio inclinou-se.

 Nygglatho olhou para os soldados, que assentiram silenciosamente. A Winged Guard atualmente não tinha os meios para solicitar formalmente que as fadas estivessem estacionadas em Collinadiluche. Eles precisavam de Nygglatho para fingir que ela as trouxe todas por vontade própria.

[... Entendi].

 Sentindo algo amargo em sua garganta, Nygglatho assentiu. Depois de ouvir tudo isso, não havia como mexer sua cabeça.

 [Mas, hm, permita-me adicionar uma condição].

 [Certamente. Se é algo que somos capazes], o prefeito respondeu imediatamente.

Parte de Nygglatho não se sentia bem ao usar sua posição, mas também não queria perder a oportunidade. Ela faria qualquer coisa para ajudar essas crianças, até se tornar um demônio. Bem, ela era um demônio de qualquer maneira, mas... Decidindo, Nygglatho falou.

[Você pode dar permissão as crianças para ter um tempo livre?].

Por ScryzZ | 03/08/18 às 14:55 | Aventura, Fantasia, Sobrenatural, Romance, Drama, Protagonismo Feminino, Guerra, Tragédia, Mistério, Sci-fi, Japonesa