CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
09º Tempo: 『ESSÊNCIA』Capítulo 4

Tempo;Rompido (T;R)

09º Tempo: 『ESSÊNCIA』Capítulo 4

Autor: Sora

Domingo, dia 13 de junho de 1998.

Novamente em sua casa, Natsumi acorda e segue toda a sua sequência matinal como qualquer outra adolescente do ensino médio em um fim de semana. Dormir até um pouco mais tarde é permitido ao menos nos sábados e nos domingos, o que fez com que ela acordasse quase 11h da manhã naquele dia.

Se levantou sem dizer muitas coisas, já que seus pais trabalhavam em Tóquio, mesmo local onde sua irmã gêmea Harumi morava; essa casa que Natsumi ficava, em Shirakawa, era basicamente a casa de seus falecidos avós maternos.

O avô faleceu ainda quando ela e Harumi eram pequenas, então as duas não lembram muito dele. Os pais delas se mudaram para a capital japonesa há cinco anos, levando Harumi junto, enquanto Natsumi disse que preferia ficar com sua avó na tranquila vila. Entretanto... a mesma veio a óbito na metade do ano passado, em 1997... exatamente no mesmo mês de junho.

E, agora, nesse mesmo mês do ano seguinte, a sua outra metade a liga dizendo que vai se mudar para Shirakawa novamente...

“Por que tudo isso veio em minha cabeça agora...?”, a garota de cabelo ruivo se perguntou, ainda de pé no banheiro, olhando para o pequeno espelho que refletia sua expressão cansada e cabisbaixa, enquanto a torneira estava ligada. Ela ficou por alguns segundos se fitando naquela superfície refletora, até que o barulho que o telefone de sua casa fez ao tocar, a tirou de seus pensamentos.

Ela ainda demorou alguns segundos para sair do banheiro, deixando até mesmo a torneira da pia ligada. Ela se aproximou e atendeu o telefone, o levando até seu ouvido.

— Alô...? – Com uma voz ainda rouca de sono, ela falou...

— Olá, Natsu!! Bom dia!! – A voz feminina a respondeu e logo após alguns segundos de atraso, Natsumi a reconheceu, dando um bocejo.

— Ah, bom dia... Misaka... – Natsumi esfregou seu olho direito – O que houve...?

— Hm, então! É que eu e o Kota combinamos ontem de chamar todos para darmos uma saída, o que você acha? – Animada como sempre, Misaka perguntou e garota de cabelo ruivo apenas olhou para o relógio de parede que tinha em sua sala, mostrando 11h06 da manhã.

— Desculpe, Misaka...

— Você não vai...? Está passando mal? Parece que...

— Não, eu acabei de acordar agora. E hoje eu irei buscar a minha irmã. – Retirando a preocupação de Misaka, Natsumi explicou o motivo da recusa e prosseguiu – Eu irei sair depois do almoço até a estação de Takayama...

— Entendi... bem, deixa para a próxima então, né?! Aí você aproveita e leva sua irmã também!

— Sim... pode ser, ela vai adorar. – Natsumi respondeu, sem sorrir, o que deixou até mesmo Misaka em silêncio do outro lado da linha em alguns segundos de silêncio – Agora preciso ir, até mais.

— Está bem... até... – A garotinha respondeu de forma mais preocupada ainda, quando só escutou os toques de quando o telefone é desligado e seguiu com o mesmo em seu ouvido por mais alguns segundos. Atrás dela, em sua casa, estava Mizuno Aki, que escutava toda a conversa – Realmente, ela parecia bem estranha... mesmo que tenha dado a desculpa de só ter acordado agora.

— ... – Aki seguiu em silêncio, com uma expressão preocupada da mesma forma que sua amiga e vizinha.

Do outro lado da linha, Natsumi seguiu ao lado do telefone após coloca-lo de volta no gancho, encostando suas costas na parede e se arrastando com ela até sentar ao chão, olhando para cima com um olhar aparentemente sem vida.

Novamente teve lembranças de quando sua avó morreu, praticamente há um ano... o som das sirenes da ambulância, a poça de sangue no chão, a expressão traumática da garota de cabelo ruivo que já tinha completado a mesma idade atual, já que seu aniversário era no mês anterior... que inclusive foi o último que ela comemorou com sua avó.

Após aquelas memórias esmaecerem de sua cabeça, ela voltou a escutar o barulho da torneira que havia deixado ligada no banheiro, se ergueu e foi até o mesmo. Ela deu um suspiro, sortuda por ter tirado a rolha do fundo, evitando assim um transbordamento que tiraria minutos de seu dia, além de muita paciência e voltou a seguir a sequência da matina antes da hora do almoço, quando iria sair em busca de sua irmã que chegaria na aldeia naquele mesmo dia...

 

Δ Δ Δ

 

 No mesmo dia, após o almoço.

— Bem, estão todos aqui? – Aki olhou para trás, vendo apenas Yoshiaki e Kotarou, além de Misaka ao seu lado – Com certeza não...

— Yoshi, a Suzuha não vem? – A garota de cabelo marrom fez a pergunta e o mesmo olhou para Kotarou, que apenas suspirou sem dizer nada.

— Bem, tentamos ligar para ela, mas... – Ele se lembrou de manhã, mais cedo, quando pegou seu telefone e discou o número da casa da garota. O mesmo sempre chamava, chamava e, no fim, a mensagem de que “não foi possível concluir a ligação, deixe seu recado após o sinal” era acionada e a ligação caía – Ninguém atendeu... ela deve ter saído com os pais ou algo do tipo.

— Estranho, ela sempre avisa que vai sair tal dia para evitar que isso aconteça... – Misaka colocou a mão sob seu queixo, enquanto erguia sua cabeça para o alto. O céu estava limpo, sem muitas nuvens e uma leve brisa de verão batia no local – Então, não tem o que fazer, são só nós quatro hoje mesmo... aquelas duas vão fazer falta.

— Verdade... – Aki respondeu, com um murmúrio, até que ela começou a seguir os três que foram andando em sua frente.

Os quatro seguiram passeando e passando por diversas lojas, lanchando e conversando pelo caminho, isso tudo durante quase duas horas andando. Diversas vezes pelo caminho, os quatro também puderam ver algumas viaturas policiais paradas em esquinas e também em demais estabelecimentos, alguns até com policiais da vila falando com vendedores e moradores...

Agora, eram 16h da tarde e o Sol já começava a se movimentar para o lado oeste de onde eles estavam, até que Aki se decidiu e puxou a manga da camisa de Yoshiaki levemente.

— Hm...? O que foi, Aki? – O garoto olhou para ela, que aproveitou a distração de Misaka e Kotarou, que estavam comprando alguns doces.

— Então, Yoshizinho... eu queria conversar contigo sobre uma coisa que vem me incomodando... – A garota de olhos violetas murmurou, cabisbaixa, o que fez Yoshiaki se virar completamente para fita-la – É sobre a...

— OHO! – Uma quinta voz surgiu de forma repentina, assustando os dois que estavam mais próximos e fazendo ambos Misaka e Kotarou se virarem – Então esses são os famosos amigos e amigas da minha irmãzinha?! Quem diria que iríamos encontrá-los no meio do caminho para casa!!! – Era uma garota de cabelo ruivo com várias malas ao seu redor, entretanto, que caía até metade de suas costas e olhos castanhos, literalmente igual a uma pessoa que eles conheciam bem...

— N-Natsumi...?! – Yoshiaki perguntou de forma acuada, pois a garota estava praticamente em cima dele e de Aki. E aquilo fez com que ela voltasse dois passos para trás, dando uma risada.

— Hahahahaha! Bem, é normal que nos confundam, afinal somos gêmeas, certo?! – A garota, que não era a Natsumi, deixou todos os quatro sem palavras, até que cruzou a perna esquerda atrás de sua direita, abaixando a cabeça e apontando para si mesmo com a mão destra – Eu sou Kawaguchi Harumi, irmã-gêmea de sua amiga... muito prazer...!

— Ah... a irmã... – Yoshiaki murmurou, lembrando que Natsumi havia comentado sobre ela no colégio.

— Não saia na frente desse jeito, Harumi. – Assim que a apresentação foi concluída de uma forma até que cômica, a “original” apareceu diante deles, ficando surpresa também ao encontrá-los ali – Pessoal...

— Ei, espera um momento, como ela já nos conhecia? – Kotarou e Misaka se aproximaram dos quatro, já com seus doces comprados e Harumi deu um sorriso triunfante.

— A amiga de vocês veio o caminho inteiro falando de vocês, obviamente que eu iria conhecer mesmo de longe após descrições tão detalha-!

— Ei, pare com isso! – Enqanto Harumi falava, sua irmã ia corando e corando, até que não aguentou mais e a interrompeu – Vamos logo para casa, essas malas são chatas de carregar!

— Oh, é verdade! Desculpe gentezinha, podemos nos conhecer melhor depois, temos que levar isso tudo lá para casa... – Harumi pegou novamente com suas duas mãos as malas ao seu redor e deu um sorriso forçado, até que Yoshiaki veio e pegou uma outra que estava com Natsumi.

— Você sempre foi assim, Natsumi... sempre tentando carregar as coisas por si só, sem pedir ajuda a ninguém. – Yoshiaki murmurou, deixando a garota e também os demais sem palavras – Vamos ajudar vocês a carregarem as malas até sua casa.

— Sim, vamos ajudar! – Aki esboçou um sorriso, também indo até as duas irmãs gêmeas, que se entreolharam e decidiram aceitar a oferta... afinal, aquelas malas não eram nada leves.

...

E passados alguns minutos, os seis chegaram até a nada pequena casa de Natsumi, que agora também seria moradia de sua irmã gêmea, Kawaguchi Harumi.

— Podem deixar aqui que levamos lá para dentro... – Natsumi comentou, enquanto sua irmã trazia as que já carregava para dentro de sua casa – Sério, pessoal, agradeço por terem se oferecido a nos ajudar.

— Sim, não há de que! – Misaka respondeu, erguendo os dedos indicadores e do meio da mão esquerda, com um sorriso. Assim como Aki, que olhava para ela... Natsumi percebeu e, se lembrando da conversa que tiveram no dia anterior no museu, abriu um leve sorriso que deixou a garota mais aliviada por dentro...

— Bem, está ficando tarde... melhor voltarmos para casa agora, né? – Kotarou perguntou, enquanto mascava um chiclete de morango, olhando para o céu que já começava a tomar uma cor alaranjada com o poente do Sol.

— Sim, pode ser. Hoje foi bem divertido! – Aki respondeu, olhando para os dois garotos, quando todos resolveram de despedir; como sempre, ela e Misaka foram juntas, já que moravam bem próximas...

...

— Hoje quando falei com a Natsu no telefone ela parecia bem estranha... mas, estava diferente quando encontramos com ela e a Haru! – Misaka comentou, quando as duas já estavam bem próximas de suas casas.

— Já até está a chamando de Haru... não faz nem duas horas que a conhecemos. – Aki deu uma leve risada e Misaka a empurrou de leve para o lado, também rindo com sua amiga – Então, nos veremos amanhã, né?

— Com certezinha! Estarei te esperando aqui na porta para irmos juntas à escola!! – Misaka prestou continência para Aki, que novamente riu e com isso, acenou com o braço direito, correndo em frente até chegar em sua casa.

— Estou de volta! – Com o espírito renovado, Aki entrou em casa, tirou seus calçados e olhou para a sala primeiramente, vendo sua mãe ao telefone com uma expressão mais fechada. Chie olhou para sua filha, que já havia avisado sobre seu retorno e voltou a murmurar no telefone.

— Sim... sim... ela acabou de chegar, irei desligar... depois nos falamos... – Aki só conseguiu entender claramente essas frases de sua mãe, que colocou o telefone no gancho e antes que sua filha pudesse falar alguma coisa, a abraçou com força – Que bom que voltou bem...!

— M-Mamãe...? O que aconteceu...? – Aki, um pouco estranha e aflita, murmurou ao ouvido de sua mãe, que voltou a ficar de pé e olhou para sua filha com um olhar ainda mais preocupado.

— Eram os pais de sua amiga, Suzuha. – As palavras de Chie simplesmente entraram pelos ouvidos de Mizuno Aki, a deixando paralisada na sequência – Eles disseram que ela não volta para casa desde que foi sexta-feira para a escola e também para a peça de teatro, com Yoshiaki.

— Hã...?

— Eles foram hoje mais cedo até a polícia e abriram uma investigação. Estão a procurando por toda a vila desde hoje de tarde... – Chie continuava falando e cada vez mais os olhos de Aki se arregalavam... o fato de ninguém atender Kotarou e Yoshiaki, as viaturas policiais que os mesmos viram diversas vezes enquanto passavam por locais da vila de Shirakawa...

Chie continuava falando...

Porém, a partir daquele momento, tudo ficou branco na cabeça de Aki, que não pôde simplesmente escutar mais uma palavra.

 

 

『Queda Profunda』

Por Sora | 03/11/18 às 17:28 | Suspense, Ficção Cientifica, Sobrenatural, Slice of Life, Mistério, Drama, Comédia