CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
10º Tempo: 『ESSÊNCIA』Capítulo 5

Tempo;Rompido (T;R)

10º Tempo: 『ESSÊNCIA』Capítulo 5

Autor: Sora

Segunda-feira, dia 14 de junho de 1998.

— Bem, venho a todos comunicar que uma de nossas exemplares alunas do ensino fundamental, Kudo Suzuha, está desaparecida desde a última sexta-feira, após ser vista pela última vez saindo de nossa escola e aparentemente indo para casa, com seu amigo. Peço que todos se informem o quanto puderem e que, caso saibam de alguma coisa, liguem para as autoridades responsáveis pela investigação. Torcemos e rezamos para que a encontrem logo, bem e alegre como sempre, portanto... iremos prestar um minuto para orarmos por ela... e para que tudo dê certo para Suzuha e sua família neste momento complicado de suas vidas...

Proclamou o diretor e neto do fundador do médio colégio de Shirakawa, enquanto todos os alunos de todas as turmas faziam pequenas filas no pátio da escola. Os amigos da garotinha desaparecida estavam arrasados, principalmente Aki e Yoshiaki, o garoto que foi visto por último com ela quando eles foram para a peça de teatro que o mesmo ganhou na loja do senhor Hisoka...

...

Ainda que fosse complicado para todos, principalmente o grupinho de amigos, as aulas seguiram normalmente naquele dia. Harumi foi rapidamente matriculada na escola e já seria apresentada após o intervalo, na mesma turma de sua irmã gêmea Natsumi.

Aki e Misaka, da mesma turma, ficaram em silêncio durante o período completo de aulas, até a hora da saída, quando se encontraram com Yoshiaki, Kotarou e apenas uma das irmãs que estavam os esperando na saída do colégio.

— Onde foi a Natsu? – A garotinha de cabelo marrom fez a pergunta, ao chegar próxima dos demais com Aki.

— Ela foi trabalhar. Como saímos alguns minutos mais tarde por conta do recado do diretor, ela acabou tendo que ir na frente... – Murmurou Harumi, que segurava sua mochila com apenas a mão direita, sobre seu ombro – Entãããão, eu não fui com ela porque quero me enturmar mais com vocês. Então, irei embora com vocês duas hoje!

— Hein...? – Foi a reação de Misaka, quando a garota de cabelo ruivo abraçou as duas por trás de suas costas.

— Nah, não temos nada para fazer, correto? Vamos juntas!

— Harumi... acho que não é bem o momento para isso. – Yoshiaki comentou, quando a garota voltou a notar Aki e Misaka ainda cabisbaixas, pensando no desaparecimento misterioso de Suzuha. Isso a deixou com remorso, porém, quando ela pensou em pedir desculpas...

— Não tem problema. Pode ir conosco, Haruzinha. – Aki falou, olhando para a garota com um leve sorriso – Mas, antes de irmos... preciso falar algo com você a sós, Yoshizinho. – O garoto de cabelo escuro apenas olhou para sua amiga, assentindo silenciosamente...

...

— Então... sobre o que quer falar? – Os dois foram para um local um pouco mais distante de onde os outros três, que seguiam conversando, estavam – Será que... sobre a Suzuha...?

— Também. – Aki respondeu, olhando cabisbaixa e séria para o garoto – Eu queria te contar uma coisa... sobre a Natsuzinha.

— Natsumi...?

— Sábado que passou agora, eu a encontrei em um museu de artes em Takayama, com minha mãe...

Você está certa, Aki. – O comentário dela fez com que a garotinha voltasse a olhar para a garota de cabelo ruivo – De verdade, eu queria muito que o Yoshi tivesse me convidado para ir com ele ao teatro... e não a Suzuha. Mas, não dá para se ter tudo que deseja, certo? “Querer não é poder”...

— Ela... falou isso...? – Após contar exatamente o que a garota disse enquanto lembrava do momento, Yoshiaki ficou com uma expressão um pouco perturbada. Ele olhou para baixo, estalando a língua e Aki seguiu o encarando de forma séria, em silêncio – Eu...

— Não estou dizendo que você fez errado ao convidar a... Suzuzinha... – Aki fez uma pausa dolorosa ao falar o nome de sua amiga, que agora estava desaparecida... Yoshiaki teve a mesma reação – Mas, acho que você... deveria falar com a Natsuzinha.

— Sim... Farei isso. – Yoshiaki respondeu, cerrando seu punho direito, enquanto a garotinha de cabelo loiro-claro seguia olhando para ele – Eu não devia... ter deixado a Suzuha ir embora sozinha...!

— Yoshizinho... – Aki murmurou, enquanto o garoto seguia com suas lamúrias... a situação era pesada para ele, mais do que qualquer outra pessoa – Vamos encontrá-la. Com certeza!

— É... espero que sim. – Após a última resposta do garoto de cabelo escuro, os dois voltaram até onde estavam Harumi, Misaka e Kotarou, esperando por eles.

— Vocês demoraram, hein! – A primeira reclamou.

— Desculpem. Vamos para casa, agora. – Aki forçou claramente um sorriso, que Misaka inclusive percebeu mais uma vez – Haruzinha e Mizinha, vamos jantar lá em casa?

— Aki...?

— Sim, sim, vamos lá! Vejo vocês amanhã, garotos! – Harumi, como se esquecesse a chamada que recebeu mais cedo, novamente abraçou Aki e Misaka, começando a andar em frente com as duas.

Yoshiaki e Kotarou apenas trocaram olhares diante daquilo, enquanto as três garotas foram em direção a casa de Mizuno Aki.

— Por que você quer tanto ir conosco, afinal...? – Misaka se dirigiu a garota de cabelo ruivo, que andava entre ela e Aki, olhando para frente de forma mais séria, ainda com um leve sorriso no rosto.

— Eu já disse. Quero me enturmar ainda mais com os amigos da minha irmã! – Harumi deu sua resposta e Misaka ficou em silêncio.

— Não fique assim, Mizinha. Nesse momento temos que fazer o que pudermos... – Aki respondeu a sua amiga, que a olhou um pouco preocupada e decidiu aceitar aquilo e seguir em frente. Harumi também deu uma leve olhadela para a pequena garota, sentindo algo em seguida e olhando para atrás de duas pequenas instalações na esquerda – Hm? Haruzinha...?

— Não... não foi nada. – A expressão alerta de Harumi deixou as duas garotas ao seu lado com um certo receio, entretanto, ela empurrou ambas pelas costas e seguiu andando em maior velocidade – Vamos logo que eu estou com foooome!

— Ei, não empurre assim! – Misaka reclamou, mas Aki notou que o sorriso que Harumi dava era claramente forçado. Ela evitou de olhar para trás, percebendo que sua preocupação não era a toa e seguiu indo em frente, como pedido pela irmã gêmea de Natsumi.

...

— Oh, eu não sabia que a Natsumi tinha uma irmã gêmea! – Pulamos já para a casa de Aki, onde ela e Harumi com Misaka foram recebidas por Chie, sua mãe; e a primeira foi apresentada para ela, que ficou surpresa com essa nova informação – Dá para confundir até de perto, se vocês não avisam eu iria achar que era a Natsumi.

— Sim, sim! É porque eu morei com nossos pais em Tóquio desde a infância. Natsumi que ficou de birra e quis ficar aqui com a avó. – Harumi respondeu, coçando a cabeça um tanto que desconcertada na frente de Chie – Porém, decidi me mudar para ficar com ela. Aqui realmente é bem mais tranquilo!

— Entendo, entendo. Bem, de qualquer forma, é um prazer conhece-la e seja bem-vinda! Akizinha, podem ficar de bobeira enquanto termino um lanche e faço a janta! – Chie olhou para sua filha, que acenou positivamente e chamou as duas para subirem até seu quarto, fechando a porta.

— Uoooou, que pequeno! Até o da Natsumi é maior! – Acostumada com os quartos maiores da grande Tóquio, Harumi arregalou os olhos e se sentou na cama de Aki – Err, não tem problema, certo...?

— Não. Sinta-se à vontade. – Aki respondeu, puxando um banco e se sentando, enquanto Misaka deixou sua mochila no chão e voltou a abrir a porta para...

— Eu vou no banheiro um instante e já volto. – Ela disse, fechando as portas e seguindo até o local. Enquanto isso, Harumi e Aki ficaram no quarto, a garota de cabelo ruivo olhando todo o cômodo de forma bem analítica.

— Sério, eu não quis ser rude nem nada... é que eu preciso de um tempinho para me adaptar, sabe?

— Eu entendo, não se preocupe com isso. – Aki respondeu, deixando o local bem mais pesado que o normal em um profundo silêncio.

— Entã-.

— Você disse que se mudou com seus pais para Tóquio, enquanto a Natsuzinha ficou com a sua avó aqui. – Aki, interrompendo Harumi que buscava quebrar esse silêncio, comentou, chamando atenção da irmã da garota – Então, por que decidiu voltar?

— Nossa, desse jeito pesado... eu fico até recluída aqui.

— Não, não é nada disso. É que... eu devo estar pensando demais.

— Na Kudo Suzuha, certo? – Harumi murmurou, pela primeira vez demonstrando um sorriso fraco e também entristecido; atrás da porta do quarto, estava Misaka, que evitou de abri-la naquele momento e seguiu parada escutando tudo – Eu sei bem como é perder alguém importante assim... de repente, sem que você menos espere. Quando eu estava no colegial em Tóquio, também vivenciei algo parecido.

— Como assim...?

— Uma vez, um amigo meu também havia desaparecido assim, de um dia para o outro. E nunca mais foi encontrado... – Harumi continuaria a falar, mas parou bruscamente; entretanto, Aki sabia o que seria aquela continuação e abraçou seu próprio corpo com medo – Desculpe, também não gosto de lembrar disso. Mas, você perguntou o porque de eu ter decidido voltar, né?

— Sim...

— Minha irmã... ela não é mais a mesma de antes, Aki. – Harumi respondeu, fazendo a garota arregalar os olhos e a do lado de fora do quarto ficar um pouco boquiaberta – Nossa avó morreu no ano passado, nesse mesmo mês de junho. Ela encontrou nossa avó... morta próxima a um templo da cidade.

Aki e Misaka, que obviamente não conheciam essa história, ficaram pasmas com as palavras de Harumi, que cerrou os punhos e depois os relaxou novamente em um momento intenso dentro de si mesma.

— Eu não pude me mudar logo naquela época, pois estava terminando o colegial. Vai fazer um ano que ela não está mais conosco nesse mundo, dia vinte. Natsumi sempre sofre com isso, tem pesadelos todas as noites com aquela cena... e ultimamente, isso tem retornado.

— Eu... não sabia sobre isso...

— É algo realmente complicado para ela. Após isso, eu lembro de uma vez que ela foi até Tóquio para me visitar nas férias, ano passado. O quão diferente ela ficou desde aquilo me assusta até hoje... mais cruel... mais agressiva... mais fria. – Harumi comentava enquanto lembrava de acontecimentos espalhados em sua memória com sua irmã gêmea nessa ocasião dita pela mesma – Às vezes, eu sinto que a deixar sozinha não seja a melhor das escolhas... afinal, ela pode se tornar uma pessoa totalmente oposta do que estamos acostumadas.

Aki e Misaka, que ainda estava do lado de fora do quarto, seguiam impressionadas com o que Harumi contava e sabiam que aquilo não era nenhuma mentira da garota. Por outro lado, em um outro local que aparentemente era um porão de uma casa, sangue escorria pelo chão... e uma pessoa com uma grande faca e olhos totalmente arregalados em insanidade mudou a expressão de seu rosto, para um sorriso sinistro.

 

『Buscando uma Prece』

Por Sora | 10/11/18 às 21:28 | Suspense, Ficção Cientifica, Sobrenatural, Slice of Life, Mistério, Drama, Comédia