CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
『PRÓLOGO』

Tempo;Rompido (T;R)

『PRÓLOGO』

Autor: Sora

Enquanto o tique-taque de um relógio ponteiro, preso à uma parede não tão distante dali, intercalava com o silêncio obscuro de um local desconhecido, uma respiração ofegante se fazia presente em meio ao breu daquele lugar.

Paralisia. Ela não podia se mover, nem que se esforçasse ou se debatesse para executar algum movimento; para falar a verdade ela nem tinha a força necessária para tentar algo do tipo. Era como se uma dor inquietante atravessasse quase todo o seu corpo, alheio a um cansaço desconhecido.

Ao despertar lentamente sua consciência, ela só viu a escuridão e mais nada. Não havia nenhum ponto de luz, seja por uma vela, janela ou até mesmo uma abertura em alguma parte do local, na qual a luz do Sol pudesse passar. Para falar a verdade, nem haveria como saber se era dia ou noite. Segundos após ir levemente reconhecendo algumas silhuetas de objetos à sua frente, ela teve uma gélida sensação percorrendo seus pulsos, que não estavam a sua frente.

Um som leve de correntes se fez presente e se uniu ao ponteiro que contava segundos e minutos ao fundo. Sua mente ainda estava confusa, suas memórias embaralhadas e seu vigor totalmente esgotado. Por um momento, ela pôde escutar som de passos, quase inaudíveis, se aproximando dela pela sua frente.

Seus olhos ainda não estavam completamente abertos, sua necessidade de despertar era grande, porém, parecia que uma força estranha a impedia de ver claramente a pessoa que estava agora na sua frente. Um brilho efêmero se fez presente, finalmente dando uma leve iluminação àquela escuridão. Era metálico e pontudo, cortante; uma faca de tamanho médio, sendo segurada pela mão direita da misteriosa pessoa, que sorriu.

— ... – Palavras indecifráveis foram proclamadas por ela, preparando a arma branca em sua mão.

A garota apenas sentiu um calor vindo de seu peito e nada mais. Seu pulso diminuiu, seu sangue começava a circular mais devagar, seu coração batia com menos frequência, suas sinapses falhavam. A pele ficou pálida como a Lua e o corpo foi ficando cada vez mais gélido, até que seus sentidos começaram a se esvair.

Primeiro a visão, depois o paladar, seguido do olfato e em consequência o tato. Por último, sua audição, seu último sentido que restava. Entretanto, antes do mesmo cessar, agora...

— Até... breve... – A voz sussurrada daquela pessoa chegou aos seus ouvidos pela última vez, antes de cair em um sono profundo...

E morrer.

 

Δ Δ Δ

 

Sonho.

Para a ciência, é uma experiência de imaginação do inconsciente durante nosso período de sono; para Freud e a psicanálise, os sonhos noturnos são gerados na busca pela realização de um desejo reprimido. Em diversas tradições culturais e religiosas, o sonho aparece revestido de poderes premonitórios ou até mesmo de uma expansão da consciência.

Pesadelo.

É um sonho penoso com sensação de opressão torácica e dispneia, terminando por um despertar sobressaltado ou agitado e com ansiedade, uma perturbação qualitativa do sono, ou seja, um distúrbio que se passa na nossa cabeça enquanto dormimos.

 

Δ Δ Δ

 

Um raio de luz atravessou as cortinas da janela daquele quarto arejado, quase todo pintado em uma monocromática cor rosa-bege. Após alguns segundos, seus olhos se abriram e fitaram o teto. Sua mente estava uma bagunça só e a primeira atitude da garota foi tentar reorganizar seus pensamentos.

Seu coração estava acelerado, adrenalina era produzida em seu sangue e suas sinapses estavam a mil por hora. A garota acabara de acordar de um pesadelo. Sua respiração ofegante foi diminuindo aos poucos, até que ela se ergueu lentamente em sua cama, ficando sentada.

Mais dez segundos se passaram, até que ela finalmente moveu sua cabeça para a direita, onde se encontrava a janela por onde o raio da luz do Sol passava e iluminava seu quarto. Após isso, ela voltou seu olhar para frente e de zero a três segundos abaixou sua cabeça, fitando seu peito e levando sua mão direita sobre o mesmo.

Até que finalmente suspirou e semicerrou seus olhos.

— Que sonho mais estranho...

 

『Abrindo os Olhos』

Por Sora | 25/08/18 às 13:00 | Suspense, Ficção Cientifica, Sobrenatural, Slice of Life, Mistério, Drama, Comédia