CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Capítulo 1.3 - A Maga Chega na Cidade『Garota, ocasionalmente, Justa』

To Aru Majutsu no Index (Index)

Capítulo 1.3 - A Maga Chega na Cidade『Garota, ocasionalmente, Justa』

Tradução: Sora | Revisão: Ed

PARTE 3

Kamijou Touma enfiou na boca todo o lixo aquecido e sorriu.

Mhh - disse a garota auto intitulada Index com uma expressão de queixa no rosto enquanto mastigava um biscoito. O jeito que ela segurava o pequeno biscoito em ambas as mãos a fazia parecer um esquilo.Ed: que vontade de morder ela!

Ok, você disse que estava sendo perseguida. Perseguida por quem?

Tendo retornado do Nirvana, Kamijou mais uma vez perguntou sobre o maior problema na história dela.

Ele não ia seguir uma garota que conhecera há menos de 30 minutos até as profundezas do inferno. No entanto, provavelmente já era tarde demais para que nada acontecesse.

“Então, no final, eu tenho que ir com astúcia de uma raposa”, pensou Kamijou, usando seu termo pessoal para fingir ser legal.

Ele sabia que não resolveria nada, mas ele ainda queria se consolar sentindo como se tivesse feito “alguma coisa”.

Hmm... - ela disse com uma garganta ligeiramente seca - Agora quem foi? Talvez fossem os Rosacruzes ou S∴M∴ aka Stella Matutina do Latim, Estrela da Manhã. Eu acho que foi um grupo assim, mas eu não sei o nome deles ainda. Eles não são o tipo de encontrar significados em nomes.

Eles? - Kamijou perguntou humildemente.

Aparentemente, ela estava sendo perseguida por um grupo ou por uma organização.

— Sim. - Disse a Index, surpreendentemente calma - Uma sociedade mágica.

……………………………………….

— Hã? Magia!? Hã? O que!? Isso é loucura!!

— Eh? Hm? M-Meu japonês soou estranho com isso? Eu digo mágica. Uma cabala mágica. A sociedade mágica era falada em japonês enquanto a cabala mágica era falada em inglês.

— … - Ouvi-lo em inglês não ajudou muito - O que, o quê? Você está falando de alguma seita perigosa que diz que qualquer um que não acredita no líder do culto receberá punição divina e lhe dará LSD para fazer uma lavagem cerebral em você? Isso é ruim de várias maneiras.

— Você está tirando sarro de mim?

— … desculpe, eu simplesmente não posso. Eu não posso aceitar magia. Eu posso conhecer todo tipo de poderes sobrenaturais como Pirocinese e Clarividência, mas eu simplesmente não posso aceitar magia.

— …?

Index pareceu confusa.

Ela provavelmente esperava que um crente na ciência apenas negasse que qualquer coisa estranha pudesse existir no mundo.

Porém, a mão direita de Kamijou possuía um poder sobrenatural.

Foi nomeado Imagine Breaker e poderia negar até mesmo os sistemas de Deus vistos nos mitos em um único golpe, desde que fosse um poder sobrenatural que excedia o comum.

— Poderes Espers são muito comuns aqui. O cérebro de qualquer pessoa pode ser "desenvolvido", de modo que os caminhos se abrem com a injeção de esperin em suas veias, eletrodos presos ao pescoço e certos ritmos tocados pelos fones de ouvido. Tudo pode ser explicado com a ciência, então é natural aceitá-lo, certo?

— Eu realmente não consigo entender…

— É normal! É completamente normal e totalmente normal.Três vezes é suficiente!?

— E então sobre magia? Magia é normal…

Index ficou emburrada como se alguém tivesse batido no seu gato de estimação.

— Umm... Bem, pegue a pedra-papel-tesoura por exemplo. Espere, é pedra-papel-tesoura conhecida mundialmente?

— Eu acho que é da cultura japonesa, mas eu sei disso…

— Ok, se você jogasse pedra-papel-tesoura dez vezes seguidas e perdesse a cada vez, haveria uma razão por trás disso?

— Mh…

Não vai, certo? Mas é da natureza humana pensar que existe. - disse Kamijou com pouco interesse - Você pensaria que não há como continuar perdendo assim. Você poderia supor que havia alguma regra por trás disso que você não podia ver. E quando você começa a pensar assim, o que acontece quando você começa a adicionar coisas como horóscopos?

— Você quer dizer algo como, 'vocês de câncer são azarados e não devem entrar em nenhum tipo de competição’...?

— Certo. Essa é a verdadeira identidade do oculto. A sorte é apenas nós sonhando com essas regras invisíveis. Enquanto a realidade é apenas algo patético como uma coincidência, nossos corações confundem isso com alguma grande inevitabilidade. Esse é o oculto.

Por um momento, Index franziu a testa como um gato insatisfeito, mas então ela disse:

— Então você não negou isso sem pensar nisso.

— Certo. E é porque eu dei esse pensamento sério que eu posso ver porque essas histórias antigas e mofadas não são boas. Não consigo acreditar em algum mago de um livro de imagens. Se pudéssemos ressuscitar os mortos com o único custo sendo um pouco de MP, ninguém estaria desenvolvendo esses outros poderes. Eu simplesmente não consigo acreditar no ocultismo que não tem conexão com a realidade da ciência.

Ele achava que as pessoas só viam os Poderes Espers como estranhos e misteriosos porque eram idiotas.

O fato de esses poderes serem explicados cientificamente era de conhecimento comum naquela cidade.

— Mas, magia existe… - disse Index, enquanto fazia beicinho.

Muito provavelmente, isso era algo como um pilar apoiando seu coração. Semelhante ao Imagine Breaker de Kamijou.

— Bem, tanto faz. Então, por que eles estavam te perseguindo?

— Magia existe.

— …

— Magia existe!

Parecia que ela obstinadamente queria que ele aceitasse.

— E-Então o que é magia? Você pode atirar fogo de suas mãos sem passar por nosso Currículo Esper? Se sim, gostaria de ver. Eu posso acreditar em você então.

— Eu não tenho poderes mágicos. Eu não posso usá-los.

— …

Kamijou sentiu como se tivesse acabado de ver um daqueles Espers fracassados que disseram que não podiam dobrar uma colher quando uma câmera estava presente porque os distraía.

Mesmo assim, um sentimento bastante complexo encheu seu peito.

Ele estava insistindo que o ocultismo não existia e que a magia era ridícula, mas ele realmente não sabia nada sobre o poder do Imagine Breaker que residia em sua mão direita. Como isso funcionou e o que estava acontecendo que ele não podia ver? A Cidade Acadêmica estava no auge do desenvolvimento de poderes do mundo, mas até mesmo o System Scan não conseguia enxergar através de seu poder, então ele foi rotulado como um Nível 0.

Além disso, esse poder não apareceu mais tarde devido a um cronograma científico. Estava na mão direita desde que ele nasceu.

Ele insistia que o oculto não existia e, no entanto, ele próprio fazia parte do oculto que ignorava as regras.

Mas mesmo assim, ele não estava disposto a aceitar o ridículo raciocínio de que a magia poderia facilmente existir apenas porque havia coisas estranhas no mundo.

— Magia existe…

Kamijou suspirou.

— Ok. Pelo amor do argumento, digamos que magia existe.

Pelo amor do argumento?

— Se isso existe. - continuou Kamijou, ignorando-a - Por que eles estão atrás de você? Tem algo a ver com o modo como você está vestida?

Kamijou estava se referindo ao extremamente e extravagante ‘hábito’ que a Index usava de pura seda branca e bordados de fios dourados. Outra maneira de dizer seria: "Isso tem a ver com a igreja?"

— Isso é porque eu sou o Index.

— Hã?

— Eles estão provavelmente atrás dos 103.000 grimórios que eu tenho.

……………………………………………………………….

— Novamente, eu não entendi absolutamente nada.

— Por que você parece perder toda a motivação toda vez que eu explico alguma coisa? Você é uma pessoa inconstante?

— Hum, vamos voltar sobre isso. Eu não tenho certeza do que esses grimórios que você mencionou são, mas a imagem que eu tenho é de um livro. Algo como um dicionário.

— Sim. O Livro de Eibon, o Lemegeton, o Unaussprechlichen Kulten, o Cultes des Goules e o Book of the Dead são bons exemplos. O Necronomicon é tão famoso que existem todos os tipos de imitações e falsificações, por isso não é muito confiável.

— Não, eu realmente não me importo com o conteúdo.

Ele queria acrescentar, "porque é tudo bobagem de qualquer maneira", mas ele segurou a língua.

Em vez disso, ele perguntou:

— Então, onde estão esses 100.000 livros?

Ele se recusou a desistir disso. Cem mil livros eram suficientes para preencher uma biblioteca inteira.

— Você quer dizer que tem uma chave para onde eles estão armazenados?

— Não. - Index balançou a cabeça - Eu tenho cada um dos 103.000 grimórios comigo.

— Hah? - Kamijou franziu a testa - Você não vai dizer que esses livros são apenas feitos para idiotas não enxergarem, não é?

— Você não poderia vê-los, mesmo se você não fosse um idiota. Não haveria nenhum ponto se alguém pudesse vê-los.

As palavras do Index foram tão removidas da realidade que Kamijou sentiu que estava sendo ridicularizado. Ele olhou ao redor, mas não conseguiu ver um único livro mofado que pudesse ser um grimório. Tudo o que ele viu espalhados no chão eram revistas de jogos, mangás e o dever de casa de verão que ele havia jogado em um canto.

— Wahh…

Ele se forçou a ouvir até então, mas ele não aguentava mais.

Ele começou a se perguntar se ela estava apenas imaginando que ela estava sendo perseguida por alguém. Se ela pulou do telhado do oitavo andar, estragou tudo sozinha, e ficou presa na varanda dele devido a uma ilusão, ela não era alguém com quem ele queria mais alguma coisa.

— Acreditar em Poderes Espers, mas não em magia, não faz sentido - disse Index, fazendo beicinho - Esses Poderes Espers realmente são tão bons assim? Não é certo zombar das pessoas só porque você tem algum tipo de poder especial.

— Bem, sim. - Kamijou deu um pequeno suspiro. - Concordo. Isso é exatamente correto. É errado pensar em si mesmo como acima dos outros só porque você pode fazer algum truque.

O olhar de Kamijou caiu para a mão direita.

Nenhum fogo ou raio viria de lá. Não poderia causar nenhum feixe de luz ou explosão, e nenhuma marca estranha apareceria em seu pulso.

No entanto, sua mão direita ainda poderia negar todos os tipos de poderes sobrenaturais. Não importava se esse poder fosse bom ou mau ou até mesmo os sistemas de Deus vistos nos mitos.

— Bem, para as pessoas que vivem nesta cidade, o poder que elas têm é como uma parte de sua personalidade, então você provavelmente deveria ser um pouco indulgente até onde isso vai. Na verdade, eu sou um desses Espers também.

— É isso, idiota. Hmph! Você sempre pode simplesmente dobrar uma colher com a mão em vez de mexer dentro da sua cabeça.

— …

— Hmph. Hmph! O que há de tão bom em um cara que deixou de lado seu eu natural para se colorir artificialmente? Hmph.

— Você não se importa se eu calar sua boca junto com esse orgulho ridículo, não é…?

— E-Eu não cederei ao terrorismo. Hmph - disse Index, como um gato insatisfeito - De qualquer maneira, você diz que é um Esper, mas o que você pode fazer?

— Umm, bem, se você colocar dessa maneira…

Kamijou estava um pouco inseguro sobre o que dizer.

Ele não costumava explicar seu Imagine Breaker para as pessoas. Além disso, como só reagia aos poderes sobrenaturais, não poderia ser explicado sem o conhecimento dos poderes sobrenaturais ou Espers.

— Sim, é esta minha mão direita. Ah, e no meu caso, não é doping; Eu tive desde o nascimento.

— Eu vejo.

— Se eu tocar algo com a mão direita, qualquer tipo de poder sobrenatural será negado. Isso vale para bolas de fogo com nível de bomba atômica, Railguns táticos ou até mesmo para os sistemas de Deus.

— Eh?

— Por que você está demonstrando um olhar como se tivesse visto uma pedra milagrosa que traz sorte em uma revista?

— Mas você nem sabe o nome de Deus e, no entanto, acabou de dizer que podia negar Seus milagres. - Surpresa, Index cravou sua orelha no mindinho e soltou uma risada desdenhosa.

— Kh... Isso é muito chato. Eu odeio ser ridicularizado por algum tipo de garota mágica falsa que afirma que a magia existe, mas não pode lhe mostrar isso.

Aquele murmúrio da alma de Kamijou Touma pareceu perturbar o Index.

— E-Eu não sou falsa! A magia realmente existe!

— Então me mostre alguma coisa, garota do Halloween! Você não vai acreditar em mim sobre o meu Imagine Breaker até que eu o destrua com a mão direita de qualquer maneira. Vamos lá, cabeça de fantasia!

— Tudo bem, eu vou! - Index jogou as duas mãos acima da cabeça em aborrecimento - Aqui! Essas roupas! Eles são a mais alta qualidade de barreira defensiva chamada a Igreja Ambulante!

Índice abriu os braços para mostrar o ‘hábito’ da freira em forma de xícara de chá.

Igreja Ambulante? Quê? Suas palavras não estão fazendo nenhum sentido! Não é muito legal continuar usando esses termos técnicos incompreensíveis, como Index e barreira defensiva, sabe!? Explicar as coisas significa dizer coisas para alguém que não entende de uma forma simples o suficiente para elas entenderem. Você não entende isso?

— Qu-? Como se atreve a dizer isso quando você nem está tentando entender!? - Index balançou os braços de raiva - Tudo bem, ver para crer, certo? Pegue uma faca na cozinha e me fure no estômago!

— Te esfaquear!? Isso vai acabar como uma notícia em que diz "tudo começou com um argumento trivial" ou algo assim!?

— Ah, você não acredita em mim. - Os ombros de Index subiam e desciam quando ela respirava pesadamente - Eles têm o mínimo de componentes necessários para formar uma igreja, para que eles sejam uma igreja na forma de roupas. A maneira como o pano é tecido, a maneira como os fios são costurados, a maneira como os bordados o decoram… tudo é calculado. Uma faca nem vai arranhá-la.

— Okay, certo. Que tipo de idiota concordaria em esfaqueá-la? Ele teria que ser um tipo de criminal juvenil sem precedentes.

— Você vai parar de zombar de mim? Esta é uma cópia exata do Sudário de Turim, a toalha usada pelo santo que foi esfaqueado pela Lança de Longino, então sua força é da Classe do Papa. Eu acho que você diria que é algo como um abrigo nuclear. Ele se desvia ou absorve qualquer ataque, seja físico ou mágico. Eu te disse que fui pega na sua varanda depois de levar um tiro, certo? Bem, eu teria um buraco gigante em mim se não fosse pela Igreja Ambulante. Você entende agora…?

“Cale a boca, idiota”.

A apreciação de Kamijou em relação a Index caiu rapidamente e ele olhou para suas roupas com desprezo.

— Hmm... então, se isso é realmente um poder sobrenatural, então seria despedaçado se eu tocasse com a minha mão direita?

— Sim, mas, apenas se seu poder for real. Heh, heh, heh.

— Perfeito! - Gritou Kamijou enquanto pegava o ombro de Index.

Como se tivesse agarrado uma nuvem, teve uma estranha sensação de que o impacto estava sendo absorvido por uma esponja macia.

— Espera… hein?

Kamijou coçou a cabeça e pensou.

E se tudo que o Index estivesse dizendo fosse verdade (por mais improvável que isso fosse) e essa Igreja Ambulante realmente foi costurada junto com o poder sobrenatural?

Negar esse poder sobrenatural faria suas roupas em pedaços?

— Huuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuh!?

Kamijou gritou reflexivamente com a súbita premonição de que estava prestes a subir subitamente alguns degraus da escada até a idade adulta. Mas…

…?

— Ehhhhhhhhh? Huh...?

Nada ocorreu. Nada ocorreu mesmo.

“Ah, por favor. Não me faça ficar preocupado desse jeito”.

Kamijou simplesmente não aguentou.

— Viu? O que foi tudo isso sobre o seu Imagine Breaker? Nada aconteceu. Heh Hehhn.

Index pôs as mãos nos quadris e soprou seu pequeno peito em orgulho.




Mas no instante seguinte, suas roupas caíram como a fita de um presente.

Todos os fios que foram costurados com muito cuidado tinham se desintegrado, transformando tudo em meros pedaços de pano.

O capuz de peça única, semelhante a um chapéu, deveria ser um item isolado, porque só ele permaneceu. Ter apenas a cabeça coberta fazia com que parecesse ainda mais doloroso.

A garota ficou imóvel com as mãos nos quadris e o pequeno peito estufado de orgulho.

Para resumir, ela estava completamente nua.

Por Sora | 09/12/18 às 15:00 | Ficção Cientifica, Ação, Sobrenatural, Seinen, Japonesa, Comédia