CAPÍTULOS
OPÇÕES
Cor de Fundo
CONTROLE DE FONTE
HOME INDEX
Epílogo - A Conclusão da Garota do Índice dos Livros Proibidos『Index Librorum Prohibitorum』

To Aru Majutsu no Index (Index)

Epílogo - A Conclusão da Garota do Índice dos Livros Proibidos『Index Librorum Prohibitorum』

Tradução: Sora | Revisão: yLoosT

— Parece que não foi nada - disse um médico gorducho em uma sala de exames em um hospital universitário.

O médico se virou em uma cadeira giratória. Ele deve ter percebido que se parecia com um sapo porque tinha um adesivo de um pequeno sapo na carteira de identidade em seu peito.

Index podia ter um grande amor pela humanidade, mas os cientistas eram o único grupo que ela não gostava.

Embora os magos fossem, de fato, uma coleção de esquisitices, ela achava que os cientistas eram ainda mais estranhos.

Ela se perguntou por que ela estava sozinha com ele, mas sem ninguém para estar com ela, não havia escolha.

Sim, ela não tinha ninguém para ficar.

— Eu não gosto de falar tão educadamente com alguém que não é meu paciente, então eu vou parar. Esta é a minha primeira e última pergunta para você como médico: Por que você veio aqui para o meu hospital?

Nem mesmo Index sabia a resposta para essa pergunta.

Ninguém - verdadeiramente ninguém - havia lhe dito a verdade.

Ela não gostava de ter magos que ela achava que eram seus inimigos para lhe contar sobre a limpeza anual de suas memórias ou sobre como um certo garoto arriscou sua vida para salvá-la daquelas circunstâncias horríveis.

— Mas ter três pessoas na Cidade Acadêmica sem uma identidade é uma grande surpresa. Você sabia que um feixe estranho derrubou um de nossos satélites de vigilância que deixou o Judgment bastante ocupado?

“Essa não foi sua primeira e última pergunta”.

Index era uma dos três sem uma identificação. Os outros dois eram provavelmente aqueles magos. Apesar de tê-la perseguido em todo o lugar, eles a trouxeram para o hospital e depois desapareceram sem deixar vestígios.

— A propósito, essa carta que você tem aí é deles, não é?

O médico de cara de sapo estava olhando para o envelope na mão de Index que parecia poder conter até mesmo uma carta de amor.

Com um olhar zangado, Index rasgou o envelope e tirou a carta.

— Oh? Eu pensei que fosse endereçado àquele garoto, não a você.

— Não importa. - respondeu uma Index indignada.

Desde que a carta foi enviada por "Stiyl Magnus" e começou com "Querido Kamijou Touma", foi simplesmente muito suspeito. Uma malícia mortal poderia ser sentida a partir do adesivo de coração no envelope.

De qualquer forma, a carta foi lida…

Qualquer saudação padrão seria um desperdício de tempo, então estou pulando isso.

Agora, você conseguiu mesmo, seu desgraçado… eu gostaria de dizer assim, mas se eu jogasse todos os meus sentimentos pessoais com você aqui, eu acabaria usando todas as árvores do mundo e ainda não tem papel suficiente para esta carta. Como tal, vou acabar com isso aí, seu bastardo.

Continuou assim por 8 páginas de papel de carta. Index silenciosa e cuidadosamente lia tudo, esmagando cada página que ela terminou e jogando-a atrás dela. O rosto de sapo do médico ficou cada vez mais aborrecido com cada nova página enrolada no chão do seu local de trabalho, mas ele não conseguiu dizer nada a Index que estava emitindo a estranha intimidação de uma criança maltratada à beira das lágrimas.

E na 9ª e última página, o seguinte foi escrito:

Por enquanto, vou fazer o mínimo do que a etiqueta exige de mim para sua ajuda e explicar sobre aquela garota e suas circunstâncias. Eu não posso ter nenhum de nós devido a qualquer outra coisa. A próxima vez que nos encontrarmos, temos a certeza de ser inimigos.

Nós não confiamos em vocês, cientistas, então a examinamos à nossa maneira antes que os médicos a vissem, e ela parece estar bem. Os superiores da Igreja Anglicana parecem querer recuperá-la o mais rápido possível, agora que a coleira foi removida, mas acho que uma abordagem de esperar para ver seria melhor. Embora pessoalmente eu não suporto tê-la consigo por mais um instante.

No entanto, ela usou magia com base nos 103.000 grimórios que, no modo Caneta de João, a Igreja preparou. Agora que Caneta de João foi destruído, é possível que ela possa usar magia de sua própria vontade agora. Se a destruição de Caneta de João fez com que seu poder mágico se recuperasse, precisamos reorganizar nossas forças.

Dito isso, não vejo como seu poder mágico poderia ter se recuperado de forma realista. Não vale a pena avisá-lo, mas um deus mago que pode usar livremente esses 103.000 grimórios é perigoso.

(Falando nisso, isso não significa que nós desistimos e estamos deixando-a para você. Uma vez que reunimos as informações que precisamos e reunimos o equipamento que precisamos, pretendemos voltar a tomar a menina novamente. Eu não gosto de pegar as pessoas desprevenidas, então certifique-se de se preparar para a nossa chegada.)

P.S.: Esta carta é feita para se auto-destruir depois de ter sido lida. Mesmo se você tivesse percebido a verdade, você precisa ser punido por fazer essa aposta sem nos consultar. Espero que isso tire um dedo ou dois daquela sua mão direita preciosa.

Depois de tudo isso, uma das runas de Stiyl foi esculpida no papel.

Assim que Index jogou freneticamente a carta, ela explodiu em pedaços com um ruído estridente.

— Você parece ter alguns amigos extremos. Eles mergulharam a carta em um explosivo líquido?

O fato de a carta explodir não surpreendeu o médico, o que fez com que a Index pensasse que ele era um pouco louco.

No entanto, os sentimentos de Index pareciam ter entorpecido também porque nenhum outro pensamento entrou em sua mente.

Como tal, ela decidiu fazer o que tinha vindo ao hospital para fazer em primeiro lugar.

— Se você quer saber sobre esse garoto, seria mais rápido apenas se encontrar com ele diretamente… era o que eu gostaria de dizer.  O médico de sapo realmente parecia estar se divertindo - Seria rude você receber o choque antes do menino, então que tal uma lição rápida de antemão?

Ela bateu à porta duas vezes.

Isso foi tudo o que ela fez, mas Index ainda sentia que seu coração ia explodir. Enquanto esperava por uma resposta, ela limpou incansavelmente o suor das palmas das mãos na saia de sua veste e fez o sinal da cruz.

— Sim? - Respondeu o garoto.

Index levou a mão à porta, mas depois hesitou, porque na verdade não lhe dissera para entrar e ela se perguntou se deveria perguntar antes de fazê-lo. Mas ela estava com medo de que ele dissesse algo como "Deus, você é persistente. Apenas entre logo”. Ela estava com muito medo.

Ela abriu a porta como se ela fosse um robô. Em vez de um quarto de hospital com 6 pacientes para o quarto, era uma sala privada. As paredes, o piso e o teto eram todos de um branco puro, o que lhe tirou a sensação de distância, fazendo a sala parecer estranhamente grande.

O menino sentou-se em uma cama branca e pura.

A janela ao lado da cama estava aberta e a cortina branca pura tremulava um pouco.

Ele estava vivo.

Só a verdade quase trouxe lágrimas aos olhos do Index. Ela não tinha certeza se deveria pular em seus braços naquele momento e ali, ou se deveria dar uma boa mordida em sua cabeça por ser tão imprudente.

— Hum… - disse o menino com um olhar interrogativo no rosto e ataduras enroladas em volta da cabeça como uma bandana - Você por acaso entrou em um quarto errado por engano?

As palavras do menino eram as palavras educadas e duvidosas de alguém que procurava informações.

Era a voz de alguém que acabara de receber um telefonema de um completo estranho.

–Isso foi menos como amnésia e mais um caso de destruição total da memória.

As palavras que o médico dissera a Index naquela sala de exames congelante de verão flutuaram no fundo de sua mente.

–Ele não apenas “esqueceu” suas memórias. As células do cérebro foram fisicamente destruídas. Eu realmente não vejo como ele poderia se lembrar dessas coisas novamente. Honestamente, alguém abriu seu crânio e colocou uma arma de choque dentro?

— …

A respiração de Index parou. Ela não pôde deixar de baixar o olhar.

Danos graves foram causados ao cérebro do garoto como reação ao uso excessivo forçado de seus poderes de Esper e como dano da própria luz que Index havia disparado. (Ou então ela tinha ouvido. Ela não se lembrava disso).

Já que foi um dano físico - isto é, apenas uma ferida - a cura poderia ter sido possível com a magia de recuperação, como com as costas abertas fatiadas da Index. No entanto, aquele garoto transparente tinha uma mão direita chamada Imagine Breaker. Isso negaria toda a magia, seja pelo bem ou pelo mal.

Em outras palavras, mesmo que ela tentasse curar o menino, essa magia de recuperação seria negada.

Tudo veio para a mente e o coração do menino estarem mortos em vez de seu corpo.

— Hmm?

A voz do garoto parecia insegura… não, preocupada.

Por alguma razão, Index não podia permitir que aquele garoto transparente falasse assim.

O menino foi ferido por causa dela. Não era justo que ele se preocupasse com ela.

Index forçou para baixo o que foi que estava se reunindo em seu coração e, em seguida, tomou uma profunda respiração.

Ela tentou sorrir e achou que poderia ter conseguido.

O menino era transparente de um lado para o outro, então estava claro que ele não se lembrava do Index.

— Hmm, você está bem? Me parece bastante triste.

Aquele garoto transparente quebrou seu sorriso perfeito em pedaços de uma só vez. Index recordou que o garoto sempre parecia capaz de ver as verdadeiras emoções escondidas atrás de seus sorrisos.

— Estou perfeitamente bem. - Index trabalhou para manter a respiração estável - Claro que estou bem.

O garoto transparente estudou o rosto da Index por um tempo.

— Hm… Nós nos conhecíamos por acaso?

Essa pergunta foi a mais difícil para a Index.

Isso provou que o garoto transparente não sabia nada sobre ela.

Nada. Verdadeiramente nada.

— Sim… - respondeu Index enquanto ela estava no meio do quarto do hospital. Sua linguagem corporal era semelhante a uma estudante do ensino fundamental em um mangá que tinha sido enviado para se destacar no salão por esquecer o dever de casa - Touma, você não se lembra? Nós nos encontramos na varanda do seu dormitório.

— Eu moro em um dormitório…?

— Touma, você não se lembra? Você destruiu minha Igreja Ambulante com a mão direita.

— O que é uma Igreja Ambulante? É algum tipo de nova religião de corrida…?

— Touma, você não se lembra…? Você lutou contra magos por mim…

— Touma é o nome de alguém?

Index sentiu que ela não poderia continuar falando por muito mais tempo.

— Touma, você não se lembra…? - Mesmo assim, ela teve que pedir uma última coisa - Sua amiga, Index… que amava você.

— Sinto muito. - disse o rapaz transparente - E o que é o Index? Não soa como o nome de uma pessoa. Eu tenho um gato ou um cachorro?

— …

Index sentiu o desejo de chorar subir tão alto quanto seu peito.

Mas ela esmagou esse desejo e forçou isto abaixo.

Ela forçou e sorriu. Não era um sorriso perfeito, mas ela pelo menos conseguiu dar um sorriso desmoronado.

— Eu só estou brincando! Você caiu totalmente! Ahahahahaha!! yLoosT: Mano, que fdp...

— Hweh…?

Index congelou no local.

A expressão insegura deixou o rosto do garoto transparente. Foi completamente trocado por um sorriso feroz e incrivelmente malvado com caninos à mostra.

— Por que você está ficando tão emotiva por ser chamada de cachorro ou gato, você é masoquista? O que, você está em coisas como coleiras ou algo assim? Vamos, eu não tenho intenção de ter esse fim comigo revelando um interesse secreto em sequestrar e confinar garotinhas.

Em algum momento, a cor encheu o garoto transparente.

Index não entendia por quê. Ela pensou que estava imaginando coisas, então esfregou os olhos. Ela pensou que estava ouvindo coisas, então ela limpou as orelhas. Parecia que sua veste de tamanho perfeito tinha, de alguma forma, se tornado grande demais para que um ombro estivesse prestes a escorregar.

— Hã? Hein? Touma? Hã? Disseram-me que suas células cerebrais tinham sido destruídas, então você esqueceu tudo…

— Ah, vamos lá. Não faça parecer que teria sido melhor se eu tivesse. - Kamijou suspirou - Você é realmente lenta. É verdade que escolhi pegar essas penas de luz no final. Eu não sou mago, então não tenho ideia de quais efeitos eles tiveram, mas de acordo com o médico, minhas células cerebrais foram danificadas. Como tal, eu deveria ter amnésia, certo?

— Você deveria?

— Sim. Afinal, esse dano foi feito pelo poder mágico, certo?

— Ah. - disse Index, percebendo algo.

— Isso mesmo, é isso, e você conseguiu. É três vezes o suficiente? Isso simplifica as coisas. Eu apenas toquei a minha cabeça com a mão direita e usei o Imagine Breaker em mim.

— Ahh… - Index sentou-se fracamente no chão.

— Basicamente, eu apenas tive que negar o dano mágico antes que ele pudesse chegar ao meu cérebro e causar danos permanentes lá. Se fosse mais como um fenômeno físico como as chamas de Stiyl, isso nunca teria funcionado, mas aquelas penas de luz não eram mais do que um estranho poder sobrenatural, então não havia problema.

Era o mesmo que uma bomba não explodir, ainda que seu estopim estivesse aceso enquanto o fusível fosse cortado antes de atingir a bomba.

Antes que o dano que corria através do corpo de Kamijou pudesse atingir seu cérebro, ele havia negado o dano em si.

Isso soou bem ridículo.

Soou definitivamente ridículo, mas a mão direita daquele garoto, Imagine Breaker, tinha o poder de até mesmo anular os sistemas criados por Deus.

Enquanto Index se sentava no chão em um estado de torpor com as pernas dobradas para os lados, ela olhou para o rosto de Kamijou. Agora ela tinha certeza, o ombro do hábito absoluto de sua freira havia escorregado. Sua expressão era tão estúpida quanto.

— Ha ha ha. Cara, você deveria ter visto seu rosto. Com a forma como você sempre tem todos voluntários para o seu bem, espero que este incidente tenha lhe ensinado alguma coisa.

— …

Index não pôde responder.

— …Hã…?

Kamijou ficou um pouco inseguro de si mesmo e o tom de sua voz caiu.

Index lentamente abaixou a cabeça e sua longa franja prateada cobriu sua expressão.

Quando ela se sentou no chão, seus ombros tremeram um pouco. Parecia que ela estava rangendo os dentes.

Com um tom desagradável em sua voz, Kamijou voltou a procurar informações.

— Hmm, há uma coisa que eu gostaria de perguntar. Posso perguntar, princesa?

— O quê? - Respondeu Index.

— Hmm…  Você está com raiva por acaso?

A chamada da enfermeira tocou.

O grito de um menino que havia sido mordido no topo da cabeça tocou em todo o hospital.

Procurando um ajuste perfeito para alguns efeitos sonoros irritados, Index saiu do quarto do hospital.

— Oh? - Disse uma voz perto da entrada. O doutor com cara de sapo entrou no momento em que Index estava saindo e ele quase esbarrarou nela - Eu vim porque a chamada da enfermeira foi interrompida, mas… Ah, agora isso é ruim.

A parte superior do corpo do menino escorregou da cama e ele chorou enquanto segurava o topo da cabeça com as duas mãos.

— Eu vou morrer. Eu realmente vou morrer - ele murmurou para si mesmo com tal realismo que era assustador.

O médico olhou de volta para a porta aberta para o corredor antes de voltar para Kamijou.

— Você deveria ter feito isso?

— Feito o quê? - Respondeu o menino.

— Você não se lembra de nada, não é? yLoosT: Puts…

O garoto transparente ficou em silêncio.

A realidade que Deus criou não era tão gentil e calorosa quanto o que ele dissera àquela garota.

Como resultado da magia que os afligia, o menino e a moça haviam desmoronado no apartamento e os dois auto intitulados magos os levaram para o hospital. Esses supostos magos disseram aos médicos o que havia acontecido e os médicos, é claro, não acreditaram neles. Os médicos só disseram ao menino tudo isso porque sentiam que ele tinha o direito de saber.

Para ele, foi como ler o diário de outra pessoa.

Não importava para ele o que o diário de outra pessoa dizia sobre uma garota que ele não conseguia imaginar em sua cabeça ou reconhecer se a via.

O que ele disse a ela não tinha sido nada mais do que algo que ele inventara baseado no que o diário de outra pessoa havia dito.

Mesmo se dissesse que a mão direita, que estava envolta em bandagens, continha um poder que poderia destruir até as regras criadas por Deus…

Ele definitivamente não acreditaria.

— Mas, eu deveria mesmo ter feito isso? - Disse o garoto transparente.

Mesmo que tivesse sido o diário de outra pessoa, tinha sido tão agradável… e tão doloroso.

Suas memórias perdidas nunca voltariam, mas ele de alguma forma conseguiu pensar nisso como uma coisa muito triste.

— Por alguma razão, eu não queria fazer aquela garota chorar. Foi assim que me senti. Eu não sei que tipo de sentimento foi e provavelmente nunca me lembrarei, mas era assim que eu me sentia do mesmo jeito. - O garoto transparente deu um sorriso verdadeiramente incolor - Doutor, por que você acreditou nessa história? Quer dizer, ser médico é o mais longe que você consegue de coisas como magos e magia.

— Não necessariamente. - Um olhar orgulhoso apareceu no rosto do doutor como cara de sapo - Os hospitais e o ocultismo têm uma relação surpreendentemente próxima. E eu não estou falando de fantasmas assombrando hospitais… dependendo de sua religião, algumas pessoas se recusam a tomar transfusões de sangue, recusam a cirurgia e vão processá-lo, mesmo que você tenha salvo a vida delas. Para um médico, é melhor apenas fazer o que o paciente diz quando se trata do oculto.

O doutor sorriu.

Ele não sabia por que estava sorrindo. Quando ele viu o menino sorrir, ele instintivamente sorriu de volta como se fosse uma imagem espelhada do menino.

Ou talvez fosse o menino que era um espelho do médico.

Isso foi o quão oco o sorriso do menino era. Era como se ele não pudesse nem sentir tristeza.

O menino era realmente transparente.

— Eu ainda posso lembrar mais do que você pensa.

O doutor com cara de sapo olhou para o menino transparente em ligeira surpresa.

— Suas memórias foram 'mortas', células cerebrais e tudo mais.

“Que coisa ridícula para eu dizer”, pensou o médico.

Mas, ele continuou.

— Para comparação do corpo humano a um computador, seu disco rígido estava totalmente frito. Se não houver dados no seu cérebro, onde estão essas memórias?

De alguma forma, o médico sentiu que a resposta do garoto iria afastar aquela lógica ridícula.

— Isso não é óbvio? - Respondeu o menino transparente - No meu coração.

Por Sora | 27/01/19 às 14:38 | Ficção Cientifica, Ação, Sobrenatural, Seinen, Japonesa, Comédia