O Herdeiro do Mundo 04

/O Herdeiro do Mundo 04
Capítulo Anterior
Índice
Próximo Capítulo

Autor: Edson Fernandes da Costa | Revisor: Yan Fonseca

Capítulo 04 – Liberação Total da Escuridão

Rael não suportou a dor e acabou desmaiando nos braços firmes de Violeta, ela pôde sentir o garoto perdendo as forças. Nem mesmo um adulto iria suportar tal dor, quanto mais uma criança. Na verdade ele ainda havia ficado acordado tempo demais até desmaiar.

            Segundos depois Violeta suspirou enquanto deixava sua boca deformada voltar para o lugar, assim como seus dentes a mais que sumiam, ela ainda podia sentir o gosto saboroso do sangue de Rael em seus lábios, o que quase a fez entrar em ecstasy.

            Ela o deitou cuidadosamente no chão e se acalmou enquanto assistia o espetáculo ocorrer no corpo de Rael. Agora o ombro sem nada se abria na carne viva enquanto a pele latejava, as células pareciam gigantes enquanto borbulhavam dentro do ombro do garoto, dando vida a ossos e a nova mão que ia acabando de surgir se cobrindo com uma pele azul, se Rael estivesse acordado agora, ele certamente estaria gritando, porque a dor provavelmente seria muito maior que a mordida anterior.

            A pequena mão saiu e assim como o pequeno braço ainda eram desproporcionais ao corpo, era um braço de bebê em uma criança. Então o braço continuou crescendo e crescendo junto com a mão, até se tornarem do mesmo tamanho do outro braço e mão.

            Tudo foi bem rápido, coisa de poucos minutos, logo o novo braço direito estava lá estirado ao lado do corpo de Rael e todo o ombro voltou ao normal, fechando todas as possíveis feridas. Violeta sorriu satisfeita com o resultado, e suspirou em seguida, ela estava agradecida que tudo tinha acabado antes dele acordar.

            Rael despertou mais tarde se sentindo ainda estranho, ele estava com um pouco de dor de cabeça e um pouco tonto, deitado sobre uma coberta macia, se sentou e constatou que estava em um quarto. Ele se virou e olhou para o seu novo braço, seus olhos ficaram arregalados, isso porque ele tinha se sentado e se escorado com o braço esquerdo para apoiar o corpo, e automaticamente o novo braço direito havia feito a mesma coisa do outro lado, apoiando-se nas cobertas também.

            Ele tentou mover o braço direito e não conseguiu, tudo que ocorria era um leve movimento dos dedos. Rael também estranhou o braço e a mão serem azuis bem clarinhos, o formato era igual ao seu braço e mão esquerda, só a cor era diferente, até suas unhas eram brancas também. Isso não o incomodou por muito tempo, ele estava feliz por ter um braço mesmo que fosse diferente e que no momento não pudesse movê-lo direito, mas ele sentia que ia se acostumar com o tempo.

            Rael inspecionou o quarto em que estava, havia várias cobertas no chão, pedras espirituais haviam sido presas nas paredes iluminando o quarto, assim como as que tinham na sala de antes, havia apenas uma cômoda no canto da parede, onde vários papéis e pergaminhos estavam em cima e provavelmente também guardados nas gavetas. Rael se levantou e abriu a porta à frente, voltando para a sala. Violeta estava em pé preparando algo no fogão de pedra e se virou para ele, assim que sentiu sua presença.

― Então você já acordou, foi mais rápido do que imaginei. ― disse ela com um sorriso satisfeito.

            Rael ainda olhava a nova mão tentando movê-la e tudo que conseguia eram pequenos movimentos dos dedos como anteriormente. Embora ele sentisse o novo braço e mão normalmente, ele ainda sim não conseguia mover direito.

― Não se preocupe com isso, em breve você poderá movimentá-la melhor, o importante é que agora com o novo braço você poderá finalmente cultivar.

― Vamos começar imediatamente! ― Rael apressou-se com uma voz firme, e as suas duas mãos se apertaram fechando os punhos. Embora Rael só tenha feito esse movimento com a mão esquerda. Violeta percebeu, mas não disse nada, sorriu para si mesma, virou-se para a panela e com uma concha de madeira, experimentou o líquido cuidadosamente.

― Tudo bem, já está pronto. ― ela rapidamente encheu um copo com a concha e levou até Rael que ficou olhando confuso. ― Beba tudo, vai melhorar sua dor de cabeça e sua tontura, sei que está sentindo isso agora. ― Rael obedeceu segurando com a mão esquerda e quando tentou tomar, quase se queimou de tão quente que estava, teve que tomar o líquido mais devagar mesmo estando com pressa, enquanto soprava algumas vezes. Violeta ficou apenas esperando calmamente de braços cruzados, enquanto olhava para ele de cima.

            O motivo de um cultivador não poder cultivar sem um braço não é exatamente pela falta dele, é pelas ativações iniciais que devem existir, é como um batismo que deve ser feito logo no início quando ainda se é uma criança. Existem movimentos e formas que os dois braços precisam fazer, assim como o resto do corpo. Esses movimentos, ativam as formas das veias espirituais e iniciam toda a transformação necessária para liberar o poder interior. Parece uma coisa relativamente boba, porém é o passo inicial mais importante na vida de um futuro cultivador. Sem fazer essas ativações, o corpo não se adéqua e então é impossível seguir com qualquer treinamento.

― Ótimo, agora venha comigo. ― disse Violeta, puxando o garoto para o centro da sala em um espaço mais vazio.

            Violeta sabia que a maior parte das pessoas escolhiam entre nove tipos de movimentos para liberar as veias espirituais, esses movimentos estão ligados geralmente a um tipo especial de elemento ou apoio, como fogo, terra, força, vida, água, vento, raio, amplificação ou luz. O ponto inicial dessa liberação é o mais importante no caminho de um cultivador. Porque é esse ponto que especificará a capacidade de um especialista em aprender e se desenvolver. Um especialista que seguir o caminho do fogo por exemplo: ele ainda pode tentar combinar outros caminhos como terra ou força, porém sua maior força será o escolhido pela liberação inicial (fogo). Não há uma lei absoluta que diga com clareza todas as combinações e o limite de uma pessoa, mas no geral, o ponto inicial da liberação é o mais importante.

― Qual é a liberação mais adequada pra mim? ― perguntou Rael parado em frente a Violeta. Rael conhecia os movimentos, mas não sabia de onde vinha esse conhecimento. Ele nunca havia feito, nem havia visto. Ele estranhamente sabia como aquilo funcionava, até conhecia todos os movimentos.

― Não vamos usar nenhuma liberação que você conheça, iremos usar uma que foi desenvolvida pelo meu povo, o nome dela é Liberação Total da Escuridão ― disse violeta em um tom sério.

Rael não entendeu, mas não questionou, ele havia ganhado um braço dessa mulher, e por tanto, iria seguir qualquer ensinamento, desde que isso não atrapalhasse seus futuros sonhos.

― E o meu novo braço? Ele não vai atrapalhar por enquanto? Eu ainda não controlo ele. ― disse Rael se lembrando desse fato enquanto olhava para o mesmo.

― Não se preocupe, apenas tenha em mente os movimentos e ele irá cooperar.

― E a essência de batismo? Onde está? ― perguntou Rael olhando em volta.

            Além dos movimentos e palavras também tinha a essência, trata-se de um liquido energético, ele era preparado e derramado na cabeça do iniciante antes dos movimentos. Essa essência era preparada por alquimistas, usando pedras especiais e algumas ervas. Não era o mesmo tipo para todas as liberações, cada uma havia uma preparação diferenciada e por isso os preços eram variados.

― Não se preocupe com isso, o batismo desse é um pouco diferente, só ocorre no final. ― explicou Violeta tranquilamente.

― Huum… então tudo bem, mostre e diga as palavras. ― disse Rael se voltando para ela.

            Violeta então iniciou os movimentos e pra cada movimento as palavras de ativação. O braço novo não foi um problema porque ele se movia de acordo com o movimento mesmo que não tivesse total controle dele. Rael ficou impressionado com o braço, ele fazia tudo certinho.

            Conforme Rael obedecia, ele sentia a energia de aceitação correndo por todo o seu corpo e o arrepiando inteiro.

            Rael achou estranho que os movimentos e palavras foram apenas quatro. Para cada escolha geralmente havia até sete movimentos, além disso, ele nunca tinha visto nenhum desses movimentos, nem mesmo essas palavras, mas mesmo não tendo visto, ele os fez tão perfeitamente e disse as palavras tão espontaneamente que até Violeta não pôde deixar de levantar as sobrancelhas impressionada. Ela só precisava fazer o movimento e dizer a palavra uma vez, e ele conseguia fazer tudo em seguida perfeitamente, até mesmo ela que era considerada um grande gênio de sua época não conseguiu fazer todos os movimentos de primeira, nem mesmo depois de ganhar sua linhagem demoníaca.

            Uma vez que o movimento fosse feito corretamente, ao termina, ele sentia as veias despertando pelo corpo enquanto o poder fluía em si, então ele já confirmava para Violeta. A cada confirmação Violeta ficava cada vez mais chocada, mesmo pessoas treinadas teriam dificuldades em fazer aquilo de primeira, ainda mais um garoto de dez anos…

― Já acabou? ― perguntou Rael um pouco confuso.

            Violeta olhava para ele como se estivesse presa em uma hipnose, enquanto Rael ficava olhando de volta esperando ela dizer qualquer coisa. Aquilo não durou muito.

― Já, como está se sentindo? ― perguntou Violeta, depois de por os pensamentos de volta no lugar.

― Eu sinto como se meu corpo estivesse banhado em ondas quentes por dentro, é como se meu sangue estivesse borbulhando, mas sem me deixar com dor. ― explicou Rael olhando o próprio corpo.

― Então parece que ocorreu tudo bem. ― concordou Violeta abrindo um leve sorriso.

― E a essência do batismo? ― perguntou Rael se lembrando.

― Vou fazer isso agora mesmo. ― Violeta andou para frente e se aproximou de Rael ficando em frente a ele, depois se agachou.

            Rael permaneceu sério olhando ela curiosamente.

― Mantenha os olhos fechados e não abra até eu dizer. ― ordenou Violeta.

― Isso vai doer como daquela vez? ― perguntou Rael enquanto fechava os olhos.

― Não, mas você só pode abri quando eu disser. ― repetiu Violeta.

― Tudo bem. ― concordou Rael, aparentando um pouco de alivio.

            Violeta ficou um tempo olhando o garoto a frente, ela tentou imaginar que futuro ele teria e o quão longe chegaria. Ela suspirou fechando os olhos por breves segundos enquanto baixava a cabeça. Depois que ela reergueu a cabeça e abriu os olhos, eles estavam escuros quanto a própria noite sem nenhuma vida, raízes negras pulsantes nasciam em volta dos olhos e espalhavam pelo seu lindo rosto. Apesar de dar a ela uma feição mais obscura e meio monstruosa, ela ainda conseguia continuar bonita. Ela não queria que Rael visse essa parte dela, ela queria que ele sempre se lembrasse dela com um perfeito e lindo rosto humano. Como sua voz estaria diferente, ela também não falou nada, apenas estendeu a mão segurando a nuca do garoto e aproximou os lábios lentamente enquanto fechava os olhos. Sua boca se abriu e era possível ver uma fumaça escura saindo entre seus belos lábios. Então ela beijou o garoto. Rael não ficou muito surpreso por estar sendo beijado, afinal aquela não era a primeira vez. Ao mesmo tempo ele também sentiu recebendo algo estranho, porque toda sua boca e suas bochechas esquentaram. Logo após o pescoço e seu peito.

            Violeta continuou beijando e passando a essência por alguns segundos, até finalmente parar e se afastar. Fechou os olhos e acalmou seus instintos fazendo seu rosto se normalizar. Rael ainda ficou lá parado, de olhos fechados como ordenado, sentindo todo o seu corpo começar a pulsar por dentro. Suas veias pareciam estar ganhando vida, ele podia sentir até mesmo seus nervos se movimentando por dentro. Essa sensação era incrível. Rael estava suando, mas não estava com dor, seu corpo inteiro estava quente. Ele ainda estava com o gosto doce na boca devido o beijo, que não envolveu apenas a essência.

― Você já pode abri os olhos. ― disse ela ainda agachada em frente a ele. Rael obedeceu e viu o rosto de Violeta. Ele olhou para suas próprias mãos e para seu corpo com um ar curioso.

― Meu corpo inteiro está quente e formigando, incrível. ― disse Rael.

― Isso é maravilhoso, você não teve mesmo nenhum problema com o elemento escolhido. ― disse Violeta satisfeita e se levantou.

― Violeta que tipo de elemento ou apoio eu serei melhor? ― perguntou Rael curioso.

― Escuridão ― disse Violeta, deixando Rael confuso e ao mesmo tempo impressionado, ele nunca tinha ouvido falar desse tipo de poder.

― O que isso quer dizer exatamente? ― perguntou Rael.

― Você tem o coração coberto em ódio, a sua alma clama por vingança, então eu decidi liberar o caminho da Escuridão pra você. ― disse Violeta expressando um ar pensativo.

― Eu não entendo. Esse Escuridão combina com algum outro elemento?

― Com todos os existentes, por isso é chamada de Liberação Total da Escuridão ― disse Violeta.

            Rael ficou impressionado. Mesmo não sabendo de todas as leis dos elementos e apoios, ele sabia que geralmente haveria um máximo de duas combinações pra cada caminho escolhido. Se isso fosse verdade, ele não conseguia imaginar o poder que poderia adquirir.

            Ter todas elas seria um sonho para qualquer cultivador. Não um sonho, seria na realidade impossível, se um cultivador já é um gênio por conseguir manipular quatro caminhos em vez de três, imagina poder controlar todos eles?

            Os treinamentos iniciaram. Todos os dias, Rael fazia uma repetição de treinos que contava inclusive com leitura de livros de alquimia. Uma parte do dia era separada para a cultivação, outra era separada para leitura e outra era separada para a confirmação de tudo que ele havia lido. Violeta mostrava as fórmulas e essências da maioria das ervas, ela se gabava de ser uma das melhores alquimistas do seu tempo enquanto ensinava Rael.

            Rael tinha uma sede insana para aprender de tudo, pela vida que ele viveu nunca teve um mestre antes e agora tinha Violeta, que estava disposta a ensinar tudo que ele precisasse. Além do mais, ela confirmava os ensinamentos e sempre ficava chocada, porque nem mesmo uma única vez ele falhara em produzi um elixir ou mesmo outras espécies de remédios e fórmulas. Que tipo de monstro ele era?

            Os treinamentos só paravam nas horas de comer e no final do dia, onde Rael tomava um banho antes de dormir. É claro, ele dormia junto com Violeta ambos naquele quarto com cobertas.

            Violeta deixava Rael treinando e constantemente ia até a cidade para fazer compras e se atualizar, aos poucos ela foi entendendo as razões pela qual Rael queria tanto libertar o mundo da escravidão.

Com um tempo ela tinha comprado vários móveis a mais, como até mesmo uma cama. Rael nunca questionou o fato de dormir na mesma cama com sua mestra, mesmo achando estranho no início, principalmente porque ela vivia o abraçando, em certo ponto ele começou a achar aquilo natural e as vezes até abraçava ela de volta. Além do mais o cheiro de Violeta era sempre muito agradável para Rael, então ele realmente não se importava de estar sempre com ela.

            Passados três anos, Rael tinha se desenvolvido a um ponto onde ele jamais seria reconhecido. Seu corpo estava bem mais desenvolvido fisicamente, ele estava mais alto e mais forte. Seus cabelos eram agora levemente vermelhos, eles também estavam mais longos, agora caiam um pouco para baixo do pescoço. A parte da frente do cabelo era penteada para trás, dando a impressão que a cabeça dele era um pouco maior, isso dava a ele um ar mais sério e até mais bonito que antes.

As vezes ele saia até a cidade com ela apenas para acompanhar e se acostumar com esse fato. Ele tinha que usar luvas e até vestimentas de mangas longas para esconder o braço diferente. Em falar no braço, Rael tinha um pouco mais de controle, embora ele ainda as vezes fazia coisas inesperadas durante os treinamentos.

            Passado mais dois anos, Rael finalmente se preparava para iniciar sua vingança e mostrar ao mundo o que ele finalmente tinha aprendido.

            Rael e Violeta estavam prestes a sair do esconderijo. Violeta tinha proposto que antes dele iniciar seus planos, ele se estabilizasse na cidade e procurasse entender todos os costumes e poderes de seus futuros inimigos. Ele tinha que saber até onde poderia ir seu limite. Foi difícil para Violeta convencer Rael a pegar leve. Uma vingança desordenada poderia não acabar bem, se Rael queria realmente uma vingança, teria que conhecer todo o sistema, aprender a hora de recuar e a hora de atacar.

            Para fazer dar certo, ele deveria se disfarçar de um mero adolescente normal por um tempo, tentar ganhar algum respeito e conhecer os maiores clãs, além disso, durante esse tempo ele ia aprender muito mais sobre como as pessoas agiriam.

            Rael sempre respeitou Violeta e por isso sempre ouvia seus conselhos, mas esse foi o que mais relutou para obedecer, afinal ele agora sentia que era forte e que podia derrotar qualquer um, até mesmo adultos.

            A cultivação de Rael estava no Espiritual Da Alma Profunda nível dois, isso poderia ser considerado como quase impossível para qualquer um, até mesmo com vinte anos, isso sem esquecer o fato que ele tinha todas as combinações possíveis.

            Os cultivos seguem esse padrão: Espiritual Nascente da Alma é o nível mais baixo, geralmente crianças e adolescentes estão nele, e vai do nível 1 ao 10 como em qualquer outra categoria. As idades costumam ser entre 7 a 15 anos, qualquer um que esteja dentro dessa limitação é considerado um cultivador normal, que nem é ruim e nem é bom. Alguns outros conseguem superar essa categoria antes dos 15 e já são considerados pequenos gênios, enquanto outros são lixos por passar mais de 15 anos presos nela.

            O próximo rank é Espiritual Formação da Alma, aqui a idade varia entre 15 a 21 anos. Depois vem Espiritual Da Alma Profunda, 21 a 27 anos. Esta é a atual força de Rael que seria considerado um grande gênio, seu crescimento foi extraordinário se comparado a outros, sem esquecer o fato que ele começou três anos atrasado. Se alguém sonhasse no mundo que haveria um garoto com 15 anos nesse rank, poderiam explodir de surpresa. Então nem devemos tocar na parte que ele combina todos os outros elementos ou mencionar o fato que ele parece compreender a maiorias das coisas observando só uma vez.

            Rael já era um gênio extremo quase sem limitações, ele quebrou todas as leis que poderiam existir que limitariam o nível de alguém, ele já era uma verdadeira lenda, por isso não entendia porque deveria seguir os planos de Violeta.

            A parte da observação que Rael tinha, aprender de primeira, Violeta ainda não compreendia, porém o fato dele saber diversas coisas sem conhecer ela já sabia o motivo e o porquê. Seimon falou sobre a herança antes de sumir, agora ela já estava familiarizada com isso.

            Depois de ter seu DNA junto ao dele, ela tivera essa resposta, mas nem se vivesse mais dez mil anos de vida, ela jamais imaginaria que uma simples criança poderia possuir tal poder, e esse poder, foi claramente o motivo de torná-lo aleijado.

            Violeta sabia também que esse era um mundo extremamente fraco e por isso se sentia ainda mais chocada quando pensava na herança dele, embora ela jamais tenha contado isso a ele, uma hora Rael finalmente iria entender e se lembrar porque sabia de coisas que nunca tinha visto antes.

― Mesmo que você seja mais forte que a maioria das pessoas da sua idade, e até alguns avançados, isso ainda não quer dizer que você supera todos, existem várias pessoas mais forte que você, por isso eu estou pedindo paciência. ― Violeta sempre repetia isso. Ela queria que Rael ganhasse experiência por si mesmo.

            Rael nunca pediu ajuda de Violeta sobre assuntos que não fossem treinamento, ele sempre teve em mente fazer isso por ele mesmo e depender apenas de sua força. Violeta por outro lado nunca teve em mente dizer não ou se oferecer, ela tinha outros planos enquanto Rael brincaria de vingança nesse pequeno mundo.

            Durante os anos que Rael passou ao lado de Violeta, ela sempre tentou seduzi-lo de alguma maneira. Exibindo um pouco de pele aqui, outra ali, algumas vezes até mesmo ficava nua fingindo ser um acidente, por exemplo derrubando uma toalha. Rael sempre achou Violeta linda, mas nunca teve pensamentos pervertidos com ela, sempre pensou nela como uma mestra ou irmã especial. Violeta por outro lado se sentia cada vez mais irritada com essa situação. Ela precisava daquele sentimento de volta, embora não lembra-se de ter tido. Por ser uma mulher diferente, ela também carregava uma maldição e essa maldição a fez esquecer como era ser amada.

            Mesmo assim ela não foi muito longe, Rael ainda era meio careta dentro dessas situações e por isso ela não achou apropriado forçar alguma coisa. Rael também se sentia muito bem com Violeta, mas na cabeça dele nunca imaginou que aquele tipo de sentimento, seria o de um cara afim de uma mulher. Rael até sabia que casais se beijavam, ele já tinha visto isso algumas vezes quando criança, mas nunca ligou esse fato com sua atual situação a Violeta. Isso porque todos os beijos foram por meras necessidades. Desperta ela, fazendo ele tomar remédio ou batizando ele. Ela não o beijou mais nenhuma vez dentro desses cinco anos seguintes, mas dormiu com ele o abraçou todas as vezes que podia.

            Violeta e Rael agora estavam finalmente na beirada da cidade de Elunia, essa cidade fazia parte de um dos territórios do clã Torres. Rael insistiu em começar por aqui, por isso, Violeta tinha atraído um adulto residente dessa cidade e usado seu poder para hipnotizá-lo, fazendo-o pensar que Rael seria o filho dele.

A floresta densa estava logo atrás de Rael e Violeta, por ser de noite pouquíssimas pessoas iriam ver os dois aqui. Eles esperavam Adam o homem que Violeta tinha preparado, e como tal, na hora exata ele apareceu bem vestido e cumprimentando os dois. Adam era um bom comerciante e tinha uma vida ótima, casado com uma boa mulher e pai de uma filha de treze anos, além de ter uma boa casa tinha um bom status, esses foram todos os pontos que fizeram dele a pessoa perfeita pra se fazer de pai para Rael. Embora Violeta não teve tempo de manipula melhores situações, mas para começar estava ótimo.

― Então, este é meu filho Samuel? ― perguntou Adam sorrindo.

            Na cabeça dele já havia toda uma história. Em uma de suas viagens, antes de conhecer sua esposa, ele teve um rápido caso com uma mulher de outra cidade. Depois de partir a mulher deu à luz a uma criança e cuidou dele até morrer de uma doença rara. Então Violeta que era sua mestra, cuidou e treinou ele durante oito anos, antes de vir procurar o pai. A história precisava ser levada a sério, por isso Violeta teve que hipnotizar outra série de pessoas em outra cidade, aproveitando um caso parecido onde uma mãe morreu deixando um filho sozinho a sete anos atrás. No futuro pessoas iriam procurar por raízes de Rael e se isso acontecesse iriam descobrir a farsa, por tanto era necessário ter cuidado.

― Sim senhor Adam, infelizmente eu tenho que resolver alguns problemas então deixo seu filho em suas mãos. ― Violeta sorriu se despedindo com um tchau e virou-se caminhando sem pressa floresta adentro. ― Comporte-se. ― disse ela, enquanto Rael ficou olhando as lindas e perfeitas costas de Violeta indo embora com um certo sentimento de preocupação, ele não estava acostumado a ficar longe dela.

― Filho eu sinto muito por sua mãe, mas não se preocupe que vou cuidar bem de você, eu prometo ― Adam se prontificou se aproximando de Rael e o abraçou pegando Rael de surpresa que voltou a olhar para o homem hipnotizado.

            Adam estava hipnotizado, mas sua mulher e filha em casa não, Violeta não achou necessário fazer o mesmo em todos, além do que, quanto mais pessoas hipnotizadas, mais fácil também era descobrir a verdade. Havia especialistas que poderiam notar e até descobrir a hipnose.

            Rael se sentiu estranho, sendo chamado de outro nome e sendo levado para uma casa que ele nunca tinha estado, além disso, agora ele estava de volta a cidade e voltaria a ver todas as crueldades que a escravidão fazia. Melhor ainda, ele estava perto de seu antigo clã de novo e não pôde deixar de sorrir por dentro, mesmo que ele não pudesse se vingar descaradamente, ele jurou tornar difícil a vida de qualquer um do clã Torres. Embora ele estivesse perto, não estava tão perto assim. O clã Torres, residia na Capital Toravan que ficava a muitas cidades daqui, sendo ainda o clã mais forte desse continente, e Rael estando aqui, passo a passo ele iria se aproxima de seus objetivos. Obviamente a ideia dele era ir diretamente para a capital, mas é claro que Violeta não permitiu.

Capítulo Anterior
Índice
Próximo Capítulo
Contribua com o novo site da Saikai Scan
By | 2017-08-09T20:10:33+00:00 09/08/2017 as 8:05|Herdeiro do Mundo|17 Comments

About the Author:

Scryzz
Gamer, Otaku e Trophy Hunter. Fã absoluto de One Piece, Dragon Age, CSR, TDG, PS3, PS4, PSV, Cinema, Música e, é claro, Linkin Park!
  • Luz,
    Câmera
    E…

    AÇÃO!

  • Janailson Barbosa Granja

    Obrigado pelo capítulo

  • Maycon

    Estou sentindo uma treta….kkkk kkkkkkk
    Bom cap, desenvolvimento rápido bem ordenado, e pra variar o elemento mais foda escuridão… Compatível com todos os outros elementos, nada fraco esse hacker kkkkkkkkk
    Obg pelo cap🙇👊✋

  • Kuro

    Não sei pq mas me deu uma inveja, estranho….

    • Igor Ribeiro

      kkk

    • Tyrone Costa

      Inveja e raiva por q o mlk não tem noção do q tá perdendo por causa dessa inocência dele kkk

      • Dannyel Batista

        Justamente kkkkkk

  • Higorcrazy silva

    Mano pode espera esse braço dele vai se transformar do mesmo jeito que a violeta se tranforma em demônio

    • Lordletal

      Sem Spoiler huahuahua

  • Henrique Neiva

    Vlw pelo cap.

  • Shirosaki

    Estou gostando, esta muito bom. Ansioso para vê a vingança dele
    Vamos vê como ele se desenvolveu, e como ficou a personalidade dele.
    Mas estou gostando parece um MC promissor ‘–‘

  • Thiago Angnes

    Ótima novel!

  • Ranger

    mesmo sendo parecido com muitas coisas que vi, ainda sim tem uma enorme inovação.
    Parabéns!

  • Andre dragneel

    Obrigado pelo capítulo

  • Fullero.com

    tbm quero uma mestra assim!!!!

  • Kyoua Eduardo

    Oloco, o Elder Yan adora quebrar alguns clichés hein? Obrigado pelo cap <3

  • Samuel Teixeira