Mundo dos Titãs 106

Home/Mundo dos Titãs 106
Capítulo Anterior
Índice
Próximo Capítulo

Autor: Edson Fernandes da Costa

Capítulo 106 – Sobre o Passado

“Eu, Kyoran.”

Eu tinha muitos problemas em mente, meu maior foco no momento agora era treinar. Como Arzachell já havia me ensinado tudo o quanto sabia da aura e o quanto eu poderia aprender no momento, ele agora passava as tardes e as noites cruzando espadas comigo e melhorando rapidamente minhas habilidades. Todas as vezes que eu achava que estava chegando perto do nível de luta dele ou do poder ele aumentava mais fazendo parecer que eu não estava saindo do lugar.

― Você acabou de aumentar novamente― disse enquanto me levantava do chão, ele havia acabado de me derrubar forçando a espada de aura dele contra as minhas duas. Mesmo que eu houvesse melhorado absurdamente no controle de aura, meu corpo ainda não tinha se acostumado a controlar tanto poder, por tanto, eu ainda não era capaz de fazer todos os devidos usos da aura junto com meu poder de ataque.

― Você é mesmo incrível Kyoran, não é tão forte quanto Dante foi um dia, no entanto, sua força está aumentando rapidamente, um dia você irá ultrapassar o poder que você teve no passado ― elogiou girando a espada e se preparando para me defender novamente, uma vez que eu me levantasse, eu com certeza iria atacá-lo. Agora eu podia usar auras no pés, nas mãos e nas armas ao mesmo tempo graças ao treinamento que Arzachell estava me dando. Nosso treinamento estava ocorrendo do lado de fora das muralhas do castelo sobre a vista dos guardas e dos Iluminados que ficavam sempre revezando na torre, dessa forma, eles não nos chateavam. Eu treinava duas vezes por dia com Arzachell, de tarde e de noite e uma vez de manhã com meus parceiros de treino.

― Venha, o que você está esperando? ― perguntou ele girando a espada graciosamente de um lado para o outro no ar com uma mão. Eu sorri empolgado e parti novamente depois de ativar minha aura nos pés. Eu não estava usando minha benção como ele mesmo ordenou assim como ele não usava a dele, nosso treinamento se baseava em força física e em aura. O chão atrás de mim se cobriu de poeira enquanto eu corria preparando minhas duas espadas e já enchendo de aura, eu e ele estávamos de armadura do pé a cabeça. Minhas espadas encontraram a dele e eu comecei a seqüenciar vários ataques seguidos, que iam de desde laterais, horizontais de quina, eu procurava qualquer forma de quebrar sua defesa. Mesmo ele com apenas uma espada parecia defender meus ataques brincando, eu poderia atacar no alto e já ir com um ataque por baixo que mesmo assim ele conseguia defender, empurrar a espada de cima e já defender em seguida embaixo. Arzachell era um lutador incrível e talentoso, as vezes eu imaginava que não poderia superá-lo, como eu disse, todas as vezes que nossas forças pareciam está se alcançando, ele aumentava de algum jeito. Novamente numa enxurrada frenéticas de ataques por minha parte, ele achou uma brecha, empurrou minhas espadas e conseguiu me chutar no peito, mesmo bloqueando com as espadas em X ainda fui jogado para trás.

― Você está melhorando muito sua aura, no entanto seus padrões de ataque ainda são repetitivos, eu consigo prever todas as suas iniciativas sem esforço ― disse ele esperando eu me levantar. Diferente de quando Aiya tentou me treinar, Arzachell pegava bem leve nos contra ataques, não chegava a me ferir muito, os ataques só costumavam me derrubar, o foco do treino ali era o uso da aura.

Por eu ter desenvolvido uma habilidade em que meu eu antigo Dante não era bom, não só eu, como Arzachell ficamos muito surpreso, dessa forma era possível sim que eu superasse o antigo. O que não me saia da cabeça era aquele poder destruidor que Dante usou quando salvou Lilithi de Risa, aquele em que ele cobriu a mão com aura e manteve a frente enquanto corria destruindo árvores e rochas pela floresta. Quando perguntei a Arzachell sobre isso ele disse que aquele poder não causa muitos problemas a titãs com armaduras, o uso daquele tipo de aura se chama “Desequilíbrio” isso porque o titã usa sua aura de energia desgovernadamente gastando a energia em segundos.

― essa habilidade tem como maior potencial arremessar seres vivos e matérias sem vida para longe. Não é comum o uso dessa habilidade, em pedras e árvores, ela destrói porque o alvo em si está preso na terra, em seres vivos ela arremessaria para qualquer um dos lados. Claro se os alvos não são fortes ou não estão protegidos o impacto da queda poderia matar ― explicou ele.

― Dante usava, porque sua aura sempre foi monstruosa e combinado com sua velocidade ele não gastava tanta energia dentro de um percurso, você, apesar de ter uma aura forte não se compara com a dele ainda, você acaba ganhando no controle, coisa que ele não tinha ― disse ele me elogiando.

O treinamento continuou por mais alguns minutos, eu sempre usava a aura ao máximo que podia como ele me instruía. Finalmente cansei, sentamos nós dois ao lado de um tronco de uma árvore na ponta do início da floresta.

― Quando você chegou aqui no começo eu não considerava você a reencarnação dele, eu e Sammy sabíamos que você não lembraria de nada, você era tão diferente que jamais poderia chegar perto dos padrões e ações de Dante.

― Muitas pessoas já me falaram de Dante, de como ele era essas coisas, nunca ouvi você falar nada a respeito dele ― disse.

― Eu e Dante fomos os melhores amigos, ele me salvou uma vez dos Iluminados, na época, eu não estava aqui ainda, defendia o povo do meu sangue. Em fim, Dante era o tipo de sujeito que nasceu para ajudar e salvar os fracos, sempre alegre e bem maluco. Mesmo assim ele nunca recusou ajudar ninguém, nem mesmo quando suas forças não poderiam contra um oponente, ele sempre dava um jeito. Dante salvou inúmeras pessoas, titãs, animais qualquer coisa que ele poderia salvar ele salvava se estivesse em seu alcance.

― Por que ele fazia tanto assim? ― perguntei curioso olhando ele de lado. Arzachell estava olhando para o céu escuro com poucas estrelas e parecia está quase sonhando.

― Uma vez fiz essa mesma pergunta. Ele respondeu que salvaria até o mundo se pudesse, a única coisa que ele queria em troca é que sua irmã tivesse sido salva por alguém ou estivesse sendo.

― E como foi que ele perdeu a irmã dele? ― perguntei curioso.

― Vocês dois estavam entre as fronteiras dos Luminus e Tenebris certa vez, atravessando uma trilha entre as montanhas,você não conhece ainda, mas tem lugares lá no alto que as montanhas são bem frias e o vento é forte. Por ordem de seu pai, vocês tiveram que fugir enquanto ele era atacado por um grupo de deuses que desceram para o destruir na época ― explicou Arzachell pensativo.

― Deuses caídos? Existem mais? ― perguntei chocado.

― Deuses não caídos também podem descer por um tempo determinado estando dentro das regras, à missão deles era matar seu pai e os filhos.

― Por que eles queriam nos matar? ― perguntei chocado.

― Você não sabia, apenas disse que seu pai garantiu que daria a vida para proteger vocês dessa caçada, na época, vocês viviam fugindo dos constantes ataques dos deuses ― explicou ele. Isso me lembrou o que Sebastian disse uma vez “― seu pai se sacrificou para que você e sua irmã pudessem continuar vivendo”. As histórias batiam de algum modo.

― Estávamos na montanha e o que mais? ― perguntei para que ele pudesse continuar, Arzachell tinha ficado em silêncio mergulhado em pensamentos enquanto olhava para o alto.

― Entre você e sua irmã, você era o mais forte e desde aquele tempo já conseguia controlar sua velocidade, vocês foram emboscados por um grupo de rachadores que rondavam as montanhas, então você escondeu sua irmã entre algumas rochas a mandando esperar e fez com que os rachadores o seguissem, você os levou para longe e quando voltou, ela não estava mais, tinha desaparecido, havia também marcas de uma luta, parece que você não conseguiu atrair todos os rachadores, o local em que sua irmã teria se escondido, estava destruído por um soco gigante ― disse ele fazendo uma pausa.

― Ela pode está até mesmo morta? ― perguntei surpreso.

― Você nunca encontrou o corpo e por isso nunca desistiu, você acreditou que sua irmã conseguiu fugir ou foi salva por alguém.

― Por isso eu comecei a salvar pessoas?

― Não sei.

― Qual era a nossa idade na época?

― Vocês eram irmãos gêmeos, ambos tinham quinze anos.

― Nossa mãe?

― Pelo que você me contou sua mãe morreu dando a luz, quem cuidava de vocês era seu pai.

― Eu sabia que ele era um deus caído? E minha mãe?

― Não sabia, seu pai deve ter escondido isso para proteger vocês, sua mãe era humana.

― Mas ele disse alguma coisa ou a razão dos deuses nos perseguirem?

― Disse que existe uma guerra de poder no paraíso, essas forças queriam o destruir. Pra falar a verdade eu passei anos da minha vida pensando no que você havia me contado, porque vocês e seu pai foram alvos de deuses, nunca entendi até um tempo atrás.

― Como minha irmã era? Ela era parecida com meu antigo eu?

― Você dizia que sua irmã tinha o coração mais doce do mundo, não tinha coragem de ferir nenhum simples inseto, ela era completamente indefesa e por isso você se sentia na obrigação de proteger-la a qualquer custo ― disse ele se virando pra mim.

― Entendo ― disse um pouco triste. Minha irmã deveria ser uma garota incrível então, mesmo que ela não fosse forte, deveria ter um bom coração se estivesse viva.

― Você não aparentava ser como ele era quando chegou aqui, não no início, depois você acabou indo pra casa, voltando para nos ajudar e ainda salvou aqueles dois garotos, como é o nome deles mesmo? Teimo e Tomas? ― perguntou.

― então você também soube sobre isso ― comentei sem jeito.

― E quem não iria saber? Eles ficam falando pra maioria que encontram sobre como você lutou sozinho contra todos os Tenebris e os derrotou facilmente ― disse Arzachell rindo. Me lembrei de Lilithi, se não fosse por ela naquela batalha eu teria morrido, eles não falaram dela como pedi, então, logicamente tiveram que inventar uma história onde eu lutava sozinho.

― Eu não derrotei todos eles sozinhos ― comentei baixinho.

― Eu sei, ela te ajudou não é? Salvou você ― disse Arzachell, ele provavelmente já sabia devido a ligação com o dragão dele.

― Sim.

― Kyoran você está melhorando muito, mais seus movimentos ainda são fáceis de prever, você teve uma boa instrutora quando chegou aqui a primeira vez em sua outra vida, aconselho a procurar ajuda do mesmo ponto ― disse ele falando baixo.

― Eu entendi, mas se eu fica indo muito no ninho todos vão ficar desconfiados, não posso ficar atraindo muita atenção.

― Você é um ligado as dragões, não vejo problemas desde que tenha um pouco de cuidado e não exagere muito nos tempos em que faz as visitas ― disse ele batendo no meu ombro e levantando. Eu me levantei junto.

― Escuta, você provou ter o mesmo coração que Dante tinha antes e por isso eu já o considero meu novo melhor amigo ― disse ele sorrindo com os lábios cerrados. ― Se precisar de alguma coisa fale comigo, eu vou sempre fazer o possível pra ajudar você ― disse ele estendeu a mão, apertou meu ombro me olhando no olhos, ficou assim uns três segundos, depois saiu caminhando. Eu o segui em silêncio, o último amigo que tive aqui tinha sido um Domínio disfarçado, agora eu tinha meus colegas de treino e Arzachell.

Enquanto seguia Arzachell eu estendi a palma da mão um pouco a frente do peito e fiz varias moedas de ouro surgirem, sorrir comigo mesmo, assim que me aperfeiçoei com essa habilidade, Arzachell me deu uma grande quantia em ouro mesmo eu tentando recusar. ― Eu sei que Aiya não paga nada a você, aceite isso como um incentivo do seu treinamento ― disse ele na época, talvez ele tenha sabido da minha dificuldade em ter ficado perdido sem nenhum dinheiro.

 


Agradecimentos pela revisão > Igor Ribeiro

Capítulo Anterior
Índice
Próximo Capítulo
Contribua com o novo site da Saikai Scan
By | 2017-07-16T18:47:25+00:00 16/07/2017 as 6:47|O Mundo dos Titãs|3 Comments

About the Author:

Zenkros
  • Fullero.com

    muito bom! ele estar focando no objetivo, ficar forte e pega mulher kkk

  • Ranzayromeo

    exelente cada vez mais forte, finalmente Kyoran evolvedes kkk

  • Janailson Barbosa Granja

    Obrigado pelo capítulo

Avada WordPress Themes