Pacto de Sangue 16

/Pacto de Sangue 16
Capítulo Anterior
Índice
Próximo Capítulo

Autor: Aladian Dolci | Revisor: Exdryn

Capítulo 16 – A sala escura

Eddy acordou confuso, sentindo uma imensa dor na parte de trás de sua cabeça…

Sua visão estava embaçada e um tanto quanto avermelhada, seu corpo tinha diversos hematomas espalhados e em um estado semi nu, só o impedindo de ficar pelado por completo por conta de trapos que ele vestia na região íntima.

Uma sala suja e imunda, onde tudo que a habitava era asqueroso. Esse era o lugar onde ele se encontrava.

Diversas pessoas em um estado igualmente miserável ou até mesmo pior estavam acorrentadas ao seu redor.

Algo a frente de Eddy se abria… Uma velha porta de madeira…

Dois homens passaram pela porta, ambos tinham um olhar frio.

 “Parece que dessa vez, não conseguimos nenhum riquinho para pedir resgate… Tsk!” Um dos homens estava levemente irritado. Ele era bruto e, igual ao outro, usava um manto preto que tampava quase por completo seu rosto, aparecendo apenas cicatrizes.

 “Mas ainda conseguimos trinta pessoas para servirem de escravos haha, isso nos renderá um bom dinheiro!” O outro homem esfregava suas mãos em ansiedade pelo dinheiro. Diferente do seu colega ele é menos robusto, porém ainda tinha certa arrogância emanada em sua voz, e é claro, um manto negro que cobria seu rosto.

 “Mas fora isso… Sobre o novato… Eu ainda não entendi como alguém caiu no truque do novato, mesmo sendo uma criança… Nem mesmo uma porta cairia nesse truque, mas ainda tem gente retardada o bastante para se aproximar de um estranho e ser apagado por ele, isso é hilário HAHAHAHAHA!” O homem franzino não poupava risadas, elas tremiam o quarto escuro e espantavam os insetos.

Eddy ainda estava desnorteado, percebendo que suas mãos também foram presas, o deixando com uma incômoda sensação.

  “Já pegamos trinta pessoas, mas é sempre bom mais dinheiro!” O homem robusto se virou e saiu.

 “Você está certo Chooser, temos que esperar mais dois dias antes dos cães do reino saírem da cidade, só então poderemos transportá-los com sucesso! Até lá vamos pegar mais escravos quanto possível!” O homem mais franzino também saiu pela porta, a fechando, deixando a sala totalmente vedada, não passando luz solar naquela sala abafada e úmida.

Um tempo se passou até Eddy conseguir recuperar sua consciência por completo.

Olhando ao redor, sua mente entra em desespero e seu coração bate mais rápido em temor por sua vida.

Mesmo às pessoas ali junto com ele, todas permaneciam em silêncio a fim de poupar energia. Muitas delas aparentavam estar a dias sem comer, com corpos frágeis e magros, feições tristes e sem esperanças em um dia saírem dali.

 “On-onde eu estou?”.

 “Quem são todos vocês?”.

 “Bem quando eu iria despertar minha magia…”.

 “Meu futuro tinha tudo para dar certo, mas estou aqui…”.

 “POR FAVOR, ALGUÉM ME AJUDE”.

Eddy mesmo tendo consciência de que o melhor a fazer no momento seria não entrar em desespero, a situação o levou a isso, logo ele tentava gritar, porém sua voz fraquejou.

 “Garoto, acalme-se!”

Um homem de aparência robusta, mas com um olhar cansado que não condizia com seu físico virou-se para Eddy. Igual Eddy, o homem estava em um estado semi-nu.

 “Como eu posso me acalmar? Minha família espera que eu me torne um grande mago, mas a primeira coisa que eu fiz ao sair de meu lar foi ser sequestrado… Isso é patético” Eddy além de desespero, sentia-se frustrado por ser incapaz de passar um dia sem fazer cagada.

 “Eu te entendo garoto…”.

 “Eu levei uma pancada muito forte na cabeça enquanto coletava flores para minha noiva, e agora estou aqui…”.

 “Um guerreiro do reino aprisionado nessa sala imunda, e com minha mana completamente drenada por essas correntes. Mas eu só espero que minha querida não esteja preocupada…”.

 “Não acha que estamos em situações parecidas?” O homem desabafava seus sentimentos para uma criança na mesma situação que ele, oque muitos ali acharam estranho, mas ninguém sequer se pronunciou apenas continuavam preocupados em não morrer pela falta de ar que tinha na sala.

Eddy pensou um pouco e então o responde:

  “Na verdade, acho que se você é um guerreiro… Você poderia ter evitado isso facilmente!”

O homem se sentia extremamente constrangido, ele contou sua história a fim de acalmar um jovem, e ainda assim fora ridicularizado pelo mesmo.

 “É tem razão… Garoto, qual é seu nome?” Perguntou o homem.

 “Eddy, e o seu?”

 “Meu nome é Tshil” Respondeu o homem.

 “Que coisa estranha de se pronunciar, seus pais estavam bem na hora de te dar esse nome?” Eddy não poupava ‘elogios’ ao homem.

 “Digamos que um deles estava bêbados Hahaha” Tshil nem mesmo se importou, pois de certa forma era verdade o que ele tinha dito.

  *pah* *Pah* *PAH* *PAH* *PAH!*

Os sons de passos pesados se aproximando, fez com que até o pouco ânimo que foi estabelecido no local, fosse cessado em poucos segundos.

*Crash!*

A porta fora estilhaçada com um chute.

O homem musculoso que usava o manto preto voltou, porém dessa vez, seus olhos saltavam com veias vermelhas de seu manto, claramente ele estava enfurecido.

Amedrontando muitos ali, olhavam a falta da porta como uma possível rota de fuga, se não fosse por essas correntes…

A saída estava as suas frentes…

 “Quem foi o desgraçado que fez isso?” O homem perguntou em fúria.

Quase nenhum deles entendeu o que ele quis dizer, mas não saberiam a resposta de sua pergunta.

 “Os lixos do exército rastrearam esse lugar… QUEM FOI QUE DEIXOU MARCAS DE AURA PELA FLORESTA?!?” Perguntou o homem robusto em tom de fúria novamente.

Escutando a frase ‘exército rastrearam esse lugar’, todos cochicham entre si e se animavam. Era tudo uma questão de tempo até serem salvos!

 “PAREM DE FALAR SEUS ESCRAVOS IMUNDOS!” O homem puxa uma viga de concreto e bate ela contra o chão. Isso faz com que a sala volte ao silêncio.

 “O novato já foi pego… E meu colega está lutando contra alguns soldados agora mesmo, então SE NÃO ME DISSEREM QUEM FOI, VOU MATAR UM POR UM DE VOCÊS ATÉ QUE ME CONTEM!” O homem nem sequer ligava mais em sair vivo, seu único objetivo era matar o responsável por isso.

 “Você sabe quem foi?” Eddy virou-se e perguntou para Tshil, que por sua vez estava pálido.

 “Se alguém morrer vai ser minha culpa!” Tshil começou a se concentrar nas gotas de sua mana, fazendo-as circularem por seus músculos para lhe darem mais força.

Antes de dar tempo de sequer alguém pensar, ele vira para a pessoa mais ao canto da sala.

Uma pequena garota com olhos vazios e roupas rasgadas e sangrentas… Poucos saberiam o que esses monstros haviam feito há uma pequena criança  de apenas sete anos.

“Eu quero a mamãe… Eu quero morrer… Eu quero a mamãe… Eu quero morrer…” A menina murmurava incessantemente para si mesma.

 “Você servirá como um bom método de me acalmar, garotinha hahaha!” O homem se aproximava da garotinha, com luxúria em seus olhos, ele queria usar uma garotinha como brinquedo.

Ao ouvir as palavras do homem da capa preta em relação a garotinha, muitos já tinham em mente o que aconteceria com a pequena garota e só podiam lamentar, de todos que estavam no quarto escuro, apenas um deles se manifestou:

 “Ei gorila! Fui eu quem deixou as marcas!” Sentado entra a menina e outra mulher se manifestou um garoto franzino, aparentemente um pouco mais velho que Eddy.

O homem se virou para o garoto irritado e ficou em frente a ele.

 “Então você sofrerá em minha *POW* AAAAAARRRRRGHHHHHH” Antes mesmo de terminar sua frase, o homem de capuz preto recebeu um chute em sua genitália, com todo o ódio daquele jovem, caindo de joelhos ao que ele chamava de escravo há pouco tempo.

 “Seu lixo… Você não merece ser chamado de homem… Fazendo isso a uma jovem garota…” O jovem cospe no rosto do homem de manto preto no chão.

E como o garoto já previa, o homem de manto preto só ficou mais irritado.

O sequestrador que usava uma viga de concreto como arma, se levantou bufando.

 “Você iria ter uma morte rápida… Mas antes vou lhe castrar!”

*Crash!*

Uma forte batida contra a virilha do jovem usando a viga, fazendo com que até mesmo o chão abaixo do local quebre.

 “EU VOU TE MATAR SEU FILHO DA PUTA! SUA FAMÍLIA INTEIRA TERÁ UMA VIAGEM SÓ DE IDA PARA O INFERNO NA TERRA! VOU ARRANCAR SUAS TRIPAS E TE ENFORCAR COM ELAS ATÉ VOCÊ PEDIR POR PERDÃO!” Gritava o jovem com dor e ódio, ele, que estava igualmente acorrentado, cravava suas unhas no chão tentando suportar a dor, até mesmo tirando algumas lascas do piso com os dedos.

Eddy não sabia como reagir a toda essa situação, repentinamente sequestrado, outrora condenado a escravo, outrora com esperanças de ser livre e por fim, condenado à morte por um homem estranho.

Afinal, quem era esse homem para ditar se Eddy vivia ou morria? O que decidia isso no mundo era a lei da sobrevivência, até mesmo ao comer uma pequena fatia de carne, Eddy sabia que aquilo um dia já foi uma vida que passou pelos estágios da infância até chegar a maturidade e ser levado ao abate.

 ‘Poder… é o que difere o morto do vivo!’ Essa era uma frase que rondava na cabeça de Eddy, junto de outras.

Mesmo a menor das crianças, iriam ter pensamentos reflexivos sobre a situação a sua frente, sendo forçados a amadurecer ou enlouquecer.

*Crash!*

Esses pensamentos são cortados no mesmo instante que ele volta à realidade com sangue voando em sua face… O sangue era da cabeça do jovem a qual protegeu a pequena criança que havia sido esmagada.

 “Arg… EU SEI QUE NÃO FOI ELE QUEM ESPALHOU AS MARCAS… SE MANIFESTEM, OU MATAREI ESSA PIRRALHA!” Ameaça o homem de manto negro, agora repleto de sangue.

 “Eddy… Se eu não sobreviver diga a minha noiva que eu a amo!” Cochichou Tshil ao ouvido de Eddy.

 “Oque?” Eddy olhou para o lado, afinal, se alguém fosse sair vivo, tinha mais chances de ser um guerreiro do exército do que um adolescente.

*Clank!* *Clank!*

Antes de dar tempo de Eddy raciocinar, as correntes que prendiam Tshil foram quebradas pela mais pura força bruta, finalmente, ele havia se libertado.

Tshil já se culpava por não ter salvo o jovem, mas ele não queria que mais uma criança morresse em sua frente de forma tão brutal.

Os pulsos de Tshil sangravam devido à força excessiva usada.

Sua mana, agora livre das correntes, poderia por fim se recuperar e, devido a tensão e adrenalina, ela voltava mais rápido que o normal.

Mesmo voltando mais rápido, a mana ainda demorava pra preencher seu corpo, só tendo energia o bastante para uma pequena magia por alguns segundos.

 “ENFRENTE ALGUÉM DO SEU TAMANHO!” Tshil esvaziava o ar de seus pulmões para chamar a atenção do homem.

 “O homem que recebeu um ataque meu na cabeça e sobreviveu, Hahaha, nada menos esperado de você arrebentar essas porcelanas!”

Tshil estava acabado, então de forma discreta, com uma de suas mãos atrás das costas, ele criou uma pequena chave de pedra e a jogou para Eddy.

Isso lhe custou toda a reserva de mana que ele tinha, assim só podendo lutar contra o homem com seus músculos e, se tentasse usar alguma magia, ele perderia a consciência.

 “Liberte todos… Vou segura-lo o máximo de tempo que conseguir, afinal você será um grande mago no futuro, eu tenho certeza!” Cochichou Tshil.

 “Venha!” Grita Tshil.

O sequestrador, avançou.

Mesmo não sendo usuário de ataques com mana, sua força bruta não poderia ser subestimada, afinal, ele carregava um pilar como se fosse nada.

Tshil não teve tempo nem de pensar, recebendo uma estocada de pura pedra em seu peito, o fazendo atravessar a parede e parar em uma floresta iluminada.

 “Mui-muito fraco*Puhh*” Tshil cuspiu um de seus dentes, abrindo um sorriso que irritava o sequestrador.

Tshil tinha a força da mana no Ápice do reino [Fraco], mas devido ao esgotamento, ele não era diferente de um humano normal com músculos tunados.

 “Hahaha, sempre gostei de pessoas resistentes como você, POR ISSO, VOU USAR MINHA FORÇA MÁXIMA PARA MATÁ-LO!”Grita o sequestrados avançando outra vez!

Mas dessa vez, Tshil desviou para o lado esquerdo, colocando o pé na frente do sequestrado e o fazendo perder o equilíbrio, complementando com um golpe de cotovelo nas costas.

Isso não foi muito eficaz, afinal, todas as forças de Tshil haviam se esvaído durante o tempo que ficou sem comer aprisionado.

  “HAHAHAHA, Você me decepcionou… Sinceramente esperava mais de você!” O homem do manto negro, girou a viga e a usou como apoio para se equilibrar, seguido de outro giro que mandou a ponta que estava cravada no chão à cabeça de Tshil.

Por puro reflexo, Tshil colocou um de seus braços na rota de colisão.

   *CRASH!* *POW*

O braço se dobra como papel, amortecendo muito pouco do ataque que acertou em cheio a cabeça de Tshil.

Era o segundo ataque que ele havia recebido na cabeça em menos de uma semana, só o fato de ele ter sobrevivido ao primeiro já era impressionante.

Por fim, Tshil cai no chão abalado, com sangue em sua boca, um braço quebrado e a cabeça rachada.

Continua… Talvez… Um dia…

(Dúvida do autor: Preferem um capítulo grande ou curto? E em relação aos posts, serão 3 por semana a partir da semana que vem!)

Capítulo Anterior
Índice
Próximo Capítulo
Contribua com o novo site da Saikai Scan
By | 2017-12-06T19:32:41+00:00 06/12/2017 as 7:32|Pacto de Sangue|7 Comments

About the Author:

Scryzz

Gamer, Otaku e Trophy Hunter. Fã absoluto de One Piece, Dragon Age, CSR, TDG, PS3, PS4, PSV, Cinema, Música e, é claro, Linkin Park!

  • Israel

    3 por semana, que delicia.To curtindo mt man, parabéns, se tiver capítulos longos, humilde.

    • Yahhamaru

      É pq de vez em sempre, faço uns cap de 13 página, ai né, tem que dividir (Esse cap é um exemplo disso)

      • Israel

        hmmm, eu n ligarei de ler mas acho q no geral é melhor.

  • Davi Rhodis

    Obg pelo cap o

  • Williams Santos

    Capítulos longos! Estou gostando muito da história!

  • Rafael B

    Cara é melhor mais capítulos mais curtos porque muito longo acaba ficando um pouco cansativo de ler

  • Hey_Nexus

    Se não for incômodo então capítulos longos é claro!